quarta-feira, 27, outubro, 2021

Crítica | Ad Astra: Rumo às Estrelas

Num futuro não muito distante, Roy McBride (Brad Pitt) viaja para os limites do sistema solar para encontrar seu pai desaparecido e desvendar um mistério que ameaça a sobrevivência do nosso planeta. Sua jornada revelará segredos que desafiam a natureza da existência humana e nosso lugar no cosmos.

O filme com Brad Pitt finalmente chega ao Brasil. Na Ucrânia, estreou em janeiro deste ano.

Com uma abordagem no estilo drama-FC, “Ad Astra” traz semelhanças com produções como “Gravidade” e “Interestellar”. A trama é um tanto previsível e clichê, mas é bem conduzida. Ela não ofende nem apela pra pieguice.

Os efeitos visuais são espetaculares e os desempenhos de Brad Pitt e Tomy Lee Jones estão formidáveis. E as poucas cenas de ação são muito bem executadas.

O que mais incomoda em todo o filme é a  narração em off do protagonista. Na verdade até questionamos o por que dela, já que não explica nada além do óbvio e do que já é mostrado.  Acaba ficando cansativo.

O longa até tenta abordar toda a jornada do herói e a exploração espacial, até porque o diretor do filme é o mesmo de “Z – A Cidade Perdida”. Mas o faz de maneira muito superficial.

O protagonista, apesar de carismático e verossímil, é tão mal trabalhado pelo roteiro que no fim ficamos muito mais interessados em saber sobre aquele universo (história, tecnologia, personalidades etc.) do que a respeito dele.

A busca do personagem de Pitt por seu pai, o gênio excêntrico vivido por Tommy Lee Jones, é mais internalizada, onde ele, assim como o espectador são jogados dentro da história sem muita informação. A única coisa que sabemos é que seu pai foi parar em Netuno trinta anos atrás em busca de vida alienígena e nunca mais retornou. O velho clichê do reencontro pai-filho, mas com viés de viagem espacial.

Interessante neste caso nem é o questionamento se existe ou não vida fora do planeta Terra, mas certas descobertas que chegam a assustar, principalmente por serem conhecidas da humanidade. Talvez o que mais assuste seja justamente encontrar algo conhecido que quebre tudo aquilo que se achava conhecer.

Crítica | Ad Astra: Rumo às Estrelas 1
O tom melancólico e psicológico é uma das marcas mais fortes do filme.

Roy também é melancólico, assim como tudo o que está a sua volta. Ele não se envolve com os outros personagens, mantendo sempre uma distância segura, sem criar nenhum tipo de vínculo. Roy é um grande solitario por opção, que acredita firmemente que emoções e afeto são traiçoeiros. Ele é gentil porém frio. Ele é sim um herói típico; um indivíduo muito acima da média, aprovado com louvor em toda a seleção que o levou ao posto de major na organização espacial em que atua. Ele é o melhor no que faz. Mas o ponto alto do filme é justamente como isso é abordado: para Roy, essa condição de grande herói custou-lhe muitos sacrifícios pessoais. É interessante ver Brad Pitt interpretar esse tipo de personagem.

“Ad Astra” é um filme interessante. Mesmo com a incômoda narração em off, ele consegue ter identidade e trazer uma conclusão própria para a sua narrativa. Ainda que não seja nada profundo e deixe a desejar em alguns pontos dramáticos.

Leva 3 vidas de 5.

Artigos Relacionados

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Instagram

Bombando

Mais vistos da semana

Siga Nossas Redes

Tem conteúdo exclusivo por lá
6,914FãsCurtir
2,958SeguidoresSeguir
4,238SeguidoresSeguir

Recentes

Conteúdo fresquinho

Thunder Fic's

Tudo sobre roteiro
pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave