terça-feira, 22, setembro, 2020
Início Filmes Críticas Crítica: Inferno

Crítica: Inferno

Robert Langdon é um personagem que ficou bastante conhecido por causa de O Código DaVinci. A partir daí, todas as obras de Dan Brown que usavam Langdon como protagonista começaram a ser adaptada para o cinema, já que o padrão de investigação histórica agradava o público.

Inferno foi o quarto livro publicado com uma aventura de Langdon e agora chega aos cinemas. Trazendo uma temática um pouco diferente do que estamos acostumados a ver, a trama traz um vilão preocupado com a superpopulação e seu efeito na humanidade que decide liberar um vírus para garantir que o mundo não seja prejudicado pelo excesso de pessoas na Terra.

Robert Langdon (Tom Hanks) acorda em um hospital em Florença após ter sido baleado e não se recordar do que aconteceu nos últimos dias, tendo apenas visões enigmáticas. Ao ser atacado no hospital, o professor foge com a ajuda de sua médica Sienna (Felicity Jones) e descobre estar envolvido em uma investigação perigosa onde precisa desvendar as pistas baseadas em O Inferno de Dante para evitar a liberação do desconhecido vírus.

A falta de uma teoria conspiratória envolvendo uma grande instituição já diferencia Inferno das obras antecessoras, mas o roteiro intensifica isso ao resolver tirar quase todas as buscas por pistas que Langdon passa no livro enquanto tenta impedir a liberação do vírus e focar o longa na ação, deixando com cara de filmes de espionagem. Para piorar, o desfecho, parte mais impressionante da obra original, foi mudado e tira o que havia de tão diferente no livro, tornando a produção ainda mais comum. É evidente a mudança no ritmo de Inferno em relação às outras aventuras de Langdon, cenas rápidas, corridas e pouco tempo de análise aos artefatos deixa clara a tentativa de deixar a adaptação mais no estilo dos blockbusters famosos.

Crítica: Inferno 1
Tom Hanks e Felicity Jones em Inferno

E é exatamente essa corrida no roteiro que danifica o entendimento da obra. O foco na ação acabou deixando inúmeros buracos na trama e reduziu muito a explicação acerca dos personagens e órgãos, o que num longa com essa temática investigativa é extremamente necessário. Os personagens, tão bem desenvolvidos por Dan Brown em sua escrita, são deixados às moscas e os que não tem sua origem modificada, apenas aparecem sem nenhuma explicação prévia de seu posto.

Esses problemas acabam deixando Inferno uma produção sem sentido, dando a impressão de que o longa foi feito apenas para cumprir a obrigação de trazer Robert Langdon novamente ao cinema- mesmo que seja descaracterizando completamente o personagem.

Em suma, Inferno se mostra um filme desnecessário, que apenas serviu para provar que Robert Langdon ainda funciona nos livros, porém não tem mais espaços nas telas.

Inferno estreia dia 13 de outubro nos cinemas.

Veja a resenha do livro  Veja o comparativo de Inferno

 

Nota do Thunder Wave
Inferno se torna um longa dispensável ao focar na ação e perder a essência do protagonista.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Siga nossas redes sociais

7,010FãsCurtir
3,084SeguidoresSeguir
4,362SeguidoresSeguir

Resenha | Com amor, Simon

0
Com amor, Simon é uma história de amor adolescente que aquece qualquer coração e nos faz torcer para que eles fiquem juntos e que consigam superar todos os conflitos, dificuldades e julgamentos que essa nova realidade lhes reserva... todo amor é válido.

The Walking Dead | Cena de momento íntimo causa nojo nos...

0
Cena de momento íntimo entre Negan e Alpha causou reações negativas nos fãs de The Walking Dead. Veja.
pt_BRPT_BR
en_USEN pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave