sexta-feira, 26, fevereiro, 2021
Início Eventos 1ª Mostra Cine Brasil Experimental no CCSP com filmes raros

1ª Mostra Cine Brasil Experimental no CCSP com filmes raros

A 1ª Mostra Cine Brasil Experimental acontece de 24 a 29 de setembro, no Centro Cultural São Paulo, e traz ao público paulistano uma seleção de filmes experimentais realizados por cineastas e artistas brasileiros e latino-americanos. A programação do evento é composta tanto por produções contemporâneas, quanto por joias da filmografia experimental redescobertas pela equipe de curadoria do mostra.

Na ocasião, algumas preciosidades do cinema experimental latino-americano que foram recentemente remasterizadas ou restauradas serão apresentadas pela primeira vez no Brasil. É o caso de ORG (1967-1978), de Fernando Birri, raramente exibido desde sua estreia no festival de Veneza em 1979 até sua recente restauração em 2012 pela instituição arquivística alemã Arsenal Institut für Film und Videokunst, e Lupe (1966), de José Rodriguez-Soltero, restaurado pelo Anthology Film Archives, de Nova York.

1ª Mostra Cine Brasil Experimental no CCSP com filmes raros 1

Um dos destaques do evento é a homenagem à cineasta e artista franco-americana Vivian Ostrovsky, que passou parte importante de sua juventude no Brasil e até hoje tem uma relação muito especial com o país, algo que está muito presente em sua obra. A Mostra exibe 13 filmes em curta-metragem realizados por Ostrovsky entre 1983 e 2018, entre eles Copacabana Beach (1983, 10′, cor), talvez seu filme mais conhecido, que ela realizou em super-8 na famosa praia carioca; e Nikita Kino (2002, 40′, cor e pb), filme documentário experimental realizado com belíssimas imagens de arquivo sobre suas lembranças da antiga URSS, país de origem de seu pai. Vivian Ostrovsky estará presente no evento e participará de um bate-papo com o público no dia 28 de setembro, às 20h30, no Centro Cultural São Paulo. Na ocasião, estará presente também o professor da Escola de Comunicações e Artes da USP, Rubens Machado, que falará um pouco sobre a obra da artista. O debate terá entrada gratuita.

Ainda como parte de seu eixo histórico, a mostra traz também curtas e o longa-metragem Salomé (1976), realizados pelo cineasta franco-mexicano Teo Hernandez (1939-1993); além de filmes importantes da cinematografia experimental nacional, tais como Explendor no Martírio (1974, 10′)  e Pira (1972, 15′), de Sérgio Péo; Exposed (1978, 8′), O Rei do Cagaço (1977, 10′), Lin e Katazan (1979, 6′) e Alice no País das Mil Novilhas (1976, 20′), de Edgard Navarro; A Pátria (1977, 3′), Brasil 1.872.000 Minutos/Noves Fora? (1976-1977, 18′), Costumes da Casa (1977, 9′) e Shave and Send (1977, 16′), de Jorge O Mourão. Os filmes de Péo, Navarro e Mourão serão digitalizados especialmente para este evento. A mostra também fará uma homenagem ao recém falecido cineasta brasileiro Luiz Rosemberg Filho, exibindo o radical Imagens, de 1972, filme que durante décadas foi dado como perdido e, em 2014, foi reencontrado na França.

Outro destaque do eixo histórico é a sessão dedicada aos filmes da Corcina – Cooperativa dos Realizadores Cinematográficos Autônomos. Ela existiu entre 1978 e 1983, produziu por volta de 50 filmes, distribuiu mais de 70 e aglutinou cineastas como Sérgio Péo, André Parente, Lúcio Aguiar, Roberto Moura, Jorge Abranches, numa época em que a Lei do Curta deu fôlego novo para a produção curtametragista no país, fomentando a produção experimental. A curadoria do bloco é de Lucas Parente.

Completando o eixo histórico, serão exibidos o belíssimo curta-metragem Eclipse (1984, 12′), de Antônio Moreno, que foi recentemente remasterizado a partir do escaneamento de seu negativo original (pintado à mão pelo cineasta) em 2k; o curta Pantera Negra (1968, 3′), do cineasta e cartunista Jô Oliveira, também recentemente remasterizado; e ainda curtas-metragens do cineasta franco-brasileiro Raymond Chauvin e da diretora brasileira Débora Waldman.

O eixo contemporâneo da 1ª Mostra Cine Brasil Experimental tem seu foco sobre a obra de três cineastas brasileiras: Letícia Ramos, Ana Vaz e Louise Botkay. Serão exibidos curtas-metragens realizados por cada uma delas, entre eles: The Blue Night (2017, 5′), VOSTOK (2014, 8′) e Não é Difícil para um Investigador da Natureza Simular os Fenômenos (2018, 8′), de Letícia Ramos; Estou Aqui (2015, 7′), Vertières I, II e III (2014, 10′) e Sugar Freeze (2011, 10′), de Louise Botkay; e Occidente (2014, 15′), Há Terra! (2016, 13′), A Idade da Pedra (2016, 13′) e Sacris Pulso (2008, 15′), de Ana Vaz. A curadoria deste bloco é de Patrícia Mourão.

Além dos filmes dessas jovens cineastas, também dentro de sua aba contemporânea, a mostra exibe o média-metragem Nietzsche Sils Maria Rochedo de Surlej (2019, 58′), de Rodrigo Lima, Rosa Dias e Júlio Bressane.

A 1ª Mostra Cine Brasil Experimental é patrocinada pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa por meio do PROAC. Ela é uma produção da Cinediário e tem apoio do Centro Cultural São Paulo, do Instituto Goethe e da Cinemateca do MAM-RJ.

 Atividades paralelas

 Juntamente com as sessões de cinema e debate, a 1ª Mostra Cine Brasil Experimental também promoverá duas atividades paralelas: o 1º Seminário de Cinema Experimental Brasileiro e um um curso sobre a história do cinema experimental brasileiro, a ser ministrado por Renato Coelho e Pryscila Bettim.

O 1º Seminário de Cinema Experimental Brasileiro acontece no dia 24 de setembro, das 11h às 19h, no Centro Cultural São Paulo e será composto por duas mesas redondas com pesquisadores e teóricos especialistas na história e na filmografia do cinema experimental brasileiro e uma palestra ministrada pelo cineasta experimental e pesquisador Carlos Adriano, que acontecerá, dentro do contexto do seminário, às 17h.

O acesso a ambas as atividades é gratuito. As inscrições para o curso serão realizadas no primeiro dia de aula. Para o seminário não é necessário se inscrever, basta retirar senhas a partir das 10h, do dia 24 de setembro. Os ouvintes tanto do curso quanto do seminário receberão certificado.

Destaques latino-americanos

Uma das preciosidades exibidas na mostra é a monumental obra de Fernando Birri (1925-2017), ORG (1967-1978), raramente exibido desde sua estreia no festival de Veneza em 1979 até sua recente restauração em 2012, na Alemanha.

O argentino Birri foi figura chave do novo cinema latino-americano tanto como realizador de obras fundamentais como Tire Dié (1960) e Los Inundados (1961), como teórico e como co-fundador das escolas de Cinema em Santa Fé, Argentina e San Antonio de Los Baños, em Cuba. Filmado entre 1967 e 1978 ORG foi, segundo seu diretor, o resultado de sua experiência no longo período de seu segundo exílio na Itália. A obra se destaca como visão caleidoscópica sobre a geração dos anos 1970, marcada pelos ventos da contracultura e do ativismo revolucionário, que teve em Birri uma de suas principais figuras no cinema. Também se destaca como experimento formal e perceptivo, misto de filme-ensaio, filme de colagem vanguardista, e épico de ficção científica (protagonizado por Terence Hill, dos filmes Trinity), contendo mais de 26 mil cortes, 700 faixas sonoras e entrevistas com colegas dos novos cinemas pelo mundo como Jean-Luc Godard, Jonas Mekas e Glauber Rocha.

Outro trabalho recentemente restaurado, nesse caso, pelo Anthology Film Archives de Nova York, a ser exibido na mostra é o clássico underground Life, Death and Assumption of Lupe Vélez ou simplesmente Lupe (1968)do porto-riquenho Jose Rodriguez Soltero (1943-2009). Trata-se de uma livre cinebiografia da atriz mexicana Lupe Vélez, uma das primeiras latino-americanas a atingir o estrelato em Hollywood ainda nos anos 1930, da sua passagem por cabarés, seus diversos romances, sua morte trágica até sua ascensão aos céus. O filme é protagonizado pela drag queen Mario Montez, estrela de filmes de Andy Warhol, Jack Smith e Hélio Oiticica. Trata-se de um suntuoso e barroco poema visual, exuberante em sua explosão de cores saturadas e superposição de imagens da atriz envoltas por uma densa trilha sonora que combina flamenco, bolero, The Supremes, Vivaldi e Rolling Stones.

 

Por fim, fechando os destaques latino-americanos, a mostra traz quatro filmes da extensa obra do superoitista mexicano radicado na França, Teo Hernandez (1939-1992). Três desses filmes são curtos filmes-poema que irrompem a partir de signos aparentemente simples do cotidiano; entre o diário e o filme de viagem ao sul marroquino (Michel Là-bas, 1970); ou visões nos limites da figuração de Paris, como ao apresentar o Rio Sena como matéria luminosa (L’eau de la Seine, 1982-1983) ou a Catedral de Notre Dame como vibração convulsionada entre o pesadelo e a revelação (Nuestra Señora de Paris, 1981-1982). Já o longa-metragem Salomé (1976) é uma interpretação pessoal da peça de Oscar Wilde a partir de três elementos básicos: a luz, a cor e a velocidade de projeção. O filme corresponde à primeira fase da obra essencial de Hernandez, marcada pelas suas experiências pessoais, as suas viagens, contatos e pelas tentativas em concretizar o seu ideal de um cinema do corpo e da sensação.           

1ª Mostra Cine Brasil Experimental

Onde: Centro Cultural São Paulo

Quando: 24 a 29 de setembro de 2019

Quanto: R$ 2,00 (apenas para as sessões, as atividades paralelas são gratuitas)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Siga nossas redes sociais

6,939FãsCurtir
3,084SeguidoresSeguir
4,349SeguidoresSeguir

Devir lança o suplemento para RPG The Witcher O Diário do...

0
The Witcher, o Diário do Bruxo, o suplemento para o RPG The Witcher chega às lojas em março..

The Walking Dead | Cena de momento íntimo causa nojo nos...

0
Cena de momento íntimo entre Negan e Alpha causou reações negativas nos fãs de The Walking Dead. Veja.
1ª Mostra Cine Brasil Experimental no CCSP com filmes raros 6

Um adeus a Merlin

pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave