domingo, 20, setembro, 2020
Início Filmes Críticas Crítica: A Colina Escarlate

Crítica: A Colina Escarlate

Não se aproxime

Guillermo del Toro é um nome muito querido pelos fãs de cultura pop. Toda vez que seu nome é relacionado a algum projeto, de pequena ou grande escala (vide o Hobbit antes de seu lançamento), cria-se um furor em torno. A questão é: porquê?

Blade 2 e os dois Hellboy lhe deram trânsito dentro de Hollywood, mesmo com os dois primeiros tendo qualidade apenas razoável. Círculo de Fogo, embora seja um bom filme, é para um público muito específico. Tanto que rendeu pouco e preocupou aquele que investiram no diretor. Isso porque ele já havia tratado de estabelecer boas credenciais autorais com o Labirinto do Fauno. Mas o fato é que Del Toro alterna boas produções e produções questionáveis. A Colina Escarlate, infelizmente, se enquadra na segunda categoria.

Algumas considerações: Del Toro tem uma boa equipe de arte, com fotografia de Dan Laustsen e trilha sonora de Fernando Velázquez. Trabalhando com eles, Del Toro criou uma obra que é visualmente e sonoramente belíssima. A estética que permeia o filme enche os olhos e ouvidos, desde os momentos menos intensos do primeiro ato do filme até a chegada à mansão onde ocorre o segundo ato, que é uma ode à todas as obras clássicas de terror envolvendo mansões mal-assombradas. É sim uma homenagem a esse gênero, mas Del Toro mantém no filme seu estilo, que é absolutamente distinto e reconhecível, o que, nestes tempos de tantas obras pasteurizadas, é algo a se louvar.

Mas, quando se vai para além das questões estéticas, Colina Escarlate é uma obra problemática, por vários motivos. O primeiro: indecisão. O filme não sabe o que é: terror, romance, um drama histórico… Fica por conta do espectador decidir o que gosta mais na trama. Ou, no caso, o que estranha menos. O filme se passa no início do século XX, com a filha (Mia Wasikowska) de um rico empresário americano (Jim Beaver), que representam a pujança americana que começava nesse período, flertando com um cativante, porém desesperado, nobre inglês (Tom Hiddleston) que é inseparável de sua misteriosa e soturna irmã (Jessica Chastain), representando a decadência da classe nobre inglesa ao final de sua era vitoriana. Após uma série de estranhos eventos e motivações, o nobre inglês se casa com a rica americana, levando-a para a sua lúgubre mansão, onde bizarros acontecimentos desafiarão a sanidade da jovem ianque.

A Colina Escarlate
A Colina Escarlate | Imagem: Universal Pictures

A premissa, parece incrível, mas sua realização decepciona. O filme não tem ritmo, e, para uma obra que se pretende ser, ao menos parcialmente, de terror/suspense, isso é fatal. Embora, em termos de tempo, ele seja igualmente dividido entre primeiro e segundo ato, a primeira parte parece muito maior, porque o filme se arrasta em uma tentativa de aprofundar a personalidade da protagonista enquanto tenta trabalhar os mistérios que se desenrolam na trama. Mas o problema maior ainda estaria por vir: a dita Colina Escarlate. Após um primeiro ato mais permeado por romance e drama, subentendia-se no filme que o terror e o suspense começariam ali. Del Toro bem que tenta. Mas falha.

Como dito anteriormente, a obra é visualmente bela e os cenários da mansão são obviamente feitos com esmero. Mas a história que se desenvolve ali não sustenta a intensidade desse visual. Como tenta justificar a protagonista no início do filme, ao se referir ao seu livro, é “não é uma história de fantasmas, é uma história com fantasmas”. Porém, conforme o filme vai se estendendo, mas não se desenvolvendo, isso começa a parecer mais uma desculpa e menos uma auto-referência metalinguística. Porque tudo começa a parecer sem sentido e frívolo, principalmente conforme os tais fantasmas começam a se apresentar com mais frequência. De fato, os próprios fantasmas, que deveriam se encarregar da parte dos sustos, acabam prejudicando: sua movimentação e expressão, que ficam a encargo do sempre ótimo parceiro de Del Toro, Doug Jones, são assustadoras, mas os efeitos especiais são demasiadamente plásticos, tirando qualquer aura de medo que eles pudessem projetar. E os atores, que poderiam segurar essa bagunça para Del Toro, não dão conta.

Tom Hiddleston, intérprete de Sir Sharpe, está apenas regular. Seu tipo inglês pós-vitoriano é convincente de início, até encantador, mas esse efeito vai se perdendo conforme o filme se envereda pelo sobrenatural. Muito pouco para quem desfila toda sua capacidade na maravilhosa adaptação de Henrique V da BBC. Já Mia Wasikowska simplesmente não convence. Não tem como distinguir sua Edith Cushing de sua Alice, e sua Alice já era qualquer coisa. Até que se prove o contrário, ela é, de fato, apenas um rostinho bonito. A grande decepção fica por conta de Jessica Chastain. Para alguém cujo Oscar começa a esquentar, sua atuação em Colina é um sério ponto contra. Não é apenas que sua personagem é insossa e desnecessária. Conforme o filme se aproxima do fim, ela se torna até mesmo caricata, chegando a prejudicar quase por conta própria todo o desfecho do filme, não fosse a inexpressão da própria Wasikowska.

crimson peak
A Colina Escarlate | Imagem: Universal Pictures

Colina Escarlate é um filme dispensável. Se durasse 15 minutos a mais, poderia até mesmo se tornar ridículo. Del Toro já mostrou ao mundo que pode ser um bom diretor, principalmente com o Labirinto, mas sua insistência em atirar para todos os lados, tanto em termos de indústria quanto de estilo, podem acabar lhe custando seu crédito. Talvez fosse melhor para ele sentar e pensar bem no seu próximo projeto, para nos entregar algo digno de um grande diretor.

Mais Labirintos, menos Colinas.

Veja a ficha técnica e elenco completo de Colina Escarlate

Nota do Thunder Wave
Colina Escarlate tá longe de ter a qualidade geralmente vista nas obras de Guillermo del Toro

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Siga nossas redes sociais

7,011FãsCurtir
3,084SeguidoresSeguir
4,362SeguidoresSeguir

Brooklyn Nine-Nine | Série exibirá episódio sobre brutalidade policial na 8ª...

0
Brooklyn Nine-Nine vai exibir uma história sobre a brutalidade policial na 8ª temporada. Depois de supostamente desfazer-se de pelo menos quatro episódios...

The Walking Dead | Cena de momento íntimo causa nojo nos...

0
Cena de momento íntimo entre Negan e Alpha causou reações negativas nos fãs de The Walking Dead. Veja.
pt_BRPT_BR
en_USEN pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave