A segunda temporada de The Summer I Turned Pretty ou O Verão Que Mudou Minha Vida chega amanhã no catálogo da Amazon Prime Video com três episódios. Então, depois disso, um novo episódio será lançado no streaming todas as sextas, até 18 de agosto. A tão aguardada sequência da “trilogia de verão” traz arcos de amadurecimento e perdão, além, claro, do triângulo amoroso entre Belly e os irmãos Conrad e Jeremiah. Com um elenco competente, a segunda temporada dá algumas escorregadas, mas ainda conquista.

Leia também: Crítica: The Summer I Turned Pretty – 1ª Temporada

Embalada por canções pops (Taylor Swift e Olivia Rodrigo podem comemorar, pois seus hits melancólicos sobre relacionamentos não sairão de moda nunca quando o assunto for amor), a série tem oito episódios que contemplam várias cenas de flashback para ajudar a dar corpo a história contada, além disso para enfatizar o salto temporal devido aos novos acontecimentos. Por ser uma série teen, o drama e as confusões da fase adolecente e início da vida adulta, ditam a intensidade da atual temporada, que por vezes fica um pouco massante.

A temporada anterior conquistou o público e fãs de Han que esperavam ansiosos pela adaptação de outra obra sua. Particularmente, não acho essa trilogia uma boa obra, não vejo sentido nesse triângulo amoroso, por que raios colocar uma mulher como pivô entre dois irmãos? Tirando isso, os outros assuntos são até interessantes como a amizade entre duas mulheres, que são mais que amigas, são irmãs de alma. A importância do perdão e como lidar com o processo de luto que é diferente para cada ser humano. As amizades que surgem de forma inesperada, a relevância de se viver a vida sem perder tempo com ressentimentos e muitos outros temas legais que fazem parte de amadurecer e evoluir como ser humano.

Diferente dos livros, a primeira temporada aplicou a cronologia temporal e os arcos para conseguir entregar um texto e uma história mais completa, a fim de instigar o espectador, já que a obra original, muitos acontecimentos só acontecem bem depois. Com a chegada da segunda temporada, a sequência tem o dever de conectar os verões vividos por Belly (Lola Tung) e sua turma. Nesse novo encontro, vemos que as coisas estão diferentes. Belly estaria ansiosa para que a época mais divertida do ano chegasse logo, mas pela primeira vez em muito tempo, ela terá que passar o verão sem encontrar Conrad (Christopher Briney), Jeremiah (Gavin Casalegno) e Susannah (Rachel Blanchard).

Crítica | The Summer I Turned Pretty - 2ª Temporada 1
Irmãos lutam pelo amor de Belly / Reprodução Amazon Prime Vídeo

Com o uso de flashbacks, o primeiro episódio da atual temporada contextualiza o espectador dos últimos acontecimentos e mostra uma protagonista mais reflexiva, mais impulsiva, mais magoada, mas com vontade de mudar. Aqui, vemos Belly tendo que lidar com as escolhas do passado que podem respingar no seu futuro. O irmão de Belly, Steven (Sean Kaufman) se prepara para ir para a universidade enquanto Jeremiah e Conrad lidam com seus próprios problemas e Laurel se prepara para finalmente lançar seu novo livro inspirado na sua grande amizade com Suzannah.

Em The Summer I Turned Pretty, percebemos que nem tudo é dado de forma gratuita e rápida para o público. Por exemplo, temos o tempo “presente”, onde o texto se desenvolve de forma natural com conversas e acontecimentos que revelam poucos detalhes que chamam a atenção para possíveis bombas, mas que na sequência, a bomba não explode… é preciso assistir um pouco mais para ver quem detona a dinamite, algumas levam mais de um episódio para serem estouradas.

A segunda temporada de O Verão que Mudou Minha Vida finca os pés no drama e se sai bem quando decide trabalhar a culpa, amizades desfeitas, refeitas e novas, depressão, luto e os romances que dão e não dão certo e aqueles que florescem do desconhecido. Um ponto positivo é a naturalidade com que tudo acontece, pois a dúvida de Belly em relação aos irmãos e o que sente sobre e por cada um é real, eu me peguei em dúvida várias vezes, mesmo não gostando do triângulo. Notamos que a primeira temporada é tendenciosa para o lado de Contrad, enquanto a segunda puxa a sardinha para Jeremiah.

Crítica | The Summer I Turned Pretty - 2ª Temporada 2
Elenco é carismático e talentosos / Reprodução Amazon Prime Vídeo

Para ser um drama de verdade, não poderíamos esquecer dos erros e clichês que poderiam ter ficado de fora do segundo ano da produção. Temos uma antagonista que não existe nos livros e a construção dela até faria sentido se os roteiristas tivessem mantido a essência dela do começo ao fim, mas decidiram desconstruir uma megera sem causa e torná-la mais “amável”. Ponto negativo para essa estratégia, pois essa solução encontrada foi para facilitar algumas conexões e mostrou que os roteiristas estavam mais perdidos do que se seguissem de fato a obra original.

As mudanças feitas ao material de origem, funcionou bem melhor na primeira temporada, já na segunda, resultou em mais prejuízos do que pontos positivos. O  problema foram as mudanças? Não, mas a forma como foram desenvolvidas e alinhadas com a trilha sonora , por exemplo, não foi um resultado interessante. A trilha sonora é composta por nomes famosos da atualidade e em demasiado, nos deixa enjoados… não tem só Taylor Swift no mundo. Katy Perry, Britney Spears, Lady Gaga já fizeram músicas para corações partidos… logo, qual o motivo de não diversificar o repertório e sair do óbvio? 

No entanto, reconheço que embora problemático seja alguns desenvolvimentos, gostei das adições de Julia (Kyra Sedgwick) e Skye (Elsie Fisher) porque elas oferecem outros caminhos para a série, Mal desenvolvidas, sim, mas com grande potencial como a introdução de Skye, sendo uma pessoa não-binária, ajudando a ampliar a diversidade em seu elenco de apoio e para Julia, um posto importante na trama, oferecendo conflito, mas com uma exploração capenga.

Com boas atuações, a série consegue emocionar o público. Mesmo com momentos cheios de naturalidade e abordando temas interessantes, a obra cai na superficialidade devido às escolhas erradas e às estratégias traçadas. Apesar disso, a trilogia de verão de Han ainda tem muita história para contar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui