sábado, 28, novembro, 2020
Início Filmes Críticas Crítica: Amityville: O Despertar

Crítica: Amityville: O Despertar

A casa assombra uma nova família

O endereço 112 Ocean Avenue, Amityville não é estranho para quem acompanha obras de terror. Em 1965 a casa foi protagonista do sangrento massacre da família Defoe, onde o filho mais velho matou seus pais, seus dois irmãos e duas irmãs. O caso foi relatado com vários fatos estranhos e ficou mais bizarro quando a família que comprou a casa após o ocorrido se mudou em menos de um mês, alegando ouvir barulhos de tiros, serem atacados por estranhos enxames de moscas e até mesmo arranhados por uma força estranha. Por isso a casa foi investigada por vários profissionais do ramo ao longo dos anos até que o primeiro livro sobre os fatos, Terror em Amityville, foi publicado e a partir daí inúmeras obras, tanto literárias como cinematográficas, foram feitas.

Amityville: O Despertar é o mais novo longa baseado nessas obras. Totalmente independente dos filmes anteriores, a trama apenas apresenta um novo caso, usando a lenda da casa mal-assombrada. Entretanto, ela não se mantém isolada das produções antecessoras, utilizando-se delas para explicar o motivo da assombração do local e até mesmo aproveitando para fazer referências que geram as melhores piadas do filme.

Amityville: O Despertar
Amityville: O Despertar | Imagem: Paris Filmes

Essa produção sofreu um enorme atraso, inicialmente com data marcada para 2012, o longa chega as cinemas apenas agora, 5 anos depois. Esse atraso não foi devidamente explicado, mas serviu para mudar a premissa original, que iria acompanhar uma jornalista investigando os casos, e agora apenas apresenta uma nova família sendo afetada pela casa.

A trama apresenta Joan (Jennifer Jason Leigh) e suas filhas Belle (Bella Thorne) e Juliet (Mckenna Grace), que acabam de mudar para a casa pensando em ajudar James (Cameron Monaghan), gêmeo de Belle que está em estado vegetativo após sofrer um acidente. James apresenta uma melhora, porém parece que a melhora é acarretada pela entidade que assombra a casa e coloca toda a família em perigo.

O longa é um bom horror, em relação aos sustos e clima de tensão, realmente funciona e sabe balancear as cenas mais explícitas entre momentos mais psicologicamente tensos -por mais que abuse do antigo padrão de super exposição dos atores em filmes de terror. As atuações realmente ajudam nesse caso, principalmente a de Cameron Monagham, que entrega um ótimo papel em todos os estágios de seu personagem e de Bella Thorne, que dita o clima com seu terror.

Amityville: O Despertar
Cameron Monagham em Amityville: O Despertar | Imagem: Paris Filmes

O filme agrada no visual, mas deixa um pouco a desejar em seu roteiro. Algumas resoluções ficam no ar, principalmente referentes à personagem de Jeniffer Morison, que aparece em poucas cenas e não justifica sua existência, nem seu desfecho.

O próprio final do longa deixa a desejar, investindo em criar um clima de suspense por um bom tempo, e resolvendo tudo muito rápido no fim, a produção deixa um sentimento de que algo mais podia ser apresentado, além de deixar uma explicação muito rasa do motivo da família ter se mudado para a casa.

Veja a ficha técnica e elenco completo de Amityville: O Despertar

Nota do Thunder Wave
Com várias referências e boas cenas de tensão, Amityville: O Despertar é um filme que vale a pena, mas deixa alguns buracos em sua resolução.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Siga nossas redes sociais

6,972FãsCurtir
3,084SeguidoresSeguir
4,355SeguidoresSeguir

Gameplay de Cyberpunk 2077 para Xbox Series X/S é revelado

0
A CD PROJEKT RED lançou hoje o vídeo de gameplay rodando Cyberpunk 2077 no Xbox One X e no Xbox Series X.

The Walking Dead | Cena de momento íntimo causa nojo nos...

0
Cena de momento íntimo entre Negan e Alpha causou reações negativas nos fãs de The Walking Dead. Veja.
pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave