quinta-feira, 2, dezembro, 2021

Crítica | Agora e para sempre, Lara Jean

Terceiro longa da franquia resgata doçura e a graça do primeiro longa, com uma pitada de amadurecimento

Sem sombra de dúvida a trilogia de livros ‘To All The Boys…’, da escritora Jenny Han ­que acompanha os altos e baixos da vida de Lara Jean Song Covey, uma garota descendente de coreanos que escreve cinco cartas para garotos que já amou é um sucesso. Always and Forever é o último capitulo dessa história que amamos. Assim como a protagonista, nós também amadurecemos e agora é a hora de nos permitimos a sonhar e nos emocionar com as escolhas de Lara Jean.

Crítica | Agora e para sempre, Lara Jean 1
PK e LJ precisam decidir se irão amadurecer ou não para não perderem a relação que estão construindo/ Reprodução Netflix

O longa que chegou na plataforma de streaming Netflix no dia 12 de fevereiro, Para Todos os Garotos: Agora e Para Sempre, é o desfecho da história do casal Lara Jean Peter, às vésperas de se formarem no Ensino Médio e partirem para a universidade. Peter passou na prestigiada Stanford University, na expectativa de que Lara Jean também vá para a mesma instituição, para que deem continuidade ao namoro apaixonado. Porém, algo inesperado acontece e faz com que o plano elaborado pelo casal saia dos trilhos e a pergunta que não se cala é: será que PK e LJ conseguirão fazer dar certo?

A trama mostra como é difícil lidar com a frustração e aceitar o fato de que ela e Peter não conseguirão fazer as coisas que tanto queriam e um tema que é abordado é como nos posicionamos diante de um relacionamento com alguém. Será que devemos atingir as expectativas do parceiro ou se arriscar e fazer o que queremos de verdade? É nesse momento que Lara Jean se dá conta de que a vida não é de forma alguma um conto de fadas.

O longa foi um tiro certeiro. Se por uma infelicidade de coesão e sentido, deixaram o concorrente John Ambrose (Jordan Fisher) de fora, depois de quase causar a separação de Lara Jean e Peter Kavinsky em P.S. Ainda Amo Você, parece ter sido nada mais que um fantasma a ser esquecido assim como a carismática e adorável Stormy (Holland Taylor) que nem é mencionada. Por mais que seja triste deixar para trás personagens tão marcantes, é difícil não encarar esse “esquecimento” com bons olhos. Afinal, Lara Jean supera sua dúvida e é nesse desfecho marcante vemos o quanto ela amadureceu.

Crítica | Agora e para sempre, Lara Jean 2
Peter Kavinsky recria cena clássica de Say Anything… / Reprodução Netflix

A produção foca nos questionamentos sobre amor verdadeiro x carreira; os sacrifícios que se está disposto a fazer pela amor; se o amor na juventude é real e sólido o suficiente para resistir à distância ou forte o bastante para determinar as escolhas afetivas pelo resto da vida. Nesse sentido, o romantismo é posto como em xeque e como elo central que decidirá o que irá ou não acontecer. Além disso, mostra a relação do pai de Kavinsky que não é das melhores, mas com o tempo vai se desenvolvendo. O fato de não decidir ir logo para a faculdade também é abordado mas bem de leve na trama. O roteiro volta e meia com um toque de sutileza e doçura, nos lembra de que devemos sempre pensar no melhor para nós e essa mensagem é crucial para uma história que aborda o amadurecimento das relações.

Além de trabalhar essa questão do namoro entre LJ e PK, o longa também aborda de forma um pouco mais elaborada o laço de maizade e amor entre as garotas Song. Kitty (Anna Cathcart) continua sendo a garota prática e de humor ácido e de certa forma muito presente na vida de Lara Jean. Já Margot (Janel Parrish) desde o primeiro longa, a irmã mais velha não tem seu desenvolvimento como deveria. Mas mesmo assim, ver as cenas delas juntas na Coreia com o pai e a madrasta foi uma sacada genial. Assim como a filha do meio, Dr. D está dando um passo e tanto na sua vida, ele decide se casar com Trina e isso é emocionante, pois ele ficou tanto tempo só. E como sempre, ele tem bons conselhos.

Crítica | Agora e para sempre, Lara Jean 3
Kitty, Lara Jean e Margot fortalecem a amizade entre elas /Reprodução Netflix

A fotografia continua bem feita, tudo muito colorido e vivo. A trilha sonora é boa e combina perfeitamente com o filme. Vemos aqui também o desfecho da amizade entre Covey e Gen, elas passam a se falar com mais frequência de forma gentil. A excursão à Nova York é lindíssima. Como uma cidade pode ser tão linda? Placo perfeito para casais apaixonados fazerem juras de amor eterno. Apesar de toda essa purpurina e doçura, ficamos com um ponto de interrogação sobre o futuro dos personagens, o que é muito bem-vindo, pois, afinal, Lara Jean e Peter (bem como os demais personagens) estão amadurecendo, algo que as cenas que relembram momentos marcantes e importantes durante os créditos finais não deixam dúvidas… de que eles farão dar certo. E se não der, tudo bem. Nem tudo é para sempre.

Nota do Thunder Wave
Com uma proposta mais realista sobre a vida amorosa, Lara Jean encerra o terceiro capítulo com um ar de esperança, amadurecimento e certeza do que quer para si mesma daqui em diante. O terceiro longa é um final que carrega consigo o sentimento de dever cumprido que mostra que precisamos crescer. Lara Jean vai encontrar o próprio caminho e nós, o nosso.

Artigos Relacionados

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Instagram

Bombando

Mais vistos da semana

Siga Nossas Redes

Tem conteúdo exclusivo por lá
6,914FãsCurtir
2,962SeguidoresSeguir
4,233SeguidoresSeguir

Recentes

Conteúdo fresquinho

Thunder Fic's

Tudo sobre roteiro
pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave