Saturday, 16, October, 2021

Review | my blood is red

Longa acompanha o rapper Kunumi MC e debate a realidade dos indígenas no Brasil

É uma realidade cruel e por ser uma pauta mais que relevante nos dias atuais, o longa documentário “Meu Sangue é Vermelho” produzido a partir da parceria entre a produtora britânica Needs Must Film com o rapper Owerá, da tribo brasileira Guarani M’bya, é importante, pois mostra ao mundo a realidade de indígenas brasileiros que estão vivendo um genocídio desenfreado em terras brasileiras. O longa chegará no próximo dia 24, sexta-feira, no VIMEO. Além disso, o filme ganhou 17 prêmios em festivais de cinema em todo o mundo em 2020, inclusive como melhor filme.

A violência contra povos indígenas tem crescido muito nos últimos anos. Com a postura do atual governo, a situação que já era preocupante ficou mais grave. De acordo com uma matéria publicada pela Revista Fórum Online, a retórica do governo propaga o ódio e é um dos motivos por expor os povos indígenas às situações de violência e violações de seus direitos. No ano de 2019, foram registradas as mortes de sete lideranças indígenas no país, o maior número em 11 anos. Outro levantamento divulgado no site G1 em 2019, evidencia que o número de indígenas assassinados cresceu 20% em relação ao ano anterior e para piorar, a pandemia de Covid-19, com taxa de mortalidade 16 vezes maior para esses povos.

Owerá e Criolo desenvolvem uma linda relação durante o longa / Reprodução

O longa acompanha Owerá (conhecido artisticamente como Kunumi MC Wera) visitando comunidades indígenas dos estados de Mato do Grosso do Sul e Maranhão e logo podemos perceber que a produção se preocupa em dar vozes aos líderes indígenas para que eles expressem suas dores e seus questionamentos, as injustiças sociais que sofrem e dessa forma, mostrar uma faceta desconhecida do Brasil. Apesar dessa peregrinação do jovem índio, vemos também que a obra mescla toda essa situação com a jornada dele como músico, destacando sua história de vida e como ele através disso se inspira para fazer o rap em busca de conscientização e proteção para o seu povo.

Uma grande surpresa do longa é ver o músico Creole que assim como o jovem índio Owerá, canta a sua realidade. Percebemos que o encontro entre os dois é algo muito bonito, pois ambos falam de lutas enfrentadas, de dores e de desejos de uma melhora e além disso, vemos o aprofundamento a partir dos relatos de personalidades que estão por dentro da questão como o antropólogo, indigenista e franco-brasileiro Vincent Carelli, idealizador do projeto Vídeo nas Aldeias, a Sonia Guajajara it's the Inaldo Gamela que são líderes indígenas que aconselham, orientam e informam Owerá e a partir dessa construção de informação é possível entender um pouco mais dessa realidade cruel.

O longa nos mostra que a luta é por um espaço. A reivindicação deles é a demarcação de terras indígenas que é um direito garantido pela Constituição Federal de 1988, que estabelece aos indígenas o chamado “direito originário” sobre as suas terras ancestrais. Isso quer dizer que eles são considerados por lei os primeiros e naturais donos desse território, sendo obrigação da União demarcar todas as terras ocupadas originariamente por esses povos, segundo o site do G1.

Veja cenas documentário 'Meu Sangue é Vermelho' (2019) - 28/09/2020 - Guia  - Fotografia - Folha de S.Paulo
Momento em que os índios vão ao Congresso Nacional reivindicar seus direitos/ Reprodução

Uma cena emblemática é o ato durante o acampamento Terra Livre no Congresso Nacional (DF), com cerca de 200 caixões simbolizando as mortes indígenas. É bom salientar que essa manifestação foi duramente repreendida pela polícia e com isso, podemos ter certeza de que a política democrática é esquecida em muitos casos. O longa é sobre o massacre dos povos indígenas e o jovem índio se posiciona com sua música, com seu grito de guerra, com sua postura e atitude de defesa em prol de seu povo injustiçado antes e agora.

Porém, essa questão parece estar longe de ser resolvida. O documentário “Meu Sangue É Vermelho” mostra os diversos problemas pelos quais os povos indígenas sempre sofreram e que vem piorando na atual gestão brasileira. A violência e desmedida e brutal, essas pessoas são o alvo da desapropriação de terras e as consequências disso é que muitos deles acabam indo viver nas beiras das estradas ou ficam se mudando de um canto para outro e nisso perdem suas identidades e sucumbem à depressão, a tristeza de ver que não pode permanecer conectado com a natureza, com seus ancestrais, com suas raízes.

Thunder Wave note
É uma produção sensível, tocante e muito necessário para os dias atuais. Não tem como não se comover com uma realidade tão cruel.

Related articles

Comments

LEAVE AN ANSWER

Please enter your comment!
Please enter your name here

Instagram

booming

Most viewed of the week

Follow Our Networks

It has exclusive content over there
6,914Fansenjoy
2,960Followersfollow
4,239Followersfollow

Recent

fresh content

Thunder Fic's

all about script
en_USEN
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave