terça-feira, 26, outubro, 2021

Crítica‌ ‌‌|‌‌ ‌Dora‌ ‌e‌ ‌a‌ ‌Cidade‌ ‌Perdida:‌ ‌Live‌ action‌ ‌de‌ ‌‘Dora‌ ‌a‌ ‌Aventureira’‌

O ano de 2019 está recheado de live action que foram produzidos com o objetivo de nos fazer ter uma viagem no tempo e relembrar animações que fizeram parte de nossa infância, porém agora com um novo olhar e com uma superprodução. A aposta da vez é a adaptação de ‘Dora Aventureira’, desenho animado da Nickelodeon, que contava a história de uma garota latino-americana de sete anos que vivia várias aventuras na floresta junto com o seu melhor amigo Botas (que era um macaco) e com sua mochila falante. 

O filme Dora e a Cidade Perdida traz uma nova etapa da vida da Dora (Isabela Moner), que sempre viveu na floresta, porém agora é inserida no ensino médio, após seus pais (Eva LongoriaMichael Peña) mandarem ela para viver com a avó e tios, pois eles estão indo em uma expedição, caçar uma cidade perdida. O primeiro desafio da personagem principal no longa é aprender a viver em uma sociedade com uma cultura totalmente diferente da sua, além disso, ela precisará saber lidar com os problemas e desafios do tão temido ensino médio. Logo em sua chegada na escola, somos apresentados aos personagens que irão acompanhar a personagem ao longo das próximas aventuras no filmes, são eles: Diego (Jeff Wahlberg), Sammy (Madeleine Madden) e Randy (Nicholas Coombe). O ápice da história é quando esses personagens são sequestrados por uma quadrilha que tem interesse em encontrar a cidade de Parapata (local onde os pais de Dora foram tentar localizar).

A grande ação do filme é a fuga de Dora e seus amigos, que além de estarem fugindo dessa quadrilha, tem a missão de tentarem encontrar os pais da aventureira. O longa é incrivelmente empolgante e te faz ficar preso na história do início ao fim. Mesmo quem não curte filmes infantis, irá gostar da produção. 

Obviamente Dora e a Cidade Perdida traz várias conexões com a animação a qual ele foi adaptado. Além da personagem principal, você verá novamente o macaco melhor amigo de Dora (Botas), a raposa falante e sua tão famosa mochila roxa que sempre acompanhou ela em suas aventuras.  

Os pontos negativos da ação é a forma como os personagens interagem com os animais, principalmente com a raposa e o macaco, pois eles em algumas cenas conversam com a protagonista. Esse diálogo entre os animais e os seres humanos foi colocado no filme de uma forma muito superficial e chega ao ponto de ser engraçado. Além disso, o longa deixa algumas histórias em aberto, como por exemplo qual foi o final de alguns personagens, principalmente do Diego e Sammy. 

Apesar de ter alguns lados negativos, os positivos se sobressaem e o filme é uma super indicação para você assistir junto com sua família e principalmente com a criançada. 

O filme é dirigido por James Bobin e tem duração de 102 minutos. Distribuído pela Paramount Brasil, o longa tem estreia prevista para o dia 14 de novembro.

Artigos Relacionados

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Instagram

Bombando

Mais vistos da semana

Siga Nossas Redes

Tem conteúdo exclusivo por lá
6,914FãsCurtir
2,958SeguidoresSeguir
4,238SeguidoresSeguir

Recentes

Conteúdo fresquinho

Thunder Fic's

Tudo sobre roteiro
pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave