sexta-feira, 27, maio, 2022

Crítica | Me Tira da Mira: A Retomada do Cinema Nacional Após a Pandemia

O filme combina referências que atingem diferentes gerações, e mesmo partindo de uma fórmula que é bastante conhecida, ainda consegue ser atual.

O gênero cop comedy (que mistura comédia e ação, normalmente tendo personagens policiais como protagonistas) teve o seu auge nos anos 80, mas nunca desapareceu realmente do mundo do cinema, mostrando ser um estilo longevo e que sabe se renovar a cada geração.

Ainda que tenha sido um dos grandes carros-chefe dos “enlatados” americanos em décadas passadas, hoje em dia ele está bem enraízado em diversos países (inclusive no Brasil), com produções que nada deixam a desejar. E já deixando claro, este é o caso de Me Tira da Mira, que chega aos cinemas brasileiros no dia 24 de maio.

O filme nos apresenta Roberta (Cléo, que, além de atuar, também participa como produtora e assina a trilha sonora), uma policial civil audaciosa e insubordinada. Ela é filha de Jorge (Fábio Jr.), um delegado da Polícia Federal, e tem um relacionamento mal-resolvido com Rodrigo (Sérgio Guizé).

Insatisfeita por ser afastada da investigação sobre a morte da atriz Antuérpia Fox (Vera Fischer), ela resolve investigar o caso por conta própria, o que a leva à suspeita Clínica de Realinhamento Energético Bianchini, onde ela recebe ajuda da sua ex-terapeuta (e ex-namorada do seu parceiro, Lucas, interpretado por Fiuk), a atrapalhada psicóloga Isabela (Bruna Ciocca), e descobre que o que o lugar esconde pode ser muito maior do que ela pensava.

O filme tem uma veia cômica autêntica e inteligente, conseguindo arrancar risos a partir de diversas referências, que vão desde a cultura pop, filmes, as novelas globais, a participação de Fiuk no BBB, os cancelamentos da internet e até das músicas de Fábio Jr. A interação entre Cléo, Fábio e Fiuk gera alguns dos melhores momentos cômicos, onde até mesmo a sua relação familiar fora das telas é explorada.

Mas isso não é motivo para não dar destaque ao restante do elenco, principalmente Júlia Rabello (como a atriz Natasha Ferrero, uma “recém-cancelada” pela internet que busca alavancar novamente sua carreira) e Bruna Ciocca, que deram show e foram muito divertidas com suas personagens. No geral, o elenco todo foi muito bem, tanto os grandes medalhões (incluindo aí Vera Fischer, Stênio Garcia, Cris Viana e Maria Gladys) quanto os estreantes, como a ex-BBB Vih Tube (como a recepcionista Jéssica), combinando bem a experiência com as novas gerações.

Isso tudo só foi possível com a direção (primorosa) de Hsu Chien e Diego Timbó. É um filme que prima pela competência e completude. A comédia se utiliza muito bem de referências que atravessam diferentes gerações e mídias. As cenas de ação são muito bem desenvolvidas. E estes dois aspectos principais se mesclam perfeitamente à aventura, ao suspense, à comédia romântica e até uma pitadinha de drama, pois o filme ainda consegue abordar temas sérios, como traumas, relações familiares, ansiedade e distúrbios emocionais, mesmo em meio à trama de investigação, comédia e ação. Praticamente todos os personagens principais tem subtextos trabalhados de forma competente na trama.

Coletiva de imprensa

Muito foi perguntado durante a entrevista coletiva da pré-estréia sobre se a relação familiar entre Fábio Jr., Cléo Pires e Fiuk haveria influenciado a sua dinâmica no filme, Fábio foi enfático ao assumir que sim, inclusive citando que foi apenas a convite de Cléo que ele voltou a atuar.

O diretor Hsu Chien citou a importância do projeto, da retomada das produções do cinema nacional durante a pandemia, e sobre como foi possível filmar tomando todos os cuidados e mantendo todas as restrições de segurança.

Cléo falou sobre a sua satisfação de iniciar sua carreira de produtora, atuando em um filme com a sua família, participando da escolha de elenco e atuando tanto à frente quanto por trás das câmeras. E Bruna Ciocca não escondeu a satisfação com seu projeto e estreia no mundo do cinema. E tem motivos para isso.

Vale a pena?

Me Tira da Mira é, definitivamente, um acerto. A sua trama é simples, mas consegue abordar temas diversos e passear entre gêneros diferentes. O seu elenco nitidamente acreditou no que estava fazendo, pois todos entregaram um excelente trabalho, principalmente na parte cômica (que é uma das mais difíceis para quem atua).

A sua direção e produção foram muito competentes, equilibrando ação, comédia, suspense e até alguns momentos de drama. O filme combina referências que atingem diferentes gerações, e mesmo partindo de uma fórmula que é bastante conhecida, ainda consegue ser atual. Neste momento de retomada do cinema brasileiro após o pior da pandemia, ele certamente merece ser conferido.

Nota do Thunder Wave
O filme combina referências que atingem diferentes gerações, e mesmo partindo de uma fórmula que é bastante conhecida, ainda consegue ser atual.
Escrito PorWallace William

Artigos Relacionados

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Instagram

Bombando

Mais vistos da semana

Siga Nossas Redes

Tem conteúdo exclusivo por lá
6,825FãsCurtir
0SeguidoresSeguir
4,220SeguidoresSeguir

Recentes

Conteúdo fresquinho

Thunder Fic's

Tudo sobre roteiro
O filme combina referências que atingem diferentes gerações, e mesmo partindo de uma fórmula que é bastante conhecida, ainda consegue ser atual.Crítica | Me Tira da Mira: A Retomada do Cinema Nacional Após a Pandemia
pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave