Baseado no livro homônimo escrito pela jornalista Jeannete Walls, O Castelo de Vidro narra sua complicada infância e sua relação peculiar com seus pais. Mesmo sendo baseada na vida da jornalista, a adaptação tem sua parcela de mudanças em relação ao livro e, estranhamente, escolhe cortar boa parte das dificuldades que as crianças passaram, mas aumenta o drama na relação dela com seu pai.

Veja as principais mudanças na lista abaixo:

 

1. O namorado super importante

David e Jeannete | Imagem: Lionsgate

Logo de cara, o filme apresenta David (Max Greenfield), o namorado bem sucedido de Jeannete (Brie Larson) que virá a ser seu noivo. A vida conjugal dos dois rege a maioria dos flashbacks do longa, onde geralmente uma pergunta dele ou um jantar em que comparecem demonstram a necessidade de uma explicação da infância da jornalista.

Posteriormente na trama, o anúncio do noivado será novamente o ponto alto, onde irá gerar o conflito principal para a evolução dos acontecimentos.

No livro, há a menção de um namorado, porém nada importante. Jeannete se casa com ele, fato que descobrimos apenas por ela mencionar o segundo casamento, por aí dá pra ver o quanto o cara foi mais importante no filme do que no livro.

2. A filha que não morreu

Rex | Imagem: Lionsgate

Rex não era alcoolatra apenas por ter servido o exército, ele também ficou marcado pela morte da filha de 9 meses. A segunda filha do casal morreu dormindo e quem encontrou foi Rex, que nunca se recuperou completamente disso.

No filme, não há nem menção dessa filha.

3. Nada de Battle Mountain, ou Phoenix

O Castelo de Vidro | Imagem: Lionsgate

Vários locais para os quais a família mudam foram excluídos do filme -não é pra menos, eram muitos MESMO. Entretanto, Battle Mountain e Phoenix foram dois locais duradores e importantes que ficaram completamente de fora da lista.

Em Battle Mountain a família ficou um bom tempo em uma casa razoável, onde viveram coisas importantes para a trama e até teve uma suspeita de um caso de Rex (Woody Harrelson), o pai. Porém, Jeannete teve um problema com um garoto que gostava dela e as crianças, quando foram ameaçadas em casa por ele com uma arma de chumbinho, acabaram usando a arma de verdade do pai para assustar o menino e a polícia foi chamada. Após o ocorrido a família teve que fugir pois uma investigação traria complicações.

Exatamente nesse tempo eles descobrem que a Avó por parte de mãe morreu e deixou de herança uma casa e metade de um terreno em Phoenix. É para lá que vão e vivem uma vida relativamente boa, já que herdaram também um dinheiro, e por um bom tempo parecem uma família normal. Foi lá que criaram laços e fizeram algumas reformas por conta e onde as cenas onde o pai para de beber e o atentado à mãe, Rose Mary (Naomi Watts), acontecem. Quando a situação aperta novamente e eles estão completamente sem dinheiro, vão para Welch, na casa dos pais de Rex.

O filme sintetiza tudo isso, partindo direto para Welch e pulando esses lugares, além de justificar a volta ao alcoolismo do pai com a morte da mãe, e não uma viagem onde ele acaba com o carro e os bens pessoais de todos.

4. Nada de assedio, nada de morar com a Avó

A tentativa de reforma na casa em Welch | Imagem: Lionsgate

Outra junção interessante no filme foi tirar o tempo em que todos moraram com Erma (Robin Bartlett), a complicada mãe de Rex, que foi quando o assédio a Brian acontece e as crianças são expulsas da casa por brigar com ela.

No filme, eles vão direto para a casa despedaça que os pais compraram, sem morar com a avó e o assédio acontece apenas depois, quando os pais retornam para Phoenix e deixam as crianças lá. No livro, nesse momento, a viagem é a mesma, mas eles moravam lá.

A questão é que, Brian não é o único a sofrer um assédio. Anos depois, quando a Erma já havia morrido, o Pai e o Irmão vão morar em uma casa perto de onde a família Walls morava. Por terem água encanada, as crianças iam todo sábado na casa do Avô para tomar banho. E em uma dessas visitas Jeannete sofre um assédio, quando o tio começa a se masturbar enquanto passa a mão nas coxas dela. Ela sai rapidinho dali, mas, assim como o assédio contra o irmão, os pais tratam como banalidade.

5. O Natal Feliz

O Castelo de Vidro | Imagem: Lionsgate

Certamente uma das partes mais irritantes do livro, o natal que Rex destrói acabou tento um final feliz no filme. Pela primeira vez, para tentar fugir da realidade terrível em que viviam, a família tenta comemorar o natal, comprando uma árvore barata e presentes de segunda mão. A noite ia bem até Rex chegar bêbado e botar fogo na árvore, destruindo tudo.

No filme, eles comemoraram um natal feliz e só então Rex “dá” as estrelas de presente para os filhos, fato que acontece quando Jeannete tinha 4 anos, em um natal que passaram no deserto.

6. Nada de Jeannete cuidar da família

TGC_D40-4817.raf

Em certo ponto, com cerca de 14 anos, Jeannete tenta assumir as rédeas e cuidar de todos. Ela arranja um emprego e administra o dinheiro que a mãe recebe por alugar sua parte do terreno em Phoenix para uma empresa. É nessa época que ela percebe como o pai dá trabalho, sempre pegando o dinheiro de todos para beber e também nessa época que seu pai a usa para dar golpes.

No filme, tudo isso foi cortado, partindo direto para eles juntando dinheiro para sair de casa.

7. As fugas e mentiras inventadas

O Castelo de Vidro | Imagem: Lionsgate

O filme mostra uma grande dificuldade para as filhas saírem de casa, que na realidade não existiu. Lori não precisou fugir para ir para Nova York e Jeannete nunca escondeu seus planos. De fato, quando Lori estava empolgada e planejando todos os seus passos na nova cidade, Rex roubou o cofrinho com todo o dinheiro, mas foi só isso. Ela conseguiu ir pegando um serviço de babá de onde partiu direto para o ônibus para Nova York.
Na realidade, Rex levou Jeannete para tomar o ônibus e teve uma grande dificuldade em dizer adeus.

8. A enorme briga inexistente

O Castelo de Vidro | Imagem: Lionsgate

Sem dúvidas, essa é a mudança mais sem sentido do filme. Enquanto cenas como o natal arruinado e outras coisas absurdas que Rex fez foram removidas da trama, uma briga enorme onde Jeannete diz odiar o pai e seu “papo furado” foi colocada. Essa briga resulta em um longo tempo sem os dois se falarem e é o motivo de Rex ficar doente.

No livro, não há nada disso. Claro que Jeanette se ressente um pouco de sua criação, mas nunca abandonou os pais e vive tentando ajudá-los. Não há brigas (muito menos por causa da venda do terreno que teria os tirado da miséria) e Jeannete se afasta um pouco apenas por estar cuidando da própria vida.

9. Pobre John

O Castelo de Vidro | Imagem: Lionsgate

Enquanto David tem um espaço importante no filme, John, segundo marido de Jeannete, é completamente esquecido. Quando ela finalmente se separa de David no longa, ela começa a viver como freelance e se mantém sozinha em uma casa pequena e distante, onde chama a família para comemorar o dia de ação de graças.

No livro, o final não muda muito, porém a casa distante era de John, onde eles moravam e constantemente faziam seus retoques pessoais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui