quarta-feira, 8, julho, 2020
Início Livros Notícias Brasileira autora de livros juvenis faz homenagem a clássico de Mega Drive

Brasileira autora de livros juvenis faz homenagem a clássico de Mega Drive

Quem jogou os jogos da Sega nos anos 90 provavelmente se deparou em algum momento com o game de aventura Ecco the Dolphin, desenvolvido por Ed Annunziata e que na época foi um grande sucesso. Era um dos poucos games onde você podia controlar animais quase como num simulador de vida marinha. O personagem protagonista era Ecco, um golfinho-nariz-de-garrafa que fazia viagens ao longo do tempo para enfrentar aliens que invadiram os oceanos. O jogo dava início com Ecco nadando em uma baía bastante calma, até que um misterioso turbilhão acontece no céu, sugando toda a vida existente na baía – exceto Ecco, que consegue escapar. 

Brasileira autora de livros juvenis faz homenagem a clássico de Mega Drive 1

O jogo fez tanto sucesso que, em 96, no Brasil, foi lançado Ecco: The Tides of Time, e esse novo jogo seguia a mesma linha do primeiro, mas com a possibilidade de jogar uma fase usando o corpo de uma gaivota, outra como tubarão e até mesmo como água-viva. Foi nessa época que, com 9 anos, a brasileira Paola Giometti começou a jogar os jogos da franquia, e Ecco the Dolphin e Ecco: The Tides of Time rapidamente se tornaram os seus games favoritos, e o golfinho, seu animal favorito. Inspirada pela trilha sonora – que para os 16 bits era uma verdadeira obra de arte – e motivada pela história de Ecco, Paola publicou seu primeiro livro aos 11 anos, intitulado Noite ao Amanhecer, e com ele – em 1996 – tornou-se a escritora mais jovem do Brasil. Após 24 anos, em 2020, Paola relança o livro pela editora Elo como um tributo a Ecco, e com o intuito de levar às pessoas a vida dos cetáceos mais para perto delas, mesmo para as que não jogam video games.

Brasileira autora de livros juvenis faz homenagem a clássico de Mega Drive 2

Noite ao Amanhecer conta a história do golfinho Physter, que presencia o momento em que seu cardume e a vida no mar foram levados por águas obscuras, lodosas, e com certa “alma” maligna. Na aventura submarina, Physter (nome inspirado no gênero Physeter, representado pelos cachalotes) viaja para longínquos oceanos na companhia dos ancestrais das baleias, das jamantas e golfinhos à procura do que todos chamam de Geoffrensis, que na realidade é um minério que guarda o poder do deus dos Cetáceos, capaz de conferir alguns poderes, como por exemplo, uma vibracão vocal capaz de corromper o lodo “maligno” das águas. Physter, por fim, irá se deparar com perigosas criaturas denominadas Kiwaxes, que crescem nos abismos e que sobem à superfície para devorar o que restou de vida. Ao mesmo tempo, Physter terá que nadar rápido para impedir que as águas lodosas subam com a maré negra e traga para os oceanos noite ao amanhecer.

“O jogo foi tão importante na minha infância que determinou muito do que hoje sou”, comenta Paola que é bióloga com PhD em Ciências, trabalhando hoje com pesquisa em uma universidade ao norte da Noruega e também conhecida por ter publicado uma série de livros chamada Fábulas da Terra, que conta histórias de animais em contexto selvagem. “Além da homenagem aos jogos de Ed Annunziata, gostaria de trazer à nova geração o sentimento que tive quando joguei Ecco pela primeira vez”, complementa Paola.

Quem é fã de Ecco provavelmente vai se lembrar que os níveis dos jogos tinham títulos. Fin to Feather é uma fase onde Ecco pode se transformar em uma gaivota e sobrevoar uma colina para atingir um novo nível. Em Noite ao Amanhecer, Physter usa uma pena para flutuar por sobre um fiorde, alcancar uma montanha onde o ancestral das jamantas protege o mineral Geoffrensis. Além disso, Paola usou o estranho crustáceo kiwax, de águas vulcânicas e que tem aparência ameaçadora para fazer um paralelo com os inimigos aliens e a rainha Vortex, de Ecco.

Outra curiosa referência ao game foi o uso dos cristais, pois Paola cita o quartzo, presente nas areias do oceano como uma importante fonte de energia que conecta os oceanos à ancestralidade das criaturas. Em Noite ao Amanhecer, as águas lodosas subiriam com a maré cheia, aniquilando com essa importante conexão entre o presente e o passado.

Noite ao Amanhecer será relançado em julho de 2020, e por ter se tornado um manual sobre animais marinhos, ganhará também a versão em libras e audiodescricão pela Elo Editora para que possa ser acessível à todos.Para saber mais acesse: https://eloeditora.com.br e www.paolagiometti.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Siga nossas redes sociais

7,038FãsCurtir
3,084SeguidoresSeguir
4,389SeguidoresSeguir

O Silêncio da Cidade Branca | 10 diferenças entre o filme...

0
O Silêncio da Cidade Branca se tornou um filme apressado e não surpreendente, diferente do livro é de tirar o fôlego. Veja as diferenças entre as obras.

Crítica: Greenleaf – 3ª Temporada

4
Desde que Greenleaf estreou no catálogo da Netflix Brasil, a série arrebatou a atenção e também, a predileção da audiência. Já de cara, a...
Brasileira autora de livros juvenis faz homenagem a clássico de Mega Drive 7

Um adeus a Merlin

pt_BRPT_BR
en_USEN pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave