segunda-feira, 17, janeiro, 2022

Crítica | Tick, tick… BOOM!

O filme da Netflix, dirigido por Lin-Manuel Miranda, é baseado no musical autobiográfico que Jonathan Larson escreveu antes de Rent

Avaliar um musical não é uma tarefa fácil, pois existe uma longa lista de “musicais” que se consideram musicais, mas não são. Na verdade, são obras mal produzidas e por contemplar algumas musiquinhas acham que são dignas de serem chamadas de musicais. No entanto, existe uma parcela bem sucedida que valoriza o gênero e faz bem feito. A recente sensação lançada pela Netflix no dia 19 de novembro, foi bem ambiciosa e digo isso não só pela produção, mas por quem dirigiu. Tick, tick… BOOM! merece os aplausos que vem conquistando na plataforma e digo mais, a produção intensa e vibrante conquista do início ao fim. Merece a fama que tem.

Fazer arte é caro. Mas vale cada centavo. – Tick, tick… BOOM!

Quem foi Jonathan Larson?

Se você não é um fã de musicais, pode não ter conhecido o fantástico currículo de Jonathan Larson, tampouco seu nome e sua história. Graças a Deus existe o Google para saber quem foi esse compositor que lutou insanamente para não deixar seu sonho morrer. Jonathan Larson foi um compositor e escritor filho de judeus e moravam em White Plains, Nova Iorque. Desde cedo, ele teve a música ao seu lado,  já que tocava trompete e tuba, participava do coro de seu colégio e teve aulas de piano. Na sua playlist não podia faltar Elton John, The Beatles, The Doors e Billy Joel. Não podemos esquecer do clássico compositor de musicais Stephen Sondheim. Além disso, Larson também atuava e fez parte de várias peças da White Plains High School.

Quem foi Jonathan Larson, personagem de Andrew Garfield em Tick, Tick...  Boom? - A Odisseia
Jonathan Larson morreu às vésperas de Rent em 1996 / Reprodução

Mais tarde, Larson estudou na Universidade de Adelphi, onde foi bolsista, atuou e compôs várias peças menores, mas seu grande sonho era “Superbia“, uma versão rock futurista do livro de George Orwell. Trabalhou nela durante anos enquanto era garçom de uma lanchonete em NY. Ele acreditava que essa seria sua maior obra-prima, pois com ela ganhou a Richard Rodgers Production Award e o Richard Rodgers Development Grant. No entanto, apesar dos desempenhos dos dramaturgos e uma versão do concerto de rock produzido pelo amigo de Larson e produtor Victoria Leacock no Village Gate, em setembro de 1989, Superbia não foi totalmente produzido, conduzindo a decepção para Larson.

Seu próximo trabalho, concluído em 1991, foi um “monólogo de rock” chamado 30/90, que posteriormente foi renomeado para “Boho Days” e, finalmente, intitulado “Tick, tick … BOOM!” que é um musical autobiográfico que escreveu detalhando uma época de sua vida em que temia fazer 30 anos sem ter composto um musical de sucesso, tendo passado oito anos de sua vida em uma peça de ficção científica (Superbia), enquanto trabalhava meio período em uma lanchonete.

Jonathan Larson cantando Sunday para Tick, tick… BOOM!/ Reprodução

Em dado momento de sua vida, Jonathan Larson estava dividido entre abandonar seu estilo de vida artístico e sem dinheiro, para assumir uma posição no marketing de uma agência de publicidade, mas as boas críticas de Superbia e Tick, Tick… Boom! fizeram o jovem continuar perseguindo seu sonho. Depois surgiu “Rent”, lançado na década de 90 e um dos musicais mais longevos, premiados e assistidos na Broadway. Porém, Larson não teve tempo para aproveitar o sucesso do próprio trabalho. Jonathan Larson morreu devido a uma dissecção aórtica, que se acredita ter sido causada por síndrome de Marfan, na madrugada de 25 de janeiro de 1996. Acredita-se que se a dissecção da aorta tivesse sido diagnosticada e tratada adequadamente, Larson teria vivido.

Se você acha que foi uma jornada fácil, está enganado. A vida do compositor, escritor e dramaturgo de criatividade intensa, assim como de tantos outros gênios, não foi – e nem deve – ser definida pela fama, mas sim pela jornada que percorreu. Larson viveu uma carreira de altos e baixos, mas foi nas aflições, alegrias, tensões, tristezas que encontrou força e esperança para perseverar e agora a lenda da Broadway que faleceu às vésperas de “Rent” estrear, é eterizado nas telonas e na Netflix em “Tick, tick… BOOM!“, musical que rememora com ânimo a figura de um ser humano talentoso e muito determinado.

Tick, tick… BOOM!

Andrew Garfield pode ganhar o Oscar? Conheça Tick, Tick... Boom!, musical  da Netflix cotado para a temporada de premiações - Notícias de cinema -  AdoroCinema
Andrew Garfield é o energético e vibrante Jonathan Larson em Tick, tick… BOOM! / Reprodução

Tick, tick… BOOM! acompanha a trajetória de Jonathan Larson, interpretado brilhantemente por Andrew Garfield, poucos dias antes de completar 30 anos. Trabalhando numa lanchonete como garçom, Larson escreve e reescreve um musical, o qual acredita intensamente de que será o próximo sucesso americano. John se vê pressionado por vários acontecimentos a sua volta como a mudança de sua namorada para outra cidade para seguir seu sonho na carreira artística, seu amigo Michael que trocou a atuação por uma condição financeira mais confortável e segura, além de ver outros amigos morrendo por conta da AIDS. Prestes a apresentar uma performance decisiva, Larson é tomado pela ansiedade de quem se considera atrasado para realizar seu grande sonho.

Metade de nossos amigos está morrendo. A outra está apavorada em ser a próxima. – tick, tick… boom!

Embora o longa tenha algumas pequenas falhas, é compreensível, pois se trata da estreia do talentosíssimo Lin-Manuel Miranda que assume a direção e conduz com fervor, energia, otimismo e claro, muita emoção, a narrativa por meio de uma estrutura bem arquitetada e coerente. Aqui, Miranda usa como fio condutor da trama o monólogo de rock chamado 30/90, que posteriormente foi renomeado para “Boho Days” e, por fim, intitulado “Tick, tick … BOOM!”, no qual Jon canta e interpreta, com o auxílio de sua banda, as suas diversas frustrações por conta da rejeição causada pelo fracasso de levar Superbia a Broadway. Essa maneira de narrar os acontecimentos da vida do jovem compositor é algo que conecta o público com o drama do protagonista e isso nos cutuca de uma forma insana e bizarra. Todos temos urgência na vida, queremos o sucesso para já. É tudo tão imediato. Tão rápido. O pior é que nos desesperamos no processo, é complicado entender que o caminho é assim… cheio de curvas, obstáculos que no fim, servem para o nosso próprio amadurecimento e isso nos faz refletir sobre como lidamos com as frustrações e alegria da vida. O resto do trabalho fica por conta de Andrew Garfield.

Garfield que tem um currículo estranhamente peculiar, nos entrega uma interpretação INCRÍVEL. O protagonista tem uma jornada marcada por várias camadas que são dissecadas em tela pelo ator e as emoções e os sentimentos são transmitidos sem que ele precise se esforçar muito. É lindo ver a entrega e a dedicação numa interpretação belíssima e tocante. Sentimos a sua epifania quando consegue as primeiras conquistas, a grandeza de sua energia enquanto está performando o seu monólogo e uma intensa agitação ao cantar as músicas que embalaram o musical. Uma das passagens mais importantes vemos Andrew vestindo, literalmente, a ansiedade de Larson que se mostra um dos pontos mais altos da trama. Mas isso não é a única coisa interessante dessa passagem, em paralelo nos estamos há quase dois anos numa pandemia que parece não ter fim e justamente esse momento tem servido de gás para muitas reflexões como o imediatismo para ser bem sucedido na vida amorosa, na vida profissional… mas o ponto é que não sabemos esperar e não sabemos reconhecer a beleza das frustrações e das pequenas conquistas ao longo da jornada. 

Algumas das escorregadas podem ser vistas de forma mais escancarada em dois momentos, como na encenação da canção “Sunday”, em que o uso do CGI se faz presente, porém foi mal feito. O resultado em tela não fica bom e isso meio que estragou um pouco, pois a superficialidade é visível. Outro momento que poderia ter tido mais discernimento do diretor/ produção/ montagem é o fato da sequência em que Jonathan e sua namorada Susan, discutem e de sobreposição, é colocada a encenação de Larson reproduzindo o conflito de forma engraçada e vibrante quando exigia uma carga dramática mais aflitiva, triste e até raivosa. Nesse ponto, o longa inventa e sai de tom. Aproveitando o ensejo, a trilha sonora conta com belas canções, mas sem um grande destaque para transcender a tela, como nos casos de “O Rei do Show” ou “La La Land”. No ritmo inquieto de seu protagonista, a narrativa entrega menos drama do que poderia ter sido oferecida em tela e muitas horas de diversão enérgica, o que não é ruim, mas de novo, saiu do tom.

Apesar de não ter coreografias chicletes ou cenários fantásticos, as atuações Garfield e Vanessa Hudgens (perfeita em seu tempo de tela), mesmo que estejam sentados em banquinhos, as emoções, a vontade, a força, a imensidão de suas interpretações são um reflexo do trabalho de Lin-Manuel Miranda como diretor de atores. Aqui o que importa é o que será dito, cantado, sentido, expressado e observado. É realmente uma produção e tanto. Não decepcionou – mesmo tendo erros -, pois a mensagem que é transmitida é mais forte e mais relevante que qualquer escorregada.

Nota do Thunder Wave
Em um ano que fomos agraciados com alguns musicais - alguns que estão mais para catástrofes do que para musicais -, assistir Tick, tick… BOOM! ainda mais num momento em que estamos vivendo o caos da pandemia que se arrasta desde o final de 2019 e início de 2020, a mensagem transmitida na sequência em que Jonathan toca piano na chuva do Central Park ecoa como uma poderosa lição de intensidade profunda e emocionante, principalmente devido ao final repentino e triste da jornada de uma das maiores lendas da Broadway, Jonathan Larson. Tick, tick…BOOM! é mais que um musical, é uma obra de arte que nos mostra como as conquistas e frustrações geram impactos no caminho que escolhemos trilhar. Ansiamos pelo sucesso mais do que qualquer coisa na vida, pois tudo passa tão rápido e o nosso maior medo é envelhecer e não obter sucesso. Mas o ponto alto da reflexão é: o nosso sucesso é e será pautado pela jornada que trilhamos. O musical estrelado por Andrew Garfield - atuação impecável-, merece a fama que conquistou e vale o entretenimento.

Artigos Relacionados

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Instagram

Bombando

Mais vistos da semana

Siga Nossas Redes

Tem conteúdo exclusivo por lá
6,825FãsCurtir
0SeguidoresSeguir
4,233SeguidoresSeguir

Recentes

Conteúdo fresquinho

Thunder Fic's

Tudo sobre roteiro
pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave