domingo, 24, outubro, 2021

Crítica: Gravidade

Há quanto tempo não vemos um filme que deixam a sensação de ter tudo, é instigantes cheios de adrenalina, prende o espectador do inicio ao fim, protagonizado pela Sandra Bullock e com uma interessante análise sobre o comportamento humano?

Alfonso Cuarón nos gratificou um filme completo dessa maneira, Gravidade (Gravity). Com uma trama muito original, a produção é de perder o fôlego com momentos de tensão vividos pela protagonista, porém, mesmo sendo ambientado no espaço e dando a impressão de que não teria nada mais a ser trabalhando além da sobrevivência, o roteiro consegue investir também na fragilidade e autocontrole do ser humano.

Na trama, a doutora Ryan Stone (Sandra Bullock) está em sua primeira missão espacial, juntamente com Matt Kowalski (George Clooney), que já é um astronauta bem experiente. A missão dos dois é consertar o telescópio Hubble. Ambos são surpreendidos por uma chuva de destroços decorrente da destruição de um satélite por um míssil russo, que faz com que percam todas as comunicações com a NASA e sejam jogados no espaço sideral. Agora, estão presos no meio do espaço sideral completamente sem recursos.

Gravidade
Sandra Bullock e George Clooney em Gravidade | Imagem: Warner Bros

Desespero é a palavra chave nessa obra. Não tem como assistir às situações angustiantes apresentadas sem sentir um certo sufoco, principalmente se a experiência for em IMAX e 3D. Com a ajuda dos ótimos efeitos visuais, a produção de qualidade surte o efeito desejado e enquanto apresenta cenas sufocantes, consegue captar a atenção do publico a ponto dos 90 minutos de duração parecerem apenas 15.

Investir em um elenco bem restrito, apenas dois atores aparecem em cena e algumas vozes, foi uma ideia genial para manter esse clima. Além de fornecer a maneira perfeita de lidar com questões pessoais da protagonista, já que tudo que ela possui nesse momento é o autocontrole e enquanto tenta manter um equilíbrio psicológico, dá espaço para uma interessante autoanálise que é o grande diferencial do longa.

Gravidade
Sandra Bullock e George Clooney em Gravidade | Imagem: Warner Bros

Claro que há momentos em que a veracidade da cena é questionável, porém o foco de Gravidade não é ser fisicamente fiel, afinal, ainda é uma ficção cientifica e isso permite alguns erros de execução quando se trata de pessoas presas no espaço. O verdadeiro foco é proporcionar uma ação diferente, com uma ótima análise para enriquecer o roteiro.

É seguro dizer que Sandra Bullock carrega o filme nas costas, sua ótima interpretação e os efeitos visuais são praticamente os únicos elementos em cena. Mas isso não a impede de surpreender com sua atuação, que consegue guiar o público pelos sentimentos necessários com grande facilidade. Momentos presos no espaço conseguem mostrar a gravidade da situação, porém é através das lágrimas e determinação da personagem que podemos de fato sentir o que tudo isso poderia causar nos envolvidos.

Cuarón consegue entregar uma bela obra, transmitindo a fragilidade humana usando apenas a grandiosidade do espaço.

Veja a ficha técnica e elenco completo de Gravidade

Nota do Thunder Wave
Uma produção de qualidade, com um visual incrível, muita ação e um fundo reflexivo, Gravidade é um filme completo e impressionante.

Artigos Relacionados

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Instagram

Bombando

Mais vistos da semana

Siga Nossas Redes

Tem conteúdo exclusivo por lá
6,914FãsCurtir
2,958SeguidoresSeguir
4,238SeguidoresSeguir

Recentes

Conteúdo fresquinho

Thunder Fic's

Tudo sobre roteiro
pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave