Famoso serial killer americano, Jeffrey Dahmer ganhou sua fama pelos seus peculiares assassinatos, que não foram poucos, envolvendo nada menos que estrupro, necrofilia e canibalismo. Por seu apetite sexual perigoso, ele se tornou conhecido e alvo de várias menções e adaptações de sua vida.

Conheça tudo sobre Jeffrey Dahmer, conhecido como o canibal de milwaukee.

Quem é Jeffrey Dahmer

Jeffrey Lionel Dahmer, nascido dia 21 de maio de 1960, em Milwaukee, Wisconsin era filho de Lionel e Joyce Dahmer. Quando ainda era criança, seus pais se mudaram com ele para Bath, Ohio, onde estudou na Revere High School. Lá, jogava tênis e tocava clarinete.

Dahmer foi inicialmente descrito como uma criança “enérgica e feliz” mas seu temperamento mudou quando passou por uma cirurgia de hérnia, pouco antes do seu aniversário de quatro anos. O procedimento não resultou em nenhuma lesão a ele, mas não falaram a verdade para o menino sobre o que seria feito. Mais tarde ele confessou que ficou muito assustado,imaginando que pessoas estranhas tivessem explorando seu corpo aberto.

Dossiê | Jeffrey Dahmer, o canibal de milwaukee 1
Jeffrey Dahmer / Imagem: Reprodução

Depois disso, Jeffrey mudou, sendo descrito pelo seu pai como introvertido e tímido e passava horas em casa sozinho. Quando não estava em silêncio, se comunicava de forma monossilábica.

Lar nada amoroso

Jeffrey nunca teve uma relação muito intíma com seus pais. Seu pai cursava pós-gradução em química durante sua infância e por isso passava muito tempo fora estudando. Sua mãe estava sempre com ele, mas era ausente emocionalmente, nunca foi capaz de estabeler uma conexão com o filho. Ela sofria de várias doenças que a tornaram viciada em remédios.

O casamento dos pais de Jeffrey se deteriorou enquanto ele ainda era muito pequeno, com as brigas e gritarias se tornando frequentes ao longo dos anos. Assim, conforme foi crescendo, passou a se tornar um solitário e sem receber muito afeto em casa.

Em 1977 seus pais se separam, e suas notas caíram muito. No ano seguinte, conseguiu se formar no ensino médio ao mesmo tempo que seu pai deixou a casa. Alguns meses depois, Dahmer foi abandonado por sua mãe e deixado, então, sem comida, sem dinheiro e com uma geladeira quebrada, com apenas 18 anos. Após o divórcio dos seus pais se formalizar, seu pai se mudou para um hotel próximo, enquanto sua mãe firmou residência em Chippewa Falls, Wisconsin, junto com o irmão mais novo dele, David.

O começo de tudo

Em 1970, aos 10 anos, Dahmer perguntou ao seu pai o que aconteceria se ossos de galinha, que eles estavam comendo no jantar, fossem banhados em alvejante. Lionel, acreditando que isso era apenas uma curiosidade normal de criança, demonstrou como usar alvejante e outros produtos químicos e preservar com segurança ossos de animais. Dahmer incorporaria essas técnicas para preservar os ossos de suas vítimas no futuro.

Veja também: Dossiê | Quem é Candy Montgomery, a mulher conhecida como ‘assassina do machado’

Durante sua adolescencia, Dahmer já demonstrava uns traços complicados. Muitos dos colegas de escola de Dahmer o descreviam como “estranho” e “bizarro” por causa das constantes brincadeiras que praticava e tentativas de se entrosar. Ele costumava fingir ataques epilépticos e fazia outras brincadeiras que os alunos de sua escola achavam estranhas, mas estimulavam tal comportamento pois achavam engraçado. Aos 15 anos, seus poucos colegas perceberam que Dahmer era alcoólatra.

Ainda na sua adolescência, dissecava animais mortos que encontrava na estrada e tinha até um cemitério particular nos fundos de sua casa. Posteriormente, Dahmer confirmou que seus desejos e fantasias assassinas começaram nessa época, mas não por causa do alcoolismo.

A descoberta

Quando chegou a puberdade, Dahmer se descobriu como homossexual, fato que não revelou a ninguém. No começo de sua adolescência, ele teve um breve relacionamento com um garoto de idade próxima a dele, embora não tenham feito sexo.

Mais tarde, Dahmer confessou que começou a fantasiar sobre dominação e de exercer completo controle sobre um parceiro submisso. Essas fantasias gradualmente se entrelaçaram com seus hábitos de dissecação.

Veja também: Dossiê | Daniella Perez – Conheça tudo sobre o caso que chocou o Brasil

Quando ele tinha por volta de 16 anos, Dahmer concebeu uma fantasia onde deixaria um homem inconsciente, particularmente um corredor que ele achava atraente e então fazer uso sexual do seu corpo. Em uma ocasião, ele se escondeu no mato com um taco de beisebol com o intuito de atacar esse homem em uma de suas corridas matinais; contudo, exatamente naquele dia, o homem não saiu para suas corridas. Essa foi a primeira vez que contemplou matar alguém.

Problemas Psicológicos de Jeffrey Dahmer

Mesmo não tendo ajudado em seu julgamento, Jeffrey tinha alguns problemas psicológicos diagnosticados. Oficialmente, era portador de transtorno de personalidade borderline, transtorno de personalidade esquizotípica e transtorno psicótico.

Primeiro assassinato de Jeffrey Dahmer

Dahmer cometeu seu primeiro assassinato em 1978, três semanas após sua formatura do colegial. Naquele momento ele já estava morando sozinho. No dia 18 de junho ele conheceu o jovem Steven Hicks pedindo carona na estrada. Dahmer convidou o garoto a ir até sua casa para beber álcool e se distrair um pouco. Os dois ficaram bebendo e ouvindo música por algumas horas. Então Hicks se levantou e disse que estava indo embora, mas Dahmer não queria que ele partisse.

Quando Hicks deu as costas para ele, Dahmer o acertou duas vezes com um haltere de 5 kg. O garoto caiu inconsciente, e Dahmer o estrangulou até a morte com a barra do haltere. Então retirou as roupas de Hicks e se masturbou em cima do corpo dele. No dia seguinte, ele levou o seu corpo até o porão e o dissecou, enterrando o seus restos no quintal de trás.

Semanas mais tarde, ele exumou o corpo e retirou a carne dos ossos com uma faca. Dahmer depois dissolveu a carne em ácido e se livrou de tudo pela privada. Ele então pegou uma marreta e destruiu os ossos de Hicks.

A vítimas de Jeffrey Dahmer

Em 20 de novembro 1987, Dahmer se encontrou com Steven Tuomi, um rapaz de 25 anos, em um bar e o persuadiu a retornar com ele para o Hotel Ambassador. De acordo com Dahmer, ele não tinha intenção de matá-lo, mas simplesmente drogá-lo e estuprá-lo. Na manhã seguinte, ao acordar, Dahmer encontrou Tuomi abaixo dele na cama, morto com o peito esmagado e o corpo cheio de contusões e afirmou não ter lembraça de tê-lo matado. Dahmer então comprou uma mala grande e a utilizou para transportar o corpo de Tuomi de volta para a casa da avó. Uma semana depois, ele desmembrou o corpo e jogou os restos mortais dele no lixo. Nas próximas duas semanas, Dahmer manteve a cabeça de Tuomi embrulhada em um cobertor. Posteriormente, ele ferveu a cabeça da vítima em soilex (um detergente industrial alcalino) e alvejante para tentar preservar o crânio, que ele usou como um estimulo para se masturbar.

Veja também: Dossiê | O Caso Richthofen – A Menina que Matou o Pais

Após o assassinato de Tuomi, Dahmer começou a ativamente procurar novas vítimas, especialmente dentro ou próximo a bares gays, levando-as para a casa da avó. Chegando lá, ele drogava suas vítimas antes ou pouco depois de iniciar um ato sexual com eles. Depois de deixar a vítima inconsciente com pílulas para dormir, ele as matava por estrangulamento. Dois meses após a morte de Tuomi, Dahmer matou o prostituto James Doxtator, um índio americano de 14 anos, para quem ofereceu 50 doláres e afirmou que apenas tiraria fotos deles. Após o sexo, Dahmer drogou e estrangulou o menino, deixando seu corpo no porão por quase uma semana até desmembra-lo e jogar os restos no lixo. Novamente ficou com o crânio por um tempo antes de vaporiza-lo.

Em 24 de março de 1988, Dahmer conheceu Richard Guerrero, um homem bissexual de 22 anos, para quem também ofereceu 50 dólares para a companhia pela noite; então drogou Guerrero e o estrangulou com uma tira de couro. Dahmer então fez sexo oral no corpo dele e, 24 horas depois, o desmembrou, mantendo seu modus operandi de remover a carne dos ossos, jogar os restos no lixo e reter o crânio por um tempo antes de pulveriza-lo. Um mês mais tarde, em 23 de abril, Dahmer levou outro homem para sua casa e novamente o drogou no porão. Porém tanto ele quanto a vítima ouviram sua avó gritando “É você, Jeff?”. Dahmer decidiu esperar a vítima ficar inconsciente e depois o levou para um hospital, poupando-o.

Sua quinta vítima foi Anthony Sears, seguido por Raymond Smith, usando seu mesmo modus operandi. Em 27 de maio de 1990, ele levou outra vítima para seu apartamento, mas acidentalmente tomou a bebida com drogas e acabou inconsciente. Quando acordou, a vítima havia sumido, tendo antes roubado roupas, 300 dólares e um relógio.

Em junho de 1990, Dahmer atraiu Edward Smith, vitíma da qual teve um problema após sua morte na conservação do crânio e não ficou nada feliz em perdê-lo. Três meses mais tarde, ele atraiu para seu apartamento Ernest Miller, durante todo o processo sexual e de descarte do corpo, Dahmer beijava e conversava com o crânio da vítima. Sua oitava vítima se deu três semanas depois, David Thomas. Após esta vítima, Dahmer ficou quase cinco meses sem matar embora algumas vezes tenha tentado atrair homens para seu apartamento.

Veja também: Dossiê | Conheça Natascha Kampusch, mulher sequestrada que inspirou o filme Estocolmo Pensilvânia

Em fevereiro de 1991, Dahmer assassinou Curtis Straughter, de apenas 17 anos. Em abril, Dahmer encontrou com Errol Lindsey, sua décima vítima, um garoto de 19 anos. Sua vítimas foram ficando mais novas, em 26 de março de 1991, conheceu o adolescente laosiano Konerak Sinthasomphone, de 14 anos. Por coincidência, Sinthasomphone era o irmão mais novo do jovem que Dahmer havia molestado três anos atrás. Após tirar duas fotos dele em seu apartamento, Dahmer ofereceu uma bebida drogada para ele, que o deixou inconsciente. Dahmer então fez sexo oral nele. Em seguida, perfurou a cabeça de Sinthasomphone e injetou ácido clorídrico no seu lobo frontal. No dia seguinte, quando retornou para casa, encontrou Sinthasomphone acordado e falando com três mulheres. Dahmer tentou justificar dizendo que ele era seu amigo, mas as mulheres não ficaram convencidas e afirmaram que já haviam chamado a polícia. O dois policiais que atenderam o caso acreditaram nas alegações de Dahmer de que o garoto era maior de idade e seu amante. Com Sinthasomphone de volta no apartamento, Dahmer injetou novamente ácido clorídrico no seu cérebro, mas desta vez foi fatal.

Em 30 de junho Dahmer fez de Matt Turner sua próxima vitíma, em uma viagem para Chicago. Uma semana depois, ele conheceu Jeremiah Weinberger, que foi drogado, como os outros, mas desta vez Dahmer perfurou seu crânio e injetou água fervente no seu cérebro, que o colocou em coma. O jovem faleceu dois dias depois. Em 15 de julho, Dahmer conseguiu atrair Oliver Lacy para seu apartamento, onde os dois tentaram fazer sexo antes de Dahmer o drogar. Desta vez, Jeffrey queria prolongar a vida de Oliver o tanto quanto fosse possível. Após uma tentativa fracassada de deixá-lo inconsciente com clorofórmio, Dahmer pediu novamente ao seu chefe por um dia de folga. Seu patrão aceitou mas no dia seguinte o suspendeu. Dahmer então decidiu matar Oliver via estrangulamento e fez sexo com o cadáver antes de desmembrá-lo. Quatro dias mais tarde, Dahmer foi informado que havia sido demitido do seu emprego. Após receber a notícia, ele foi para as ruas e atraiu sua 17ª e última vítima, Joseph Bradehoft.

A captura de Jeffrey Dahmer

Os acontecimentos que levariam a prisão de Dahmer começaram em setembro de 1988, quando a avó de Dahmer pediu para que ele se mudasse, afirmando não aguentar mais ver ele trazendo homens tarde da noite para a casa dela. Além disso, o cheiro que emanava do porão estava ficando fortíssimo. Em 26 de setembro, um dia após completar sua mudança, Dahmer foi preso por drogar e molestar um garoto de 13 anos, que ele havia levado para o seu apartamento para tirar fotos dele nu.

Dossiê | Jeffrey Dahmer, o canibal de milwaukee 2
Jeffrey Dahmer / Imagem: Reprodução

Em janeiro de 1989, ele foi condenado por agressão sexual em segundo-grau e incitar uma criança para fins imorais. A sentença por agressão foi suspensa em maio. Durante um período de duas semanas, Dahmer se mudou novamente para a casa da avó.

Em 23 de maio de 1989, Dahmer foi sentenciado a cinco anos em liberdade condicional, permitindo que, por um ano, ele continuasse trabalhando e voltando para a prisão a noite. Também foi forçado a se registrar como um criminoso sexual na polícia. Porém, depois de 10 meses ele foi dispensado de continuar a passar as noites na cadeia e começou sua liberdade condicional de cinco anos.

Foi em 22 de junho de 1991 que Dahmer atraiu Tracy Edwards para seu apartamento, onde Edwards notou o cheiro horrível que impregnava o lugar e também viu várias caixas de ácido clorídrico no chão, com Dahmer justificando que estava “limpando tijolos”. Dahmer aproveitou um momento de distração de Edwards para colocar uma algema no seu pulso, tentando sem sucesso algemar ambos os pulsos, sob os protestos do rapaz. Dahmer encaminhou Edwards para o quarto para tirar as fotos nu, seguindo seu modus operandi. Uma vez no quarto, Edwards reparou nas fotos polaroides de homens nus coladas nas paredes e um tambor azul de 215 litros, que era a origem do fedor no apartamento.

Quando Dahmer se tornou mais ameaçador, Edwards o persuadiu a soltá-lo sob pretextos de colaborar com as fotos. Em um momento de distração de Dahmer, ele conseguiu nocautear o assassino e fugir, ainda usando a algema em um dos pulsos. Ele conseguiu chamar dois policias que moravam ali perto, que dessa vez não caíram tão fácil na conversa de Dahmer, indo verificar a faca que a vítima alegou ter sido usada para ameaçá-lo, que estava no quarto do assassino. O policial percebeu não só a faca, mas as fotos dos homens e dos corpos desmembrados que Dahmer guardava em sua gaveta. Os policiais deteram Dahmer, posteriormente encontrando as partes dos corpos guardados em sua casa.

A busca da equipe resultou em quatro cabeças, sete crânios, dois corações e uma porção de um músculo de braço, tudo dentro de sacos plásticos. No freezer, um torso humano completo além de um saco cheio de órgãos e carne humanas. Espalhado pelo apartamento estavam dois esqueletos inteiros, dois pênis cortados e preservados, um escalpo mumificado e um tambor azul de 215 litros que continha três torsos desmembrados sendo dissolvidos em ácido.

O julgamento de Jeffrey Dahmer

Em 25 de julho de 1991, Dahmer foi oficialmente indiciado por quatro acusações de assassinato em primeiro grau. Em 22 de agosto, foram adicionadas mais onze acusações de homicídio cometidos em Wisconsin. Em 14 de setembro, investigadores de Ohio, tendo descoberto centenas de fragmentos de ossos na mata perto da casa de infância de Dahmer quando ele confessou seu primeiro crime, identificaram dois molares e uma vértebra que o raio-X ajudou a identificar como sendo de Steven Hicks. Três dias mais tarde, Dahmer foi formalmente acusado do assassinato de Hicks.

O julgamento de Jeffrey Dahmer começou oficialmente em 30 de janeiro de 1992, com enorme atenção midiática. Duas semanas antes, Dahmer havia se declarado culpado em todas as quinze acusações. Dahmer foi considerado legalmente são em seu julgamento. Condenado por 15 dos 16 assassinatos que cometeu e sentenciado a quinze penas de prisão perpétua em 15 de fevereiro de 1992. Posteriormente, em Ohio, Dahmer foi sentenciado a uma 16ª pena de prisão perpétua, dessa vez pelo homicídio de Steven Mark Hicks, ocorrido em 1978.

Adaptações sobre a vida de Jeffrey Dahmer

Dossiê | Jeffrey Dahmer, o canibal de milwaukee 3
Evan Peters como Jeffrey Dahmer em Monstro: A História de Jeffrey Dahmer/ Imagem: Netflix

Jeffrey Dahmer já foi citado em inúmeras obras, documentais ou ficção. Séries usam seu nome como base para os personagens, além de entrar em obras como American Horror Story, ao lado de outros serial killers, e ter diversos livros lançados sobre sua história.

Especificamente sobre sua vida existem vários documentários. The Jeffrey Dahmer Files, um documentário independente que mostra o assassino durante o verão de sua prisão; Raízes da Fúria: De um menino feliz e saudável para um serial killer explora a vida e criação de Dahmer; Jeffrey Dahmer: Killer Cannibal é uma minissérie de 2019 sobre sua vida; Dahmer por Dahmer: Na Mente de um Serial Killers, de 2019 também é uma minissérie documental e Conversando com um serial killer: O Canibal de Milwaukee– Documentário da Netflix com as entrevistas do serial Killer.

Há também os que documentam a vida de Dahmer, mas são ficções. Dahmer – O Canibal de Milwaukee– um filme de terror de 1993 que mostra a história do serial Killer; Raising Jeffrey Dahmer, um filme de drama americano de 2006 baseado no caso do assassino e Meu Amigo Dahmer, um filme que retrata a juventude do assassino em série.

Totalmente dramatizada é a nova série da Netflix, produzida por Ryan Murphy e protagonizada Evan Peters intitulada Monstro: A História de Jeffrey Dahmer.



Onde está Jeffrey Dahmer agora?

Em 28 de novembro de 1994, Dahmer foi espancado até a morte por Christopher Scarver, outro detento, com quem cumpria pena na Columbia Correctional Institution, uma prisão de segurança máxima no estado de Wisconsin.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui