terça-feira, 24, novembro, 2020

Crítica: Carros 3

De volta às origens

Há 11 anos, McQueen e companhia chegavam aos cinemas. Em 2006 o filme foi uma verdadeira febre. Uma produção que homenageava a famosa Rota 66 e os admiradores não apenas de carros, mas de viajar. A famosa Highway era o tema por trás de um carrinho vermelho muito chato, com o número 95, que dizia que era A Velocidade. Ao ficar preso na pequena cidade de Radiator Springs, conheceu uma fera das corridas, o lendário Doc Hudson. E lá ele aprendeu que os jovens tem muito a aprender com os mais velhos. E os mais velhos, que ainda tem muito o que viver.

E agora chegamos a 2017! Tudo é mais rápido! A tecnologia, as pessoas, tudo é vivido em frações de segundos. As corridas, assim como as pessoas, são praticamente estatísticas e porcentagens. E é aí que entra essa nova história de McQueen. Nesta nova trama, Relâmpago McQueen (voz original de Owen Wilson) agora é considerado um dos carros mais velhos de sua geração nas corridas e após uma derrota para o novo astro do esporte, Jackson Storm, ele precisará de ajuda para lidar com as novas tecnologias.

Crítica: Carros 3 1
Relâmpago McQueen em Carros 3 | Imagem: Disney

Assim aventura inicia-se, logo com a famosa cena do acidente do trailer. Realmente foi uma cena forte e dolorida. Ela é tão real, que teve jornalista colocando a mão na boca nessa hora. Logo depois do acidente, McQueen começa a se questionar sobre quem ele realmente é. As dúvidas se realmente é um velho para correr e deve dar espaço para as novas gerações corre por seu capô.

Mas não é isso que realmente o deixa sem dormir. É não se sentir mais importante, não ser mais necessário e o que realmente ele quer: se divertir. Relâmpago McQueen não é apenas um corredor, ele é um símbolo para uma geração de jovens corredores. E principalmente para uma jovem treinadora, a Cruz Ramirez. Ela traz a motivação para que Relâmpago volte a correr. Mas quem precisa de verdade de motivação e encontrar a fagulha é ela.
E desta maneira os dois começam a se conhecer e ir em busca do antigo mentor do Doc, Smoke.

Crítica: Carros 3 2
Smoke e outros lendários em Carros 3 | Imagem: Disney

Agora, como no passado, McQueen terá que aprender que não é mais um jovem, mas alguém que está na meia idade. Podemos até lembrar da entrevista de Brian Fee, diretor do filme, que comentou a respeito da produção para o EW:

“McQueen não é mais a jovem estrela, a criança que era lá atrás, em Carros 1. Ele está no meio de sua vida e, como um atleta, isso o está incomodando. Ele está olhando no espelho e percebendo, ‘Eu tenho 40 anos” e lidando com o fato de que você talvez não possa fazer para sempre aquilo que mais ama”.

E é desta maneira que McQueen e Cruz irão lidar com esta nova realidade, tanto para ele que precisa se reinventar, e para ela que está iniciando sua vida.

Crítica: Carros 3 3
Cidade onde o Doc corria em Carros 3 | Imagem: Disney

Carros 3 é sem dúvida melhor do que o segundo longa e traz toda a essência de aluno e professor de volta. Deixa a lição de que o fim não existe, o que existe são mudanças, que muitas vezes podem serem difíceis de serem aceitas.

Veja a ficha técnica e elenco completo de Carros 3

Nota do Thunder Wave
A animação aborda o amadurecimento e as mudanças de uma maneira muito interessante.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Siga nossas redes sociais

6,974FãsCurtir
3,084SeguidoresSeguir
4,355SeguidoresSeguir

Gameplay de Cyberpunk 2077 para Xbox Series X/S é revelado

0
A CD PROJEKT RED lançou hoje o vídeo de gameplay rodando Cyberpunk 2077 no Xbox One X e no Xbox Series X.

The Walking Dead | Cena de momento íntimo causa nojo nos...

0
Cena de momento íntimo entre Negan e Alpha causou reações negativas nos fãs de The Walking Dead. Veja.
Crítica: Carros 3 9

Um adeus a Merlin

pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave