segunda-feira, 6, abril, 2020
Início Filmes Críticas Critica | O menino que fazia rir

Critica | O menino que fazia rir

Para quem aprecia uma boa obra estrangeira, estreia em setembro O menino que fazia rir, dirigido por Caroline Link (Nenhum lugar na África), baseado na história do prestigiado humorista alemão Hape Kerkeling, com distribuição brasileira pela Pandora Filmes.

Critica | O menino que fazia rir 1
O menino que fazia rir | Warner Bros.

O filme se passa entre as décadas de 60 e 70 na Alemanha e compromete-se em contar a infância de Hanz-Peter Kerkeling e como ele começou sua trajetória no mundo humorístico e performático, entregando também os dramas e perdas durante esse período. Desde pequeno muito bem-humorado, Hanz-Peter sempre teve uma conexão muito forte com sua mãe Margret (Luise Heyer), quem sempre apoiava sua criatividade e humor cativante. Além da mãe, a família sempre muito unida de Hanz fazia grande parte do seu dia a dia, como suas avós Bertha (Ursula Werner) e Änne (Hedi Kriegeskotte), personagens marcantes em sua vida.

Hanz-Peter trabalhava com a filosofia de que a melhor forma de lidar com as decepções da vida era através do riso, e assim fez quando o incomodavam na escola, quando ouvia coisas ruins a seu respeito ou quando era repreendido pelos adultos, sempre transformava situações frustrantes em humor.

Critica | O menino que fazia rir 2
O menino que fazia rir | Warner Bros.

O clímax da trama começa a tomar corpo quando uma de suas avós, Änne, falece e é aí que acontece o primeiro contato de Hanz com a perda de um ente querido, que primeiramente lida de forma decepcionada, até conseguir voltar a seguir os passos de sua filosofia antes dita, porém, quando menos esperava, sua mãe acaba adoecendo decorrente de uma sinusite crônica, a qual é submetida a uma cirurgia em que ocorre complicações, e ela acaba perdendo o olfato e paladar, o que acarreta em uma depressão que abala toda a sua família, até chegar ao ponto de seu suicídio, colocando Hanz em uma desilusão momentânea com o humor.

O filme retrata encantadoramente o poder da união familiar perante uma situação devastadora, mostrando que a força e o apoio são extremamente necessários para conseguirem reacender o brilho em nosso personagem principal, e assim conseguem, tanto que Hanz-Peter se torna um dos grandes humoristas adorados na Alemanha atualmente.

O destaque do filme fica por conta da atuação de Julius Weckauf, que interpreta e coloca em cena todas as peculiaridades de Hanz-Peter em sua infância, além das ótimas cenas de humor apresentadas que não poderiam faltar na obra e que realmente cativam a quem assiste. As cenas em família também são muito bem trabalhadas, além da bela fotografia do filme dirigida por Judith Kaufmann.

O menino que fazia rir estreia em 26 de setembro nos cinemas brasileiros.

Nota do Thunder Wave
O menino que fazia rir é um filme que traz uma grande bagagem para as reflexões da vida em família e demonstrar como pode se levar a vida com um pouco de humor.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Siga nossas redes sociais

7,066FãsCurtir
3,130SeguidoresSeguir
4,450SeguidoresSeguir

Conheça as cidades de La Casa de Papel – Parte 3

0
A quarta temporada de La casa de Papel já está disponível no Netflix, e a gente chega a nossa terceira parte do...

Resenha: Indesejadas- Kristina Ohlsson

9
“Mas nesse planeta ninguém é invisível, muito menos infalível. “ Gosto bastante de romances policiais, por isso adoro os livros da editora Vestígio. Para quem...
pt_BRPT_BR
en_USEN pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave