domingo, 22, maio, 2022

Crítica | CODA – NO RITMO DO CORAÇÃO

Longa de Siân Heder está no catalogo do Prime Vídeo e é surpreendente

O Festival de Sundance, realizado anualmente no mês de janeiro desde 1978 na cidade de Park City no estado de Utah, é a primeira competição de cinema do ano  e é reconhecido como um dos eventos mais importantes para o cinema independente nos Estados Unidos. No ano de 2021, o vencedor do festival (ganhou Melhor Direção, Melhor Elenco, Melhor Filme pelo júri e pelo público), CODA: No Ritmo do Coração, vem sendo aclamado pela crítica especializada e acumula prêmios e indicações no Gotham Awards, Globo de Ouro e Critics Choice.  No Brasil, No Ritmo do Coração está no catálogo do Prime Vídeo e é uma ótima opção para quem quer ver algo emocionante, alegre e espirituoso.

A narrativa acompanha a relação da jovem Ruby Rossi, interpretada pela atriz Emília Jones, com a família e os seus sonhos. Ruby é a única pessoa que não é surda em sua família e, por isso, assumiu o importante papel de intérprete. Ao mesmo tempo em que enfrenta os desafios da adolescência e os problemas em casa, Ruby descobre um grande talento e um novo sonho pelo qual ela trabalha arduamente para realizar.

Crítica | No Ritmo do Coração (CODA) — Outra Hora
Ruby e seu pai Frank, abraçados após a apresentação dela / Reprodução Diamond Films

Com o apoio e a mentoria do professor de música Bernardo Villalobos (Eugenio Derbez), que se dispôs a ajudá-la a compreender o seu talento, seguindo assim na música. Porém, não demora muito para que o impasse aconteça, pois ela precisará decidir se escolhe seguir o seu sonho ou se permanece sendo o suporte da sua família.

Aqui a análise será em duas frentes: a técnica e a mensagem que o longa nos transmite. É inquestionável a beleza do filme e não é só estética, mas é poético. É um filme bonito e reflexivo a ponto de nos perguntarmos até que ponto podemos ser egoístas ao tentarmos impedir que o outro siga o seu sonho, sob o “pretexto” do amor. Será mesmo que temos esse direito de impedir alguém que quer partir para seguir o próprio sonho?

NO RITMO DO CORAÇÃO (CODA) | A FÓRMULA PERFEITA PARA ARRANCAR LÁGRIMAS
Momento em que Frank e Leo estão tentando entender o que está sendo pautado na reunião dos pescadores / Reprodução Diamond Films

Pense o contrário agora, até que ponto podemos ser altruístas ao abdicarmos do nosso sonho sob o “pretexto” do amor? É uma escolha difícil, mas que tem, em qualquer momento, de ser feita. Independente da escolha será algo que fará alguém sofrer, ambas as partes. Talvez seja, por isso, que o longa é tão bonito, pois trabalha essa questão da protagonista em entender quais as prioridades que ela vai assumir e em prol do que ela pautará sua escolha.

Em CODA, outro detalhe importante é o tema da surdez. A sociedade peca ao não incluir de forma assertiva qualquer tipo de deficiência porque a inclusão seja de pessoas surdas, cegas ou qualquer outro tipo de situação nem sempre é honesta, nem sempre faz com que quem esteja ao redor saiba como lidar com essas pessoas e o fato do longa discutir isso não só pela visão de Ruby, mas também a de seus familiares, de seus colegas e de todo o núcleo que trabalha na empresa. Em um determinado momento, um dos personagens até falou que sentia falta de uma comunidade – pelo fato de nos identificarmos mais com quem tem semelhanças conosco.

Saindo um pouco da mensagem que o filme passa, a diretora e roteirista Siân Heder (Tallulah), não entrega uma história original, pois o longa já foi retratado em 2014, A Família Bélier, e é um longa que bebe do subgênero coming of age e que cruza as próprias fronteiras estabelecidas por esse mesmo formato de filme. Aqui, o contraste entre a fase da adolescência e a responsabilidade dicotômica de ter que dar conta de ser jovem, mas também de ser uma adulta antes da hora, são coisas que entram em conflito constantemente. Algo muito interessante é ver que o longa passeia por cada personagem, seja ele protagonista ou coadjuvante, buscando mostrar as dificuldades que uma família surda enfrenta, à medida em que explora uma questão social genuína e que até hoje não pode ser resolvido corretamente: Como incluir os deficientes auditivos na sociedade e assim romper o ciclo de preconceito? 

A grande sacada aqui é o incômodo que a protagonista sente, pois o que ela ama fazer é cantar. Em todo momento ela está cantando ou escutando música e é no coral da escola que ela encontra a possibilidade de viver isso de forma mais intensa. Por estar acostumada com o silêncio verbal – mas aos sons constantes de sua família que, justamente por não saber a altura de sons corriqueiros, está acostumada a bater portas, pratos e até mesmo manter o som do carro alto, para sentir a vibração -, ela não consegue expressar o que sente pela música e em adição a isso, Ruby tem em sua mãe, Jackie (Marlee Matlin), a maior resistência à sua paixão.

Curiosidades

  • Em 9 meses a atriz Emilia Jones aprendeu a língua de sinais americana, melhorou o canto e aprendeu a usar um barco de pesca.
  • Representatividade real em tela existe sim, os atores Troy Kotsur, Marlee Matlin e Daniel Durant são todos surdos na vida real.

Equilibrando de forma maestral drama e comédia, CODA é brilhante e emocionante porque consegue mostrar as desigualdades entre as dificuldades de uma família surda em ser compreendida e aceita pela sua própria comunidade, e uma jovem que nunca teve a sua voz ouvida dentro do seu próprio lar. A trilha sonora usada vai além de um recurso técnico audiovisual. Aqui, Heder emprega a música como ferramenta de contraste com o silêncio inevitável dos personagens surdos, além de também torná-la a voz da sua protagonista – que aprende a se relacionar socialmente por meio da música e de sua bela voz.

CODA | Crítica: Um maravilhoso filme que é muito mais do que aparenta -  Nerdizmo
CODA, um maravilhoso filme que é mais do que aparenta ser / Reprodução Diamond Films

O roteiro bem amarrado com algumas ressalvas, consegue construir um cerco, uma atmosfera sufocante e que se torna mais visível quando percebemos que Ruby se vê excluída em sua própria família. Aqui, percebemos a visão interessante da roteirista e diretora Siân Heder, ela nos mostra Ruby na posição de ser a pessoa diferente, algo geralmente apontado por quem julga a surdez como limitação de algo além da audição e necessariamente, não precisa ser assim. Nesse caso, a garota se põe como defensora, como parte deles – embora não se sinta-, e isso faz com que quem assista ao longa se conecte a ela não pelo fato de poder escutar, mas sim de poder sonhar. Naquela cidade, aliás, ela é diferente de todo mundo e, por isso, o bullying se faz presente.

O texto da roteirista e cineasta passeia entre o humor e o drama, e nessa mistura consegue atingir o tom certo para construir momentos realmente emocionantes. Divertido e comovente, o longa é agridoce do começo ao fim, sempre elevando a audiência para o nível de profundidade das atuações do elenco, que brilha em tela, e nos cativam por sua intensidade e entrega. Os atores se complementam de forma que entram em momentos leves e saem de situações ácidas sem se deixarem cair e consegue passar cenas que exigem uma carga dramática muito grande de forma surreal. É arrebatador.

Em “CODA – No Ritmo do Coração”, é claro a existência da composição melodramática da jovem que sonha alto na pequena cidade. Porém, é  a partir dos minutos iniciais que o filme apresenta para o que realmente veio e a sensação que fica é de choro, de alegria e de coração aquecido.

Trailer de CODA – No Ritmo do Coração / Reprodução
Nota do Thunder Wave
O longa é lindo e emocionante. Os atores estão em perfeita sintonia e o fato de terem sido escolhidos atores surdos foi de uma importância substancial para que o longa desse certo e transmitisse a mensagem que se propôs. Embora pareça só mais um filme, ele tem mais potencial do que aparenta. A fotografia é belíssima, a trilha sonora vai além de sua função e o roteiro - tem erros, sim -, funciona super bem e cria uma atmosfera em torno da protagonista que faz com que o espectador se conecte cada vez mais com ela. CODA - No Ritmo do Coração, soube como emocionar e encantar com apenas 111 minutos. Afinal, não é à toa que conquistou os maiores prêmios do cinema.

Artigos Relacionados

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Instagram

Bombando

Mais vistos da semana

Siga Nossas Redes

Tem conteúdo exclusivo por lá
6,825FãsCurtir
0SeguidoresSeguir
4,220SeguidoresSeguir

Recentes

Conteúdo fresquinho

Thunder Fic's

Tudo sobre roteiro
O longa é lindo e emocionante. Os atores estão em perfeita sintonia e o fato de terem sido escolhidos atores surdos foi de uma importância substancial para que o longa desse certo e transmitisse a mensagem que se propôs. Embora pareça só mais um filme, ele tem mais potencial do que aparenta. A fotografia é belíssima, a trilha sonora vai além de sua função e o roteiro - tem erros, sim -, funciona super bem e cria uma atmosfera em torno da protagonista que faz com que o espectador se conecte cada vez mais com ela. CODA - No Ritmo do Coração, soube como emocionar e encantar com apenas 111 minutos. Afinal, não é à toa que conquistou os maiores prêmios do cinema. Crítica | CODA – NO RITMO DO CORAÇÃO
pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave