segunda-feira, 27, setembro, 2021

Crítica | A Barraca do Beijo 3

Terceiro e último capitulo que encerra a trama de narrativa morna da Netflix

E chegou o tão aguardado ponto final da jornada de Elle, Noah e Lee.  O longa A Barraca do Beijo 3, lançado na última quarta-feira, 11, na Netflix. A comédia romântica teen, assim como aconteceu com as sequências de Para Todos Os Garotos que Já Amei, o segundo e o terceiro longa foram gravados ao mesmo tempo. Percebe-se que a evolução da narrativa e isso contando com o roteiro, pouco evoluiu e a produção por si só não se sustenta. O longa tem pouca história para contar, o elenco encabeçado por Joey King, Jacob Elordi e Joel Courtney tem uma sintonia ruim, as atuações estão aquém do esperado e o terceiro capítulo de uma narrativa que tinha tudo para ser incrível, acabou se tornado mais um programinha que não exige muito do telespectador.

Leia também Critica | A Barraca do Beijo

Como os anteriores, o terceiro capítulo é sem sal, cheio de subtramas, é longo e devido às várias situações impostas pelo roteiro, a produção precisa correr pra tentar fechar tudo, além disso não tem história para desenvolver. Algo que já era esperado, pois boa parte da trama é desenvolvida no primeiro filme e tem como base a obra escrita por Beth Reekles. Embora o longa não ouse tanto, o final surpreende, pois ele resume perfeitamente o que a produção levou quase duas horas para transmitir: autoconhecimento e amadurecimento para a protagonista que, infelizmente, passou os três filmes tentando ser a amiga e a namorada perfeita para pessoas que não mereciam ela. 

A Barraca do Beijo 3": fãs se dividem na internet sobre o final do filme da  Netflix | GZH
Infelizmente, o carisma de Joey King não consegue carregar o longa / Reprodução Netflix

Bom, na narrativa  Elle (Joey King) vai para a faculdade e precisa tomar uma decisão muito difícil: se mudar para o outro lado do país com o namorado Noah (Jacob Elordi) ou cumprir a promessa que fez ao melhor amigo Lee (Joel Courtney) de estudar com ele. E o problema está aqui, novamente, ela tem que fazer das tripas coração para não machucar nenhum dos dois, pois eles não são fortes o suficiente para apoiá-la. E tudo vira uma bola de neve a partir daqui. Desde o primeiro longa da franquia, ela sempre se mostrou disposta a fazer o melhor para  felicidade do amigo, porém, quando se envolve com Noah, irmão de seu melhor amigo, Lee, ela se vê entre a cruz e a espada, tendo que dividir a atenção entre os dois e não desapontar ninguém e isso se estende do primeiro ao terceiro longa. No entanto, ela em nenhum momento pensou no que ela queria e a bomba estoura agora.

Leia também Crítica | A Barraca do Beijo 2

Acompanhar a jornada de Elle é como sentar na graxa. Como assim? Porque a narrativa desde o começo foi mal desenvolvida e o roteiro consegue enfiar um montão de coisa para sair resolvendo de uma hora para outra e isso cansa o telespectador. Além da trama central, os pais de Noah e Lee estão vendendo a casa de praia; Elle e Lee decidem completar uma lista de tarefas para aproveitar o último verão antes da universidade; Marco (Taylor Zakhar Perez) retorna para a vida de Elle, o que reacende uma rivalidade com Noah; o pai de Elle começa a namorar entre outras subtramas que não caberiam aqui. Mais uma vez, o roteiro é escrito por Vince Marcello e Jay Arnold e eles conseguem se perder nas múltiplas situações que eles criaram e o resultado são cenas parecidíssimas com aqueles clipes de canções românticas a la Taylor Swift ou Demi Lovato. E a licença poética aqui vai de um devaneio a outro. Não entra na minha cabeça capitalista que a protagonista precisa fazer hora extra para poupar grana para a faculdade, mas ela consegue dinheiro para pular de paraquedas… vai entender, né?! 

A Barraca do Beijo 3' ganha primeiro trailer; confira - Emais - Estadão
Jacob Elordi, Joey King e Joel Courtney amadurecem no último capítulo da franquia / Reprodução Netflix

O nível de infantilidade de Lee está super aguçado. Diversas são as cenas em que ele sai correndo como um menino de 5 anos, agindo como se fosse um garoto mimado e chato. E isso se repete várias vezes, eles brigam, fazem as pazes, brigam, fazem as pazes… é um vai e volta lascado. E o pior, tudo gira em torno do ciúmes. Isso mesmo! O ciúmes reina nesse longa. Seja em relação à nova namorada do seu pai, o novo amigo de Lee, à amizade de Noah com Chloe (Maisie Richardson-Sellers), seja de Marco… esse povo não cresce, não é?! 

Algo interessante que o longa faz aos trancos e barrancos é retratar o amadurecimento de Elle, Noah e Lee, que erraram e cresceram em suas jornadas pessoais. Vemos que Elle, tentou ser a melhor amiga de Lee e a melhor namorada para Noah, mas é impossível fazer as duas coisas de forma satisfatória sem deixar um ou outro desapontado ou com cara de tacho. E após uma grande confusão, ela para, respira e é nesse momento que vemos o questionamento surgir… quem é Elle? Ela precisa tomar as rédeas da própria vida, para se permitir se conhecer melhor e seguir o seu próprio caminho, livre das amarras das relações tóxicas que desenvolveu com Noah e Lee.

“Acho que só amor nem sempre é suficiente. Talvez não. Às vezes, não é o momento certo.”

Percebemos que a relação da protagonista tanto com o amigo quanto com o namorado é tóxica e, de certa forma, existe muito receio sobre o futuro. Afinal, eles cresceram juntos e o medo de não saberem como seguirão gera muitas frustrações. Porém, se a amizade é verdadeira, nada seria abalado. Mas isso faz parte do crescimento pessoal de cada um, a juventude é assim e a virada para a vida adulta é complicada e não acontece da noite para o dia. De forma forçada e jogada, o longa expõe as habilidades de Elle com os games que nem foram mencionados nos longas anteriores e ela descobre isso do nada. 

Além do roteiro está mal desenvolvido, as atuações não evoluíram e nem King com seu carisma conseguiu driblar as falhas existentes no longa, O garotão Elordi foi o premiado da franquia, sem expressão, falta empolgação… é como se a alma do rapaz tivesse sido tirada do corpo dele. Ele está insosso… o potencial dele foi deixado de fora de todos os longas e parece que ele só está ali porque tem uma carinha bonitinha. Mesmo com todas as falhas e as situações previsíveis e clichês, o longa entregou um bom final que diferente do livro, vai fazer muita gente refletir.

Nota do Thunder Wave
A Barraca do Beijo 3 é um longa demorado, com muitas subtramas que se perdem em suas resoluções. Com um roteiro furado e atuações simplórias, o que surpreende é o final da jornada da protagonista que levou três longas para perceber que ela precisa tomar rédeas da própria vida e se colocar como prioridade ao invés de tentar agradar a todos e ser infeliz.

Artigos Relacionados

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Instagram

Bombando

Mais vistos da semana

Siga Nossas Redes

Tem conteúdo exclusivo por lá
6,914FãsCurtir
2,960SeguidoresSeguir
4,241SeguidoresSeguir

Recentes

Conteúdo fresquinho

Thunder Fic's

Tudo sobre roteiro
pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave