quinta-feira, 3, dezembro, 2020
Início Filmes Críticas Crítica: Colossal

Crítica: Colossal

Abordando abusos de uma maneira criativa

Monstros gigantes, prédios destruídos e pessoas esmagadas não é algo raro de se ver nos cinemas, porém a comédia indie Colossal consegue usar esse mesmos argumentos de uma maneira mais original, jogando os monstros para segundo plano enquanto explora também os problemas rotineiros dos protagonistas.

A trama primeiro apresenta a primeira aparição do Kaiju, para então focar em Gloria (Anne Hathaway), a típica perdedora, praticamente falida e com problemas alcoólicos. Quando seu namorado, Tim (Dan Stevens), a expulsa de casa, ela volta para sua cidade natal e é nessa mesma época que a Coreia do Sul começa a ser atacada por um monstro gigante. Não demora para a protagonista descobrir estar mentalmente ligada à criatura e assumir a missão de não deixar mais ninguém morrer.

Resumidamente, Colossal é insano, mas de uma maneira interessante. Mesmo tentando, não chega a explicar racionalmente como a ligação aconteceu (e de que maneira um monstro gigante se materializando em uma cidade poderia ter uma origem lógica?). O roteiro de Nacho Vigalondo se destaca por deixar o foco nas questões pessoais dos personagens, com os ataques sendo apenas um detalhe no filme. O relacionamento entre Gloria e seu amigo de infância, Oscar (Jason Sudeikis), é onde a verdadeira carga dramática está, com um interessante desenvolvimento- um tanto abusivo-, que contrasta diretamente com o jeito do grosso, porém preocupado, Tim, que tenta salvar a personagem de seu vício.

Colossal
Jason Sudeikis e Anne Hathaway em Colossal | Imagem: Paris Filmes

Ao mesmo tempo que usa de argumentos já há muito explorados no cinema, a trama consegue surpreender em vários momentos, com revelações e momentos inesperados. Há também uma ambiguidade interessante, que analisa os monstros internos e vícios, passando a mensagem de que a criatura vista externamente não é nada além do que uma representação do interior dos personagens. E isso tudo é muito bem apresentado com as mudanças de comportamento individual, com a boa atuação do elenco.

Colossal é uma grata surpresa. Sabendo inovar com elementos já muito vistos em diversas obras e abordando abertamente o alcoolismo e um pouco de machismo, o longa se torna interessante e diferente.

Veja a ficha técnica e elenco completo de Colossal

Nota do Thunder Wave
Colossal consegue ser original mesmo abordando tema já muito utilizados e se diferencia por tratar vícios de uma maneira interessante.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Siga nossas redes sociais

6,970FãsCurtir
3,084SeguidoresSeguir
4,355SeguidoresSeguir

Crítica | Dash&Lily

0
Dash & Lily é uma série encantadora e que através dos desafios feitos pelo caderno nos traz uma reflexão sobre enfrentar os nossos próprios medos e a sair da nossa bolha. O mundo pode ser um lugar incrível quando nos abrimos pra ele.

The Walking Dead | Cena de momento íntimo causa nojo nos...

0
Cena de momento íntimo entre Negan e Alpha causou reações negativas nos fãs de The Walking Dead. Veja.
pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave