sexta-feira, 3, dezembro, 2021

Crítica | Oito Mulheres e um Segredo

Recém-saída da prisão, Debbie Ocean (Sandra Bullock) logo procura sua ex-parceira Lou (Cate Blanchett) para realizar um elaborado assalto: roubar um colar de diamantes no valor de US$ 150 milhões, que a Cartier mantém sempre em um cofre. O plano é convencer a empresa a emprestá-lo para que a estrela Daphne Kluger (Anne Hathaway) use a joia no badalado Met Gala, um dos eventos mais chiques e vistosos de Nova York. Para tanto, Debbie e Lou reúnem uma equipe composta apenas por mulheres: Nine Ball (Rihanna), Amita (Mindy Kaling), Constance (Awkwafina), Rose (Helena Bonham Carter) e Tammy (Sarah Paulson).
Apesar de ter como base o mesmo universo de 11 Homens e um Segredo com Sandra Bullock, interpretando a irmã de George Clooney,  Oito Mulheres e Um Segredo não é um reboot como muitos pensam e sim um spin-off, e nesse ponto eles acertaram em cheio.
A química das personagens está fantástica. As interações e o modo de conduzir a narrativa chega muitas vezes a ser mais inteligente que 11 Homens e Um Segredo. E com certeza, milhares de vezes melhor que as sequências 12 e 13.
E o que torna este tipo de película muito interessante, pois parece que a pessoa está assistindo a um show de ilusão, onde acha que está vendo tudo, mas na realidade não viu nem ao menos o que está a sua frente.

E como no filme de 11 Homens, este também possui um final a mais, ou seja, o real motivo que levou a personagem a executar todo o assalto, mas com uma pitada que ninguém esperava. Realmente um outro levantar de cortinas.
Que por sinal, é uma das principais partes de transição entre cenas. O diretor abusa das cortinas verticais de uma cena para outra, o que lembra em muito 11 Homens. E dizendo isso tudo, parece que ele é uma cópia.
Pelo contrário. Ele pertence ao mesmo universo, por isso o diretor e produção mantém o mesmo estilo de fotografia e narração. Do contrário, ficaria meio estranho.
Um dos destaques fica para a atriz Cate Blanchett, com seu corte mais rebelde de cabelo e seu jeito um tanto malandro. Nenhuma das atrizes é a versão feminina dos personagens centrais de 11 Homens ao 13. Elas são independentes e cativantes.
É sem dúvida alguma um ótimo filme para se ver no cinema neste friozinho. Sair e tomar aquele chocolate quente e se sentir muito bem, com uma história que é inteligente e não subestima a mente do fã.
E que subam as cortinas e até a próxima!

Artigos Relacionados

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Instagram

Bombando

Mais vistos da semana

Siga Nossas Redes

Tem conteúdo exclusivo por lá
6,914FãsCurtir
2,962SeguidoresSeguir
4,233SeguidoresSeguir

Recentes

Conteúdo fresquinho

Thunder Fic's

Tudo sobre roteiro
pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave