segunda-feira, 18, outubro, 2021

Crítica: Jogo Perigoso

O perigo que mora dentro de nós

Uma inocente brincadeira sexual acaba virando tragédia na nova adaptação da obra de Stephen King, produzida pela Netflix.

Quando Jessie (Carla Gugino) e seu marido Gerald (Bruce Greenwood) resolvem ir para a isolada casa de campo do casal tentar apimentar a relação- algemando Jessie na cama-, o impensável acontece e Gerald sofre um ataque cardíaco. Sozinha e presa, Jessie precisa pensar em uma maneira de escapar antes de morrer de fome e sede, sua condição não é nada favorável, além de limitada pelas algemas, está em um local totalmente deserto, mas que ainda apresenta ameaças.

Crítica: Jogo Perigoso 1
Jogo Perigoso | Imagem: Netflix

Baseado na obra homônima de Stephen King, o filme mantêm as questões apresentadas no livro. A trama vai muito além do perigo da situação, na realidade as algemas servem como metáforas para a prisão em que Jessie vive.

A protagonista sofre com constantes opressões, desde sua infância, principalmente em um momento complicado que viveu com o pai (Henry Thomas). São esses traumas que realmente movem a trama, funcionando como auto-análise para assuntos bem relevantes. O longa intercala a explicação desses momentos com cenas visualmente mais pesadas, que representam o presente.

Com tantas metáforas e analises intimas, era de se imaginar que Jogo Perigoso seria uma adaptação complicada, entretanto o roteiro de Mike Flanagan e Jeff Howard consegue passar a mesma mensagem profunda da obra original. Para isso, transforma as vozes na cabeça de Jessie em ilusões visuais, representadas pela própria personagem e seu falecido marido.

Crítica: Jogo Perigoso 2
Jogo Perigoso | Imagem: Netflix

Sem a incrível atuação do elenco, não seria possível passar tão bem essa mensagem. Sem exceção, o time inteiro entrega uma atuação impecável, entretanto o grande destaque é Carla Gugino, que não só leva boa parte da produção nas costas, como atua em dois papéis contrastante, ambos muito convincentes. Flanagan faz também um excelente trabalho com a direção, entregando cortes de cenas estratégicos que, em conjunto com as atuações, entregam momentos de muita qualidade.

Jogo Perigoso não é um filme de horror, é um terror psicológico sobre o comportamento humano e os pequenos abusos que as mulheres constantemente sofrem. No melhor estilo polêmico de Stephen King, a obra expõe opressões que não são consideradas graves -porém são muito comuns-, e explora o efeito delas no psicológico da pessoa.

Veja a ficha técnica e elenco completo de Jogo Perigoso

Nota do Thunder Wave
Com ótimas atuações e muita qualidade na produção, o filme consegue passar a mesma mensagem da obra original e analisando profundamente os traumas da protagonista.

Artigos Relacionados

Comentários

  1. Não sou muito fã das historias de terror, mas este filme é realmente extraordinário. A atmosfera do filme é estressante e te mantém no suspense até o final, realmente gostei. Stephen King é um gênio de terror, tem um talento incomparável, é o melhor escritor. Minha história favorita dele é It: A coisa, acho que Pennywise é um icone, recém vi o novo filme, dirigido por Andy Muschietti e adorei, é sensacional. Acho que é uma boa adaptação, o novo Pennywise é muito mais escuro e mais assustador, Bill Skarsgård é o indicado para interpretar o palhaço. Os filmes de terror são meus preferidos, evolucionaram com melhores efeitos visuais e tratam de se superar a eles mesmos. Eu gosto da atmosfera de suspense que geram. It o filme tem protagonistas sólidos e um roteiro diferente. O clube dos perdedores é muito divertido e acho que os atores são muito talentosos. Já quero ver a segunda parte.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Instagram

Bombando

Mais vistos da semana

Siga Nossas Redes

Tem conteúdo exclusivo por lá
6,914FãsCurtir
2,959SeguidoresSeguir
4,239SeguidoresSeguir

Recentes

Conteúdo fresquinho

Thunder Fic's

Tudo sobre roteiro
pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave