quinta-feira, 28, outubro, 2021

Crítica: Bingo- O Rei das Manhãs

Na década de 1940, o palhaço Bozo surgiu nos Estados Unidos. Criado por Alan W. Livingston para protagonizar histórias infantis, ele teve os direitos adquiridos pelo ator Larry Harmon e logo migrou para a televisão. O sucesso do programa foi tão acachapante que várias emissoras locais passaram a transmiti-lo, transformando a figura do palhaço em uma sensação nacional. Para extrapolar o alcance da marca, os realizadores o levaram a outros lugares do mundo, inclusive o Brasil. Em nossas terras, um dos intérpretes mais conhecidos do personagem foi Arlindo Barreto, a figura central do longa Bingo: O Rei das Manhãs.

A narrativa começa mostrando Augusto Mendes (Vladimir Brichta) trabalhando como ator de pornochanchadas (por causa de direitos autorais e das liberdades criativas adotadas pela equipe de produção, os nomes Arlindo Barreto e Bozo foram substituídos). Atrás de um lugar ao Sol, ele busca constantemente papéis que possam lhe alçar à fama. A grande oportunidade surge quando é contratado para interpretar o palhaço Bingo em um show televisivo. Inicialmente, a recepção é fria, porém, o número de espectadores vai aumentando. O sucesso repentino faz Augusto mergulhar em uma espiral de vícios e autodestruição.

Bingo - O Rei das Manhãs
Vladimir Brichta como Bingo | Imagem: Warner Bros.

Estruturalmente, Bingo: O Rei das Manhãs segue a cartilha das cinebiografias: sujeito desconhecido descobre a fama, mas entra em decadência. Nesse sentido, o filme é idêntico a muitos outros cuja narrativa é centrada na história de uma celebridade. No entanto, há algo que o destaca dos de mais: Augusto Mendes não é um sujeito corrompido pela fama. Na verdade, o seu comportamento era errático antes. Embora tenha sido um pai carinhoso e filho devoto, ele já tinha fracassado no casamento, recorria à bebida quando as coisas não davam certo e trabalhava no ramo da pornografia.

Dessa maneira, o personagem é trágico desde o início. Ele trilhava um caminho de perdição antes mesmo de percorrer o trajeto da fama. Tudo o que esta fez foi abrir o leque de possibilidades. Sendo assim, ao calcar o seu roteiro na causalidade, Luiz Bolognesi propõe ao espectador uma dura descida ao Inferno, em que a vertiginosa sucessão de eventos e a tristeza de acompanhar o declínio de um sujeito talentoso transformam a narrativa em uma forte experiência senrorial, a qual, por sua vez, é fortalecida pela atuação memorável de Brichta (o ator encontra o ponto certo, abrançando a caracterização, mas nunca permitindo que o lado humano se enconda sob a caricatura) e a explosão de cores proporcionada pelo figurino e a direção de arte.

Aliás, em relação a estes dois últimos departamentos, é necessário destacar a destreza com que Cássio Amarante e Verônica Julian empregam a mesma paleta de tons fortes para realçar tanto o colorido do programa infantil quanto a tristeza dos apartamentos de Marta Mendes (Ana Lúcia Torre), a mãe, e o de Augusto (a televisão no centro da sala, como se fosse um trono, é uma ótima ideia). Inteligentemente, eles percebem que, até certo ponto, as cores vivas transmitem vivacide, mas, quando esse ponto é ultrapassado, viram um forte indicativo de decadência (fato comum não só à trajetória do protagonista, como à da matriarca). Um outro elemento que também ilustra a ruína dos personagens são as luzes de neon usadas pelo talentoso diretor de fotografia Lula Carvalho.

Com esses méritos, é de se lamentar que a primeira incursão de Daniel Rezende na direção falhe em elevar o filme de patamar. Fomoso por ser o montador de obras como Cidade de Deus, Tropa de Elite e Robocop, ele peca no excesso de maneirismos e na hora de potencializar a performance de Brichta (há instantes que imploram por um close-up que nunca vem). Um momento que sumariza isso é quando Augusto descobre que os produtores estão testando novos atores para interpretar Bingo. Em vez de colocar a câmera na mão e acompanhar o personagem enquanto caminha (no que poderia ser uma cena poderosa), o cineasta prefere deitar a câmera e ir apagando as lâmpadas aos poucos, um recurso que reflete simbolicamente a ligação de Augusto com o palco e as luzes, mas que não consegue extrair toda a emoção que existia na situação.

Esses desperdício também pode ser visto no desenrolar da história. Ao longo da narrativa, aparecem discussões interessantes que Bolognesi simplesmente abandona. Temas como a degradação cultural proporcionada pela televisão e a confusão de identidades entre ator e persona fictícia dão as caras em algum momento, mas ficam apenas no campo das possibilidades. Além disso, na metade final do segundo e início do terceiro, o roteirista podia ter diminuído o drama envolvendo o filho (Cauã Martins) e trabalhado mais a relação de Augusto com a mãe. Do jeito que está, parece uma canção de uma nota só.

Juntas, essas falhas acabam por sabotar a excelência de Bingo: O Rei das Manhãs. Não me entendam mal, o filme é bom. A história é interessante, o roteiro, na maior parte do tempo, é competente, o ator principal brilha em cada segundo, a recriação de época transporta o espectador de volta aos anos 80 e, visualmente, o longa é chamativo. Todavia, se tivesse a coragem de se aprofundar nos tópicos que levanta e, na cadeira de diretor, alguém mais talentoso e experiente, podia ser o melhor filme brasileiro desde a retomada. Bateu na trave. Mas, mesmo assim, o chute foi bonito.

Veja a ficha técnica e elenco completo de Bingo- O Rei das Manhãs

Nota do Thunder Wave

Artigos Relacionados

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Instagram

Bombando

Mais vistos da semana

Siga Nossas Redes

Tem conteúdo exclusivo por lá
6,914FãsCurtir
2,957SeguidoresSeguir
4,238SeguidoresSeguir

Recentes

Conteúdo fresquinho

Thunder Fic's

Tudo sobre roteiro
pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave