sexta-feira, 3, dezembro, 2021

Crítica | Uma Dobra no Tempo

Os irmãos Meg (Storm Reid) e Charles (Deric McCabe) decidem reencontrar o pai, um cientista que trabalha para o governo e está desaparecido desde que se envolveu em um misterioso projeto. Eles contarão com a ajuda do colega Calvin (Levi Miller) e de três excêntricas mulheres em uma ousada jornada por diferentes lugares do universo.

 
Sem dúvida alguma, adaptar livros é sempre algo complicado. E um, que é praticamente leitura obrigatória nas escolas americanas, torna-se algo muito mais difícil.
Mas não é bem isso o que aconteceu, com o livro escrito por Madeleine L’Engle.
Uma Dobra no Tempo, é um livro que soube envelhecer. Traz um tema atemporal sobre descobertas, problemas na escola, convívio com outras pessoas e principalmente em auto aceitação.
Buscar esse equilibrio, em querer aceitar as respostas, é o grande problema para a maioria das pessoas. Elas fazem as perguntas, mas realmente querem saber a resposta?
A adaptação para os cinemas sofreu com algumas modificações, principalmente em relação a protagonista. De branca, a negra. Isso causou um certo alvoroço que não faz o menor sentido. O mesmo para outros personagens. Sobre estas escolhas, DuVernay, diretora do longa disse que “Reese é a produtora mais badalada do meio. Oprah é a mais prolífica e venerável lenda da televisão, além de ser uma artista e empreendedora. E Mindy é uma das poucas mulheres tocando um programa de TV com o nome dela, sobre ela”. E acima de tudo, estas três artistas são líderes em seus meios.
Independente das escolhas, Uma Dobra no Tempo é um filme para crianças.
E estas crianças estão pouco ligando que se o personagem na tela é de algum gênero, etnia, seja o que for, diferente do que está nos livros.
Porque o filme, conversa com elas. A principal mensagem de Uma Dobra no Tempo, é sobre a busca, sobre crianças serem a luz para combater as trevas e aceitar umas as outras.
É sobre o amor. Não o amor romântico mostrado em filmes, mas aquele existente nas pessoas, que amam não apenas a sua família, amigos, mas principalmente a si mesmas.
E ao realizarem críticas insensíveis fazendo perguntas de “por ques” a escolha de atores ou caminhos que o filme segue, estes jornalistas esquecem os reais motivos da história.
Voltando ao filme, Uma Dobra no Tempo trás uma boa adaptação. Não é a melhor já realizada de um livro, mas consegue trazer para as telas cada sentimento de seus personagens.
A fotografia é fenomenal com seus jogos de cores. Os sentimentos, é algo até “Disney” de ser, e é isso o que queremos. Um longa com emoção.
Esta é uma aventura para crianças de 8 a 12 anos. E para que os adultos lembrem que um dia foram crianças com anseios e que os únicos problemas a serem enfrentados, eram aqueles que nós mesmos criávamos. E que para muitos, ainda persistem até a vida adulta.
Vale a pena ver, pensar e conversar com seus filhos sobre estes assuntos.
E ainda mais, saber que aqueles que mais amamos, também tem o poder de nos machucar da pior maneira, pois nos conhecem. Mas quem realmente somos, apenas nós sabemos.
Uma Dobra no Tempo é para ser visto e revisto. Não importa a sua idade.
Apenas sente-se e aprecie o filme, com a visão e a alma de uma criança.
E que subam as cortinas! Até a próxima!

Artigos Relacionados

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Instagram

Bombando

Mais vistos da semana

Siga Nossas Redes

Tem conteúdo exclusivo por lá
6,914FãsCurtir
2,962SeguidoresSeguir
4,233SeguidoresSeguir

Recentes

Conteúdo fresquinho

Thunder Fic's

Tudo sobre roteiro
pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave