quarta-feira, 14, abril, 2021
InícioCinemaCrítica | Meu Pai

Crítica | Meu Pai

Com uma delicadeza avassaladora sobre a demência, filme é um dedo na ferida

No longa The Father (Meu Pai), Anthony tem 81 anos de idade e mora sozinho em seu apartamento em Londres. Ele recusa todos os cuidadores que sua filha, Anne, tenta impor a ele. Porém, isso se torna uma necessidade maior quando ela resolve viver em Paris com um homem que conheceu há pouco tempo, e não poderá estar com pai todo dia. Fatos estanhos começam a acontecer: um desconhecido diz que este é o seu apartamento. Anne se contradiz, e nada mais faz sentido na cabeça de Anthony. Estaria ele enlouquecendo, ou seria um plano de sua filha para o tirar de casa?

How 'The Father' Explored the Painful Descent Into Dementia | Hollywood  Reporter
Anthony Hopkins e Olivia Colman em The Father / Reprodução

Inicialmente, é meio complexo. Não entende-se muito bem o que está acontecendo, qual é de fato o problema ou se ele está fazendo de propósito por ser um idoso travesso? No decorrer da trama vamos adentrando no universo de Anthony e percebemos que a sanidade dele não está nos melhores dias e nos damos conta que a demência é indiferente ao seu portador, ou seja, qualquer pessoa está suscetível a essa doença.

Com um tom avassaladoramente destruidor devido à perda de memórias, o protagonista perde a habilidade de diferenciar lugares, lembranças, dias, pessoas… Como é estar preso num universo que não parece seu? Florian Zeller, o estreante diretor no cinema, adaptou sua própria peça aclamada para as telonas. O filme contempla Anthony Hopkins e Olivia Colman no elenco principal e está indicado a seis prêmios no Oscar deste ano.

Quando assistimos ao longa, temos uma sensação de estarmos num labirinto, num beco sem saída isso devido a direção de arte e da montagem que faz com que o telespectador se sinta na pele de Anthony e a sensação não é apenas física, mas mental. É uma sensação de estar preso nessa montagem. São os pequenos detalhes como mudanças no cenário e uma transição sútil entre passado e presente nos mesmos momentos que propicia essa sensação claustrofóbica vivida pelo personagem.

É angustiante ter essa sensação de não saber quem são as pessoas que conviveram a vida toda com você e o mais desconcertante e triste é o fato de ver Anthony passar por cenas em que ele acredita que estão acontecendo realmente como ele as vive, mas o detalhe atrativo da trama está na frustração de ver como as mesmas cenas realmente ocorreram. Temos a sensação de que as conversas prévias de Anthony são 100% reais e que ele está bem.

The Father
Anthony mora sozinho em seu apartamento em Londres, e recusa todos os cuidadores que sua filha, Anne, tenta impor a ele / Reprodução

Vemos a todo momento que o foco está nos sentimentos de Anthony, mas também mira nos entes queridos que convivem com ele o que é algo honesto, pois ambos os lados são feridos e machucados com essa realidade cruel e amarga. É desesperador enfrentar e lidar com alguém nessa terrível condição de saúde. Tem uma doçura e delicadeza ao retratar os acontecimentos, nesse ponto Zeller se demonstra atencioso e isso reflete no tom e no ritmo do longa. O trabalho de edição é espetacular. E a trilha sonora embala nossos sentimentos como se fosse um guia turístico, a sensação que temos é de que fora escolhida a dedo e a cada escolha, percebemos que com a faixa entendemos a mudança de forma progressiva na percepção de Anthony. Tudo que acontece ao seu redor é encaixado numa sonoridade que eleva os sentidos. Inexplicablement merveilleux!

Nessa produção, o roteiro é bem elaborado e cada personagem tem o seu desenvolvimento na medida certa e cada take longo funciona como o palco para cada um brilhar em sua dramaticidade e essência. A atuação de Hopkins é dolorosamente fenomenal. O susto, a tristeza de ver um velhinho chorando ou levando bofetadas em sua própria face devido a tudo que constrói essas cenas. Não sentimos raiva, mas dor, pois é difícil assistir como a sua maneira cada um lida com a situação. A atriz que vive a filha, Anne, Olivia Colman, é sem dúvida, a personagem que se entrega nessa luta incansável de busca por ajuda e o tanto que ela sofre… é cruel. Mas em meio a essa crueldade, vemos entrega de uma atriz que nos deixa estupefatos com tamanha grandiosidade emocional proporcionada por sua atuação dramática e muito bem feita.

The Father é uma obra que mostra em sua sutileza as consequências devastadoras da doença dolorosamente progressiva que é a demência. O narrativa é cativante e a forma como Florian Zeller nos coloca cuidadosamente no universo paralelo de Anthony, nos dando a chance de ver e sentir tudo através de suas percepções que a todo momento se divergem entre o que ele pensa que está acontecendo e o que de fato é realidade. É impossível não sair diferente depois dessa experiência dolorosamente avassaladora.

MEU PAI teve sua estreia alterada no Brasil. Por conta da fase vermelha e emergencial em todo o país, onde os cinemas encontram-se fechados, a California Filmes lançará o filme no dia 9 de abril, nas plataformas digitais, Now, Itunes (Apple TV) e Google Play disponível para compra, e a partir do dia 28 de abril, o filme ficará também disponível também para aluguel, nessas plataformas já citadas e também na Sky Play e na Vivo Play. A estreia de MEU PAI em salas de cinema não está descartada, e ocorrerão conforme as mesmas reabrirem em cada cidade.

Nota do Thunder Wave
Com uma direção perfeita, roteiro bem coerente e bem desenvolvido, uma trilha sonora excepcional... The Father prende a atenção do começo ao fim. Não me recordo de ter visto um filme que retratasse tão bem doenças mentais, com tanta honestidade e delicadeza. E, particularmente, um show de atuações a parte.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Siga nossas redes sociais

6,919FãsCurtir
3,084SeguidoresSeguir
4,323SeguidoresSeguir

CNB UltraGear lança nova Peneira LG UltraGear Preparando Campeões para revelar...

0
Trinta jogadores serão selecionados pelos profissionais da organização de esportes eletrônicos para ter um plano de carreira e a chance de se tornar uma lenda de LoL.

The Walking Dead | Cena de momento íntimo causa nojo nos...

0
Cena de momento íntimo entre Negan e Alpha causou reações negativas nos fãs de The Walking Dead. Veja.
Crítica | Meu Pai 7

Um adeus a Merlin

pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave