quarta-feira, 8, dezembro, 2021

Desafio Sob Fogo Brasil e América Latina

Sai temporada, entra temporada e o objetivo central é exaltar a forja como arte

A série Desafio Sob Fogo surpreendeu pelo grande apelo que tem com a audiência brasileira. As duas primeiras edições foram vencidas pelos brasileiros Tom Silva (2018) e Daniel Jobim (2019). Isso motivou o History a fazer a terceira temporada com metade dos participantes brasileiros (os demais são do México, Argentina e Colômbia), intitulada Desafio Sob Fogo Brasil e América Latina, e com uma novidade: pela primeira vez uma mulher na competição, Juliana (ES/RJ). Os demais participantes do Brasil são Cléber (DF), Sandro (RS) e Milton (PR). Outro destaque é o juiz brasileiro, Ricardo (SP), que atualmente vive nos Estados Unidos.

Conversamos com os participantes Cléber Melo e a Juliana Baioco que contaram um pouco da experiencia deles durante as gravações e o que esperam desse desafio que por sinal já faz parte do título do programa. Mas que desafio é esse? Inspirado no “Forged in fire”, o “original” americano, se trata de um reality show que tem como carro-chefe a cutelaria que nada mais é do que a é a atividade que envolve a fabricação de instrumentos de corte. E se você pensou que se trata de uma prática pré-histórica, está enganado… a Juliana fez um curso acreditando que faria uma faca uma vez na vida e depois disso se apaixonou e não parou mais.

É uma surpresa e tanta descobrir que foi aceito no casting da competição. Mas os participantes só se dão conta mesmo disso, é quando bate o “friozão” na barriga como nos conta o participante Cléber Melo que largou a tecnologia para se aventurar na cutelaria. Casado há 14 anos e pai de dois filhos, de 10 e 12 anos, Cléber começou na cutelaria por hobby, em 2009. Além de um curso na Universidade de Brasília, também ganhou o prêmio de Melhor Iniciante com sua primeira faca integral no Salão Paulista de Cutelaria, em 2010. Passou a se especializar e a adquirir equipamentos. Durante oito anos deu aulas de cutelaria artesanal, há três trocou definitivamente a tecnologia pela cutelaria. Em eventos, ele faz demonstrações de forja, de facas artesanais e o mais legal é que ele promove sorteios com peças pequenas forjadas por ele para as pessoas que estão na feira/ evento.

“Participar do programa será um salto na minha carreira.” – cléber

Atualmente, tem uma oficina profissional em Brasília e vende de três a quatro peças, entre facas e canivetes, por mês. Recebe encomendas de todo o Brasil, de pedidos simples a facas personalizadas, com materiais nobres. Segundo o cuteleiro, a sua atividade principal é a cutelaria e foi através da televisão que ele teve conhecimento com o reality e que se via participando até que se tornou realidade. Quando questionado sobre qual seria a sua marca deixada na competição, Cléber respondeu que é a cutelaria como arte. Lembrando que ele oferece um curso de cutelaria e ressalta que com dedicação é possível ir longe.

“Uma faca bem feita pode atravessar gerações. Pode passar de pai para filho, neto, bisneto… O que eu espero deixar como marca é a cutelaria como arte.” – Cléber

A outra participante é a Juliana Bioco que é a primeira participante da competição. Professora de Engenharia de Petróleo na UFRJ e praticante de esportes radicais, Juliana se interessou por cutelaria ao assistir Desafio Sob Fogo. Ela se apaixonou pela série, que a motivou a fazer um curso de cutelaria no Rio Grande do Sul, em fevereiro de 2019.  Depois do curso, montou uma oficina própria no Rio de Janeiro, um espaço compartilhado de cutelaria e marcenaria. E foi além: começou a frequentar os eventos da área e a fazer contatos. Tornou-se cuteleira por hobby e vende as facas que produz também. Segundo a cuteleira, foi convidada pelo casting para participar do programa e ela se questionou se estava preparada para esse grande desafio, mas era só tentar e ela conseguiu se tornar uma das participantes ou melhor, a primeira participante mulher do programa. É interessante esse detalhe, pois muitos podem se questionar que se trata de uma atividade que exige força física e tem uma mulher executando tal atividade. São exemplos como estes que encorajam mais mulheres a se interessarem e mostram que o lugar da mulher é em qualquer lugar, onde ela quiser.

“Foi uma surpresa ter sido escolhida e uma responsabilidade muito grande ser a primeira e única mulher para participar do programa. Assim como na engenharia que é majoritariamente exercida por homens e é a minha profissão, isso me ajudou a enfrentar a vivência na competição, naturalmente. É um ser humano ali fazendo faca ou qualquer outro ofício. Mas confesso que é uma responsabilidade a mais está representando as mulheres ali, na competição.” – Juliana

A Juliana, conta que a sua bagagem adquirida da engenharia a ajudou muito como os conhecimentos em metalurgia, em aço, entender o mecanismo da faca, tratamento térmico, escala de Mohs (quantifica a dureza dos minerais, isto é, a resistência que um determinado mineral oferece ao risco, ou seja, à retirada de partículas da sua superfície), além de outros aprendizados que são como um suporte para a prática da cutelaria. Apesar disso, ela ressalta que a dinâmica é totalmente diferente. Enquanto na sala de aula o esforço é minimo, na oficina o nível de periculosidade é bem alto, o barulho e a atenção nas faíscas, nos matérias é completamente diferente da rotina acadêmica que é um pouco mais leve.

O desafio mesmo está no relógio, o tempo e a pressão são fatores que exercem grande poder nos competidores. Assim, como nos realities gastronômicos, o tempo não para e se torna uma experiencia peculiar e o nervosismo a flor da pele pode interferir no emocional e psicológico durante as provas executadas. É necessário que o candidato tenha confiança e saiba como manter o equilíbrio diante dos desafios para permanecer competindo até o final e para que tudo corra bem.

Por fim, o mais importante é ressaltar a cultura e a arte. Ambos os participantes afirmaram que cada peça é exclusiva, não existe outra igual e, talvez, seja isso que faz a competição vibrar e ser diferente dos demais realities existentes. Não se trata apenas de força, mas de concentração, criatividade, cuidado e a habilidade camaleônica grita nessa competição, afinal, se adaptar e executar todas as etapas com o tic-tac do relógio no seu ouvido, não é para muitos. O programa mostra que cada competidor tem um único oponente e esse oponente é o próprio competidor e isso evidencia o quão forte uma pessoa pode ser e o quão corajosa é para se desafiar desta forma. É a dedicação, a força de vontade e a paixão, como disse a Juliana, que faz o desafio ser prazeroso e a vitória ser conquistada. A terceira temporada chega colocando pressão e com um elenco de peso no History, no próximo dia 13 de agosto.

Oito participantes. Quatro brasileiros e apenas um grande vencedor. Quem levará o título de melhor ferreiro da América Latina? Prepare-se para a nova temporada dessa competição que vai pegar fogo. ​

Artigos Relacionados

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Instagram

Bombando

Mais vistos da semana

Siga Nossas Redes

Tem conteúdo exclusivo por lá
6,914FãsCurtir
2,962SeguidoresSeguir
4,234SeguidoresSeguir

Recentes

Conteúdo fresquinho

Thunder Fic's

Tudo sobre roteiro
pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave