domingo, 24, outubro, 2021

Crítica: Peter Pan (2015)

O personagem Peter Pan foi criado pelo escritor britânico J. M. Barrie em 1912 e teve sua história contada várias vezes em peças, animações, filmes, livros e em diversas outras mídias.

E em 2015 temos a nova adaptação do clássico quando somos levados ao período da Segunda Guerra Mundial e vemos que Peter (ainda sem o “Pan”), estrelado pelo jovem ator Levi Miller, é um menino de 12 que vive em um orfanato e é atormentado pela freira Barnadas (Kathy Burke) por ser sempre um menino questionador e atrevido com as palavras. Um dia, ele e várias crianças são sequestradas por piratas em um navio voador que parte para a Terra do Nunca, um lugar mágico e distante onde o capitão Barba Negra (Hugh Jackman – nosso querido Wolverine) escraviza crianças e adultos em uma pedreira para que encontrem Pixie, uma pedra preciosa que contém o pó de fada. E é aí que o menino Peter conhece James Gancho (Garreth Hedlund – de Tron: o Legado), que até então não é um pirata famoso e muito menos capitão do navio Jolly Roger.

Pan
Peter Pan | Imagem: Divulgação

Nessa recontagem do clássico conto de J.M.Barrie, a interação entre o jovem Peter e Gancho é um ponto de destaque, pois é a através dela que a história é contada. James Gancho é uma pessoa que só pensa em si mesmo, mas conhece um menino puro, de coração bom que só quer ajudar o próximo, mesmo tendo sido abandonado por sua mãe (Amanda Seyfried) em um orfanato. Um ponto crucial para o filme é que, diferente das outras histórias de Peter Pan, aqui temos o fato dos pais de Peter terem uma importância na história. Peter não é uma criança comum, ele é um destinado, uma espécie de escolhido, ele é um PAN.

A obra conta com algumas músicas clássicas do rock cantadas por Barba Negra e seus lacaios como: Smell like a teen spirit (Nirvana) e também Blitzkriegbop (Ramones), que por incrível que pareçam funcionam muito bem no filme, além das duas boas músicas contemporâneas da cantora Lily Allen: Little Soldier e Something’s Not Right.

Peter Pan
Hugh Jackman em Peter Pan | Imagem: Divulgação

Sobre os efeitos especiais, eles alternam bons e maus momentos. Em planos abertos, onde o cenário é todo digital, funciona muito bem, dando profundidade e qualidade aos efeitos, porém em planos fechados com integração dos personagens eles se tornam falsos e incompletos. Por se tratar de um mundo mágico como a Terra do Nunca, o filme poderia abordar mais efeitos práticos e/ou efeitos de melhor qualidade.

A direção é de Joe Wright( Orgulho & Preconceito), que comanda a obra de forma segura, mas sem fazer altas investidas ao rico mundo mágico da Terra do Nunca. O filme não foi bem de bilheterias tendo arrecadado apenas 15 milhões de dólares no final de semana de estreia nos Estados Unidos e com um orçamento de mais de 150 milhões de dólares, o que mostra que dificilmente teremos o retorno do diretor para uma sequência (se tiver).

Veja a ficha técnica e elenco completo de Peter Pan

Quer comentar sobre as produções com pessoas que possuem o mesmo interesse? Entre no nosso grupo do facebook e comece a discussão!

Nota do Thunder Wave

Artigos Relacionados

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Instagram

Bombando

Mais vistos da semana

Siga Nossas Redes

Tem conteúdo exclusivo por lá
6,914FãsCurtir
2,958SeguidoresSeguir
4,238SeguidoresSeguir

Recentes

Conteúdo fresquinho

Thunder Fic's

Tudo sobre roteiro
pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave