quarta-feira, 8, dezembro, 2021

Crítica | Medeia por Consuelo de Castro

As idas ao teatro foram substituídas por palcos vazios e peças canceladas com a pandemia de COVID-19 e foi o que aconteceu com a Cia. BR 116 que para comemorar seus 10 anos em 2020 se preparava para a montagem de “Medeia”, assinada por Consuelo de Castro, uma das maiores dramaturgas brasileiras.

Ainda assim, não desistiram de apresentar ao público essa peça e com uma boa dose adaptação à nova realidade e conseguiram trazer para o público de casa não a sensação de estar sentado em uma cadeira na plateia, mas sim de estar vendo o desenrolar dos acontecimentos de dentro do palco, ao lado de cada um dos personagens. Apesar de terem uma equipe reduzida, conseguiram unir a encenação teatral e transmitir nessa filmagem única, nesse teatrofilme, como o grupo chama o projeto.

Crítica | Medeia por Consuelo de Castro 1
Medeia por Consuelo Castro | Cia. BR 116 | Bete Coelho como Medeia

Mesmo com uma equipe reduzida a qualidade que entregam é espetacular. A combinação dos takes e o foco nas expressões dos atores trazem um toque especial, a escolha por ser em preto e branco também ajuda na ambientação, as cenas são minimalistas, para justamente trazer o foco para os atores e sua interpretação. As lágrimas, as expressões, os sons que acompanham as cenas, são esses detalhes que elevam ainda mais a qualidade.

A versão de Consuelo de Medeia traz um certo contorno político que não é visto na peça original, Medeia é não só uma feiticeira, mas também é uma transgressora que busca democracia e o direito das mulheres, que promove esse levante, que lidera, deixa de ser apenas a mulher apaixonada por Jasão, e toma uma proporção maior. O embate político de Jasão com Creonte, a loucura de Glauce e as motivações para cada um dos personagens vai se desenrolando em uma dança de intrigas e planos.  

Assim como as antigas tragédias o que não pode ser alterado no destino, as profecias que são proferidas e que sempre irão se realizar, de alguma maneira. Esse final imutável ganha ainda mais brilho com o final que temos em Medeia, que apesar de todo o infortúnio ainda se ergue e segue em frente.

Crítica | Medeia por Consuelo de Castro 2
Medeia por Consuelo Castro | Cia. BR 116 | Roberto Audio como Creonte e Flávio Rochaa como Jasão

É um teatrofilme cheio de sentimento e emoções, estão todas estampadas nas caras dos atores e chegam a ser viscerais. Bete Coelho, quem interpreta Medeia e dirige em conjunto com Gabriel Fernandes diz que: “Podemos ver na tela o cansaço, as olheiras que fizemos questão de não esconder. O desmedido. O acaso e o descaso. O suor lembrando que é teatro. Vemos uma trupe de atores se apropriar de uma tragédia que ainda é nossa: o poder infame e corrupto. Vemos uma mulher – com sua capacidade política, transgressora e intuitiva – sendo esmagada. Vemos, afinal, o início e fim de toda tragédia. Ações humanas sob o signo do sofrimento”.

Além de Bete Coelho como Medeia, o teatrofilme conta com Flávio Rochaa como Jasão, Roberto Audio como Creonte e Luiza Curvo como Glauce.

Essa experiência chega dia 09 de abril aos Super Lançamentos do Belas Artes à la Carte.

Nota do Thunder Wave
Nem filme, nem teatro, Medeia por Consuelo de Castro chega com o melhor dos dois mundos e com interpretações fantásticas consegue levar a sensação de estar no palco, junto com os atores.

Artigos Relacionados

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Instagram

Bombando

Mais vistos da semana

Siga Nossas Redes

Tem conteúdo exclusivo por lá
6,914FãsCurtir
2,962SeguidoresSeguir
4,234SeguidoresSeguir

Recentes

Conteúdo fresquinho

Thunder Fic's

Tudo sobre roteiro
pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave