sábado, 4, dezembro, 2021

Crítica | Berlin Alexanderplatz

Com um desfecho que deduz esperança, a trilha do protagonista é cheia de dificuldades e provações numa Berlin contemporânea

Baseado no clássico romance de mesmo título de Alfred Döblin, Berlin Alexanderplatz conta a história de Francis, interpretado por Welket Bungué, tornou-se um refugiado negro que perde a esposa durante a travessia ilegal à Europa. Agora, um refugiado sem documentos e trabalhando ilegalmente em Berlin, Francis faz um juramento à Deus de que será um homem bom, mas percebe que não será uma tarefa fácil manter sua promessa e aceita trabalhar no submundo criminoso através de um convite feito por seu “amigo” (da onça, convenhamos) Reinhold interpretado por Albrecht Shuch, um alemão meio conturbado e um tanto quanto excêntrico que contrata pessoas para diversos serviços perigosos. Numa situação complexa, sem possibilidades, Francis se vê sem escolha, mas o longa prova várias vezes que ele está cego, ele só percebe quando é tarde demais.

Foto de Welket Bungué - Berlin Alexanderplatz : Foto Welket Bungué -  AdoroCinema
Welket Bungué emociona na pele de um refugiado que tenta ser um homem melhor/ Reprodução

Já tivemos uma outra adaptação desse mesmo romance, produzido por Rainer Werner Fassbinder, que tentou desenvolve-la em uma minissérie de quatorze episódios na década de 1980. Nesta ocasião, o clássico recebe uma nova interpretação através do olhar de Burhan Qurbani, que manteve a estrutura da narrativa original, porém, vemos uma mudança na ambientação num tom mais moderno, contemporâneo e percebemos isso pela estética plástica da produção. A fotografia que por sinal está muito interessante, chama atenção pelo neon usado nas cenas noturnas em Berlin. A direção de câmera ousa com movimentos estilizados e nos apresenta belas cenas, mas não se engane, não é para chamar atenção, é um complemento e é o peso dessa fotografia que transmite a importância do tema que nos é apresentado.

A produção contempla bons pontos positivos como a atuação de Bungué, que transmite emoção através de seu personagem refugiado que busca por uma vida melhor. Além do bom aproveitamento de Schuch com sua excentricidade, atua com vigor e suas expressões faciais, suas falas, sua atitude corporal, a forma como se contorce e surrupia as cenas com uma presença tão intensa, às vezes, sentimos que é uma caricatura, mas não deixa de ser assustador e convidativo. Um ponto que chama atenção é o companheirismo e fidelidade de Francis para com Reinhold que o trai covardemente diversas vezes. Não é só amizade, envolve um misto de amor.

Foto de Berlin Alexanderplatz - Foto 3 - AdoroCinema
Francis e Reinhold trabalham lado a lado no submundo do crime /Reprodução

O protagonista caminha na dualidade, entre o bem e o mal. Grita aos quatro ventos que quer ser alguém melhor e de forma repetida, do inicio ao fim do longa. Mas para ver o arco-íris, precisa passar pela tempestade e ele foi provado por diversas vezes e formas e nisso o cenário foi crucial para demarcar bem o desenvolvimento do personagem, bem como os outros personagens que o acompanham nesse mundo cão fluorescente. Berlin Alexanderplatz, brinca com metáforas como o enfrentamento de um touro, que pode ser interpretado como a aparição do inimigo ou a subversão do sagrado, visto na cruz rosa neon.

Apesar disso, faltou lapidar em alguns momentos, além do roteiro ter dado algumas escorregadas e fazer com que a trama fique indo e voltando, é como se ela te desse o doce e tirasse e te desse novamente. Isso enfraquece a trama, gera lentidão e cansa. E essa repetição não é interessante, pois o longa tem três horas (03h?!) e se espera que o ritmo rápido e ofegante seja mantido do começo ao fim.

O ponto espetacular da produção é a narração bíblica de Jella Haase que interpreta Mieze, que já nos previne acerca de uma tragédia que está à caminho. Num tom melancólico e talvez até sedutor, introduz pistas e essa construção bem feita conversa de forma positiva com a fotografia nos dando a sensação de uma força maior que alerta o telespectador e o protagonista no decorrer da trama. É como se fosse uma poesia, porém, no formato cinema. É realmente muito bonito essa estrutura ousada e bem feita.

Essa versão mais moderninha, com os os personagens vivendo em bares de strip-tease, com prostitutas, planejando furtos, traficando drogas, paquerando pelo celular e etc, deu uma nova roupagem a obra que flerta com algumas questões complexas como a questão migratória, racial, sexual e LGBT, equilibrando o conteúdo a uma sociedade múltipla, porém de laços sociais descartáveis, é isso que vemos. São seres humanos marginalizados, rotulados, esquecidos, mastigados e cuspidos por uma sociedade que fecha os olhos para quem mais precisa. E esse contraponto é feito pela fotografia que nos apresenta uma cidade cheia de vida capturada por uma câmera que também evidencia seu lado sombrio, assim como a tragédia anunciada de Francis desde o começo.

O longa é destaque na programação da 44ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

Nota do Thunder Wave
Com excelentes atuações, fotografia belíssima, direção de câmera ousada e bem feita, o longa é uma viagem pela Berlin contemporânea e um ótimo meio de reflexão sobre o mundo cão no qual estamos inseridos. Não é porque estamos no conforto de nossas casas que o monstro deixa de existir. Vale o entretenimento.

Artigos Relacionados

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Instagram

Bombando

Mais vistos da semana

Siga Nossas Redes

Tem conteúdo exclusivo por lá
6,914FãsCurtir
2,962SeguidoresSeguir
4,233SeguidoresSeguir

Recentes

Conteúdo fresquinho

Thunder Fic's

Tudo sobre roteiro
pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave