Um suicídio, um roubo de identidade e uma golpista que deseja ter a vida boa. É isso que o piloto de Orphan Black, inicialmente, apresenta. Clichê? Sim, até o desenvolvimento dos acontecimentos mostrar do que realmente a série se tratar e o espectador descobrir que na realidade o motivo da personagem que se matou ser tão parecida com a que assumiu sua identidade é simples, elas são clones!

Orphan Black estreou como a promessa de ser a nova Fringe, cheia de intriga e com um alto teor bem fundado de ficção cientifica, a série consegue, até certo ponto, ser bem parecida com a saudadosa produção.

Entretanto, os focos são bem diferentes. Enquanto Fringe tinha um enorme foco nos personagens cativantes- e geralmente meio malucos-, Orphan Black usa de um argumento até então muito pouco explorado nas séries, que é entregue de uma maneira bem diferente com o uso limitado de atores. Sarah (Tatiana Maslany) presencia o suicídio de Beth (Maslany) e ao perceber que é idêntica a ela tenta rouba sua identidade. Mas ao fazer isso, descobre ter entrado em um perigoso mundo onde Beth, por descobrir ser um clone e estar procurando os outros, está sendo perseguida pela organização que as criou. Durante a temporada, é apresentado ao espectador novas “irmãs” de Sarah que precisam se proteger tanto da ameaça da empresa quanto da doença que parece afetar várias das clones.

Tatiana Maslany é responsável por praticamente carregar a trama nas costas, missão que cumpre maravilhosamente bem. Maslany fica com o trabalho de atuar como as várias versões criadas, todas com personalidades (e até mesmo aparência) bem diferenciadas e mostra todo seu talento ao entregar as diferentes personagens satisfatoriamente.

Porém, mesmo fazendo um ótimo trabalho, ela não é o único destaque. O irmão adotivo de Sarah, Felix (Jordan Gavaris) constantemente rouba a cena com uma atuação de Gay afetado- mas que está sempre a postos para ajudar. Sem Felix, o Clone Club estaria perdido, pois é ele que segura a barra de todos e de quebra ainda entrega o alívio cômico da serie.

Felix
Felix
Várias faces de Tatiana Maslany
Várias faces de Tatiana Maslany em Orphan Black

Orphan Black é uma grata surpresa para os fãs de ficção- ou apenas de boas intrigas. Conseguindo manter o suspense durante toda a temporada e aos poucos explicando vários fatores chaves para o entendimento dessa complicada experiência, a produção é envolvente e instigante. Para ajudar, o primeiro ano da série termina com um gancho que sem dúvidas deixará todos os espectadores ansiosos para ver o desfecho dessa trama.

Resumo
Nota do Thunder Wave

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui