quinta-feira, 22, outubro, 2020
Início Filmes Críticas Crítica: Uma Dobra no Tempo

Crítica: Uma Dobra no Tempo

Adaptar um romance nunca é uma tarefa das mais prazerosas. Mas sem dúvida, é algo desafiante. Uma Dobra no Tempo, é adaptado do livro homônimo da escritora Madeleine L’Engle, obra que envelheceu muito bem, principalmente por ter sido escrito na década de 1960. E certos temas, são praticamente mundiais.

O livro, assim como o filme, fala sobre a busca do pai perdido. E nesta busca, a personagem principal descobre que para encontrar o seu pai, ela precisa querer aceitar as perguntas que ela faz a si mesma. E ter o equilíbrio em sua vida. Isto é refletido em aceitar quem realmente é. O verdadeiro amor, é amar a si mesma.

O longa narra de maneira simples e objetiva esta aventura de Meg (Storm Reid). Ela é inteligente, mas não se aceita. Não gosta de seu cabelo, do seu corpo, ou seja, não gosta de quem é. Isto lembra Harry Potter e tantas outras obras juvenis onde o protagonista é inteligente, mas não acredita em si mesmos e sofrem nas mãos de outras pessoas, certo? Pois bem, já sabem que Uma Dobra no Tempo trouxe estes dilemas praticamente 40 a 50 anos antes de vários outros que hoje falam sobre esse  mesmo assunto, a aceitação este mundo.

Crítica: Uma Dobra no Tempo 1
Uma Dobra no Tempo | Imagem: Disney

Obviamente, o filme possui modificações em relação ao livro, mas são mudanças pontuais e que em nada afetam a narrativa. Como toda boa obra da Disney, a fotografia é colorida e divertida. É realmente algo para crianças de 8 a 12 anos. E são essas que devem dizer o que acharam do longa.

Muitos podem dizer que Uma Dobra no Tempo não é para esta geração cheia de tecnologias. Mas esquecem que não é a tecnologia que faz as pessoas, são elas que fazem a si mesmas. O certo e o errado, as lutas e o crescimento, são pessoais e não ditas por regras de números binários.

Crítica: Uma Dobra no Tempo 2
Uma Dobra no Tempo | Imagem: Disney

Uma Dobra no Tempo foi feito para ser visto com a família. Para saírem da sala de cinema, sentarem e não jogarem os problemas e discutirem quem tem o maior problema na vida. Um dia, pais também foram filhos. O que este filme, assim como o livro propõe, é aceitar não apenas a si, mas também compreender as outras pessoas.

A final de contas, o mau está em nossos pensamentos e não na roupa ou no celular que usamos.

Nota do Thunder Wave

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Siga nossas redes sociais

7,000FãsCurtir
3,084SeguidoresSeguir
4,356SeguidoresSeguir

Eclipse | Sinais de possessividade e obsessão

0
A personagem Bella é um desafio. Em momentos ela se impõe, em outros ela se submete ao que os outros querem. Percebemos, o que um relacionamento abusivo pode se tornar no decorrer da obra, porém, não deixa de ilustrar a realidade. Afinal, a realidade e a ficção andam de mãos dadas.

The Walking Dead | Cena de momento íntimo causa nojo nos...

0
Cena de momento íntimo entre Negan e Alpha causou reações negativas nos fãs de The Walking Dead. Veja.
pt_BRPT_BR
en_USEN pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave