Nova produção estrelada por Gina Rodriguez, Not Dead Yet (Não Estou Morta! na tradução brasileira) trás uma divertida trama onde uma jornalista de obituários começa a ver os mortos sobre quem precisa escrever, usando desse fato para tratar vários traumas femininos em tela.

Baseada no livro Confessions of a Forty-Something F**k Up, de Alexandra Potter, a história segue Nell Serrano (Rodriguez), uma mulher recém-separada com recursos limitados que trabalha para reestabelecer sua vida e a carreira que deixou há dez anos. Quando começa a trabalhar escrevendo obituários, único emprego que conseguiu encontrar, Nell passa a receber conselhos sobre a vida de uma fonte estranha: dos próprios falecidos.

Entretanto, há algumas melhorias em relação à obra original, a principal delas sendo a série usar o sobrenatural como uma escada para tratar as inseguranças feminas de Serrano. Os mortos que a protagonista vê vão além da comédia nesse caso, e fazem mais do que só levar o plot semanal adiante, eles a ajudam a encontrar o caminho para se reestabelecer nessa nova vida, que costumava ser sua rotina. Ao abandonar seu trabalho para perseguir os sonho de seu ex-marido, Nell deixou sua carreira para trás e agora precisa recuperar seu lugar, enquanto se encontra nessa nova posição de solteira e lida com os traumas de seu passado.

Gina Rodriguez como Serrano lidando com sua primeira “aparição” em Not Dead Yet/ Imagem: ABC

Criada por Casey Johnson e David Windsor, produtores executivos de This Is Us, Not Dead Yet acerta na escolha de sua protagonista. Rodriguez teve seu momento de glória e conquistou fãs em Jane the Virgin e agora retorna para mais uma atuação cativante. A atriz consegue dar o ar correto de apatia com inocência que a personagem precisa, conseguindo até mesmo dar uma amenizada nas piadas fracas do roteiro, que pecam por transformar sua inocência em infantilidade. Em alguns momentos, Nell parece ter vivido em Marte e não em outro país, pelo grau de desconhecimento de coisas básicas.

Veja também: Crítica | Primo- 1ª Temporada

Ao seu lado, o elenco de apoio faz um ótimo serviço. Hannah Simone, que dá vida à sua melhor amiga Sam, serve como o perfeito contraponto da carreira bem-sucedida que Nell teria se não tivesse largado tudo por um homem- e faz questão de ressaltar isso sempre que pode. Balanceando sua vida profissional com sua vida familiar, onde é casada e mãe, Sam é o exemplo de força feminina que segura a protagonista e faz seu serviço representativo em tela.

Lauren Ash, que serve como um tipo de antagonista, é o maior destaque como Lexi, a chefe da empresa. À principio sendo apresentada como a chata que todos detestavam, ela cresce ao longo da temporada por ter criado um vínculo com Sam durante a ausência de Nell e constantemente destrata Serrano. Porém seu arco a transforma em uma personagem com inúmeras camadas, que mesmo tendo o poder sobre a empresa, é traumatizada pela má criação do pai e sofre em balancear sua vida pessoal com a profissional.

Hannah Simone, Gina Rodrigues e Lauren Ash em Not Dead Yet / Imagem: ABC

Edward (Rick Glassman) e Cricket (Angela E. Gibbs) também merecem destaque. Glassman cresce seu personagem gradativamente ao mostrar sua neurodivergência dando lições de sensibilidade conforme aprende a ceder um pouco pelas colegas. Já Gibbs dá um toque maduro e materno, com menos tempo de tela, mas igualmente eficiente.

Angela E. Gibbs, Gina Rodrigues e Rick Glassman em Not Dead Yet / Imagem: ABC

Not Dead Yet leva muito bem ao longo da temporada as questões femininas, pecando somente nos fracos momentos em que tenta inserir um romance para Nell. Usando de várias metáforas para apresentar questões feministas, raciais e profissionais que compõe a realidade de boa parte da população, a série faz bem seu serviço de representatividade dentro e fora das telas, apenas deixando a qualidade cair em alguns momentos mais fracos, com interações mais rasas e pouca funcionalidade das piadas.

Veja também: Crítica | A League of Their Own- 1ª temporada

Entre acertos e defeitos, Not Dead Yet é uma série que entretem e retorna às telas atrizes que já conquistaram os fãs de comédias latinas. Mesmo em seus momentos mais fracos, ainda consegue manter o padrão, com assuntos relevantes e cenas descontraídas que valem os seus quase 30 minutos de duração.

Not Dead Yet é uma produção da ABC que estará disponível no Brasil no catálogo da Star+.

Resumo
Nota do Thunder Wave
critica-not-dead-yet-1a-temporadaEntre acertos e defeitos, Not Dead Yet é uma série que entretem e retorna às telas atrizes que já conquistaram os fãs de comédias latinas. Mesmo em seus momentos mais fracos, ainda consegue manter o padrão, com assuntos relevantes e cenas descontraídas que valem os seus quase 30 min de duração.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui