domingo, 24, outubro, 2021

Crítica: A Cura

Um suspense que mesmo problemático, se mostra eficiente

O diretor Gore Verbinski é um dos nomes mais ecléticos do mercado norte-americano e também um dos mais subestimados. Por mais que a maioria da sua obra não tenha características autorais, não dá pra negar a qualidade do diretor em se adaptar a gêneros diferentes. O Chamado, Piratas do Caribe e Rango são exemplos da eficiência do cineasta. Embora o seu último trabalho tenha sido o terrível O Cavaleiro Solitário, Verbinski mostra o seu talento em sua nova empreitada: o thriller psicológico A Cura. Não que seja um grande filme, mas o diretor consegue tirar de uma trama limitada, uma atmosfera tensa que prende o espectador.

A trama acompanha o jovem investidor da bolsa Lockhart (Dane DeHaan) que deve ir até um sanatório nos Alpes Suíços para encontrar o CEO de sua empresa, que diz ter encontrado nesse local “a cura” para todas as doenças da vida. Durante a visita, Lockhart sofre um acidente de carro e fica no sanatório para ser tratado. Mesmo com o discurso de boa fé dado pelo diretor do local (Jason Isaacs), o jovem percebe que há atividades suspeitas do local, que vão desde o tratamento para encontrar a tal “cura” á Hanna (Mia Goth) a única paciente jovem que fica no sanatório.

Crítica: A Cura 1

O roteiro do filme não oferece nada de novo. Assinado por Justin Haythe (Foi Apenas Um Sonho) – baseado no argumento do próprio junto com Verbinski – acerta em criar um mistério que vai envolvendo o espectador por boa parte da projeção. Pena que mesmo que as resoluções sejam coerentes com a trama e satisfatórias, ela se mostra muito mais complexa do que deveria ser. Além de alguns furos de lógica (personagem que escapa de lugar para outro, sendo que estava acorrentado; falta de guardas em meio a um sanatório), ele acaba se atropelando ao se achar mais inteligente do que realmente é. O maior exemplo está na resolução da própria trama que poderia ser um pouco mais clara, mas o texto insiste em dar pouco a pouco, quando percebemos que ela é bem simples. É um roteiro que tem seus acertos, mas tem os seus erros ao subestimar um pouco a inteligência do espectador.

Se o roteiro de A Cura prende pelo mistério, a condução de Gore Verbinski consegue fazer que o espectador fique imerso dentro daquele universo. O diretor cria uma gramática visual muito elegante e inteligente. Sempre com a câmera no tripé, Verbinski junto com a fotografia de Bojan Bazelli cria uma atmosfera ameaçadora que vai do começo ao fim da projeção, utilizando movimentos clássicos e sutis e uma paleta de cores dessaturadas que chamam a atenção, principalmente no uso do azul. E também é notável as rimas visuais criadas pelo diretor, quase sempre há um plano que é a câmera fica na frente de um vidro e desfigura a imagem, que já denota como o universo do filme está se tornando insano. Na verdade, Verbinski não engana o espectador, ele deixa a história em uma linha muito tênue entre o fantástico e o insano. Essa atmosfera deixa o final mais plausível. E há um uso muito inteligente da linguagem cinematográfica: reparem de como o som, a trilha junto com a direção de arte contribuem para a história. O som mostra que tem algo a mais que não está sendo visto, enquanto a arte não fica no óbvio e evita construir um sanatório assustador a primeira vista, pois é uma construção muito bonita que passa paz aos seus pacientes. E a trilha é contida e pontual nos momentos que deve aumentar o nível do suspense. É bom reparar de como Verbinski tem um bom gosto visual, pois há planos em A Cura que são lindos e que diz muito sobre a trama. O trabalho de Verbisnki se torna a grande qualidade do filme.

Crítica: A Cura 2

O elenco está bem, mas como a maioria de seus personagens são arquétipos as atuações se tornam caricaturais. A exceção fica por Dane DeHaan que mostra ser um protagonista diferente do que estamos acostumados a ver. Lockhart não segue a linha do herói do cinema norte-americano: é cínico, frio, sarcástico, egoísta e grosso. E DeHaan consegue passar essas características sem que torne o personagem antipático para o espectador, além de sua fisionomia assustadora funciona durante a investigação do mistério. Jason Isaacs está se divertindo criando o psiquiatra clássico dos filmes dos anos 50. Só faltou o cavanhaque e o charuto, mas mostra um cinismo em sua voz, sempre parece estar escondendo algum segredo e utiliza um sotaque alemão que deixam o personagem mais característico.

Enfim, A Cura está longe de ser um grande filme. Tem vários defeitos na trama em si, mas como experiência audiovisual é interessante. É um bom suspense que tem uma ótima condução.

A Cura estreia dia 16 de fevereiro nos cinemas.

Texto escrito por João Pedro Gibran

Veja a ficha-técnica e elenco completo de A Cura. 

Nota do Thunder Wave
Mesmo sendo problemático, A Cura se mostra um suspense eficiente.

Artigos Relacionados

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Instagram

Bombando

Mais vistos da semana

Siga Nossas Redes

Tem conteúdo exclusivo por lá
6,914FãsCurtir
2,958SeguidoresSeguir
4,238SeguidoresSeguir

Recentes

Conteúdo fresquinho

Thunder Fic's

Tudo sobre roteiro
pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave