domingo, 29, novembro, 2020
Início Eventos Cobertura Eventos Grammy 2017: saiba tudo o que rolou

Grammy 2017: saiba tudo o que rolou

Foi um evento marcado por cores, diversidade de sons e estilos musicais, encontros inusitados, danças, homenagens e é claro, as premiações simbolizadas pelos tradicionais gramofones de ouro. A 59ª edição do Grammy Awards foi marcada também por protestos contra o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e pela presença da “Zebra” que optou por artistas independentes do que os favoritos. Aqui no Thunder você fica sabendo de tudo o que rolou na noite de ontem.

Adele abriu a cerimônia cantando “Hello”, um dos hits mais tocados no ano passado. O ator e comediante James Corden foi o apresentador desse ano e com maestria, jogo de cintura e leveza, arrancou boas risadas da plateia. Vale ressaltar alguns destaques para a noite como as performances de Bruno Mars, incluindo a homenagem ao cantor Prince, morto no ano passado, e Demi Lovato, que trajando um vestido/macacão todo repleto de paetê e um cabelo pra ninguém botar defeito – só inveja (risos) -, juntou-se a Tori Kelly, Andra Day e ao quarteto Little Big Town para homenagearem ao 40º aniversário do filme “Os Embalos de Sábado à Noite” e ao grupo Bee Gees, responsável pela produção musical do filme e por embalarem diversos sábados com suas canções.

Katy Perry que lançou na semana passada o seu mais novo single, “Chained to the Rhythm”, não deixou de fazer referência ao atual clima político que os Estados Unidos vem passando nos últimos meses. A cantora usou de sua popularidade para protestar pacífica e musicalmente ao lado de Skip Marley (neto de Bob Marley), com quem faz a parceria na canção. Para a performance, a loira, que apresentou a música pela primeira vez ao vivo, instalou no palco várias cercas em representação do muro que Trump deseja construir na fronteira dos EUA com o México. Também dobrou uma braçadeira onde lia-se “persistir”, em inglês, e ainda exibiu uma cópia da constituição do país em uma parte do palco.

Ainda no clima de protesto, o grupo de hip hop “A Tribe Called Quest” uniu-se aos cantores Anderson .Paak e Busta Rhymes e fizeram a apresentação mais política da cerimônia. Antes de começarem a cantar, os artistas dedicaram a performance a todos os manifestantes. “Gostaríamos de dizer a todas as pessoas ao redor do mundo que estão rejeitando as pessoas que estão no poder para representá-las, nós representamos você”, disse Q-Tip, um dos integrantes do grupo. Atores atravessaram um muro cenográfico quebrando blocos – em alusão ao que Trump espera construir na fronteira entre os EUA e o México – antes que pessoas de várias nacionalidades subissem ao palco e formassem uma linha. “Todos os meus negros, vocês devem ir. Todos vocês mexicanos devem ir”, cantou o grupo em tom de protesto.

Nem só de acertos se faz uma premiação. Lady Gaga uniu-se ao Metallica e juntos, performaram “Moth Into Flame”. Em meio a sons de guitarras “berrantes” e labaredas espalhadas no palco, o microfone de James Hetfield, vocalista da banda, falhou metade da música. Gaga, que brilhou semana passada durante o half time show do Super Bowl, salvou a performance dividindo o seu microfone com o cantor. Mesmo com maestria em perceber a falha mecânica, a apresentação não agradou. Lady Gaga parecia forçar uma “veia musical rock n’ roll”, mesmo tendo elementos do ritmo em seus shows e recentemente, no videoclipe da canção “Perfect Illusion”, presente em seu mais novo álbum, “Joanne”. Adele, a grande premiada da noite, se apresentou com o auxílio de uma orquestra, a canção “Fast Love” em tributo a George Michael, que também morreu no ano passado. A cantora britânica desafinou, errou a letra, xingou, se desculpou com o público e perguntou se poderia recomeçar. “sinto muito por começar de novo. Podemos começar de novo? Desculpe, não posso f… tudo por ele”, disse. E ovacionada, recomeçou. E visivelmente emocionada, ao término da canção, deixou o palco secando as lágrimas.

A performance de Chance the Rapper foi marcada por um clima gospel. Iniciando com a canção “How Great is our God”, composta pelo cantor cristão americano Chris Tomlin e que ficou imortalizada na voz de Darlene Zschech e sua antiga banda gospel australiana Hillsong, seguiu versos enaltecendo a Deus e Sua grandeza. O pastor e cantor Kirk Franklin subiu ao palco principal acompanhado do Coral Gospel e Tamela Mann, outra cantora gospel americana que deram continuidade à performance. Chance the Rapper arrancou aplausos e urros de vivas da plateia.

Por fim, porém não menos importante, Beyoncé surpreendeu a todos com sua performance “dourada” e conceitual. A vencedora de dois Grammys da noite usou todo o palco coberto por um telão de alta definição e antes de sua apresentação, sua mãe  Tina Lawson dedicou alguns momentos de enaltecimento a Beyoncé e a Solange, sua outra filha que também é atriz e cantora e vencedora do Grammy de “melhor performance R&B” pela canção “Cranes in the Sky”. “Tenho muito orgulho das conquistas da minhas filhas e do desejo que elas têm de fazer a diferença. Estou aqui para apresentar a Beyoncé. Esse álbum dela é maravilhoso, foram 9 indicações por seu álbum ‘Lemonade’. Por causa disso e muito mais, senhoras e senhores, com meu orgulho de mãe, apresento minha filha, Beyoncé”, disse Tina, sem falsa modéstia, sob o aplauso do público.

Foi a primeira vez que Beyoncé (foi vista) se apresentou ao vivo após o anúncio da gravidez de gêmeos. A cantora foi a presença mais aguardada da noite. Cheia de regalias e cuidados especiais por conta da gravidez, Beyoncé apareceu exibindo a barriga de quatro meses no telão que precedeu sua performance e quando começou, de fato, a cantar. Sem desafinar ou semitonar, a diva soube mostrar que mesmo grávida, é possível cantar corretamente. Beyoncé ousou e fez uso de pequenos elevadores, flores espalhadas por todo o palco – e continuou até o fim da cerimônia – e pasmem: uma cadeira que a fez permanecer na posição horizontal por alguns segundos. Usando uma sandália de salto alto, a cantora obteve o maior tempo se compararmos ao tempo de outros artistas, cerca de dez minutos e após cantar “Love Drought” e “Sandcastles”, arrancou aplausos do público e soprou beijinhos à #beyhive. Em seguida, pouco tempo depois de se apresentar, Beyoncé levou o seu segundo Grammy para casa, um total de 22.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Siga nossas redes sociais

6,971FãsCurtir
3,084SeguidoresSeguir
4,355SeguidoresSeguir

Gameplay de Cyberpunk 2077 para Xbox Series X/S é revelado

0
A CD PROJEKT RED lançou hoje o vídeo de gameplay rodando Cyberpunk 2077 no Xbox One X e no Xbox Series X.

The Walking Dead | Cena de momento íntimo causa nojo nos...

0
Cena de momento íntimo entre Negan e Alpha causou reações negativas nos fãs de The Walking Dead. Veja.
pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave