quarta-feira, 27, outubro, 2021

Crítica: Planeta dos Macacos- A Guerra

Eis a Conclusão da Trilogia

Lançado em 1968, O Planeta dos Macacos se tornou um Cult e uma das ideias mais famosas da cultura pop: um astronauta cai em um planeta desconhecido, que é dominado por macacos mais fortes e inteligentes, que tratam humanos como animais. O longa teve quatro continuações e uma refilmagem feita por Tim Burton, em 2001, que não merece ser comentada. Dez anos depois, a Fox decidiu fazer um reboot da série com o ótimo Planeta dos Macacos: A Origem, que iria contar como os macacos dominavam o planeta, tendo como protagonista o chimpanzé César, interpretado por Andy Serkis por meio de motion capture. O filme foi um sucesso inesperado, tendo agradado tanto público quanto crítica e fizeram a continuação em 2014, Planeta dos Macacos: O Confronto que conseguia ser tão bom quanto o primeiro. Agora, o ciclo se fecha com esse novo filme, Planeta dos Macacos: A Guerra e o resultado continua acima da média.

O longa se passa logo após os acontecimentos do filme anterior, quando Koba (Toby Kebbell) decide atacar uma cidade com os humanos sobreviventes do vírus que quase acabou com a humanidade. Os humanos declaram guerra aos macacos e são liderados pelo frio e terrível Coronel (Woody Harrelson). César (Andy Serkis) ainda acredita na paz entre os dois povos, mas irá perceber que o Coronel não compartilha da mesma ideia.

Planeta dos Macacos: A Guerra
Planeta dos Macacos: A Guerra | Imagem: Fox Films

Matt Reeves retorna para a direção e assina o roteiro junto com Mark Bomback (Wolverine: Imortal). Reeves faz um excelente trabalho como diretor. É muito raro ter um blockbuster como esse que foque tanto no drama. Durante os 140 minutos de filme, só tem duas grandes sequencias de ação. O resto é construído através da tensão, com Reeves junto com a fotografia de Michael Seresin. Notem como é utilizado a luz e a sombra, sempre deixando metade dos rostos dos atores coberto pela sombra. Isso acontece quando os personagens estão em momentos de ações importantes que mostra os personagens estão divididos entre o amor e o ódio. Ainda na fotografia, que junto com a direção de arte de James Chinlund, – ambos guiados pela direção de Reeves – criam uma lógica visual que enfocam como o mundo está destruído. É só notar que a maioria dos cenários são tristes e sem vida, com exceção da aldeia dos macacos. Como o diretor utiliza planos abertos por boa parte do filme, isso aumenta a sensação de solidão do mundo. E sempre evitando o clichê da câmera tremida e com planos e movimentos de câmera muito calmos e que aumentam a tensão.

Um dos pontos mais fortes da direção de Reeves é na sua direção de atores. É uma direção clássica, que fica por muito tempo no olhar dos atores, deixando que essa característica seja fundamental para contar a história. O roteiro evita exposição gratuita deixando a expressão corporal do elenco como principal elemento da narrativa. Aliás, o lenço se mostra muito bem encaixado e todos mostram excelentes performances. Andy Serkis cria um César humano e expressivo que consegue se tornar cada vez mais crível – isso se deve a ótima performance do ator, além do efeito especial – utilizando todo o seu corpo. O resto do elenco que interpreta os macacos se mostra muito bem, com destaque a Steve Zahn que se torna o alívio cômico do filme, mesmo sendo deslocado em alguns momentos do filme. Dos humanos, a novata Amiah Miller se mostra uma grata surpresa tendo química com os macacos e se mostrando madura nos momentos que exigem dela, enquanto Woody Harrelson que tem poucos minutos em tela faz um trabalho muito forte. Por mais que o Coronel possa ser visto como um vilão cruel e frio, a atuação de Harrelson o deixa com mais camadas que o deixa mais humano.

Planeta dos Macacos: A Guerra
Planeta dos Macacos: A Guerra | Imagem: Fox Films

Outro fator que faz com que a tensão do filme seja ininterrupta é a excelente trilha de Michael Giacchino. É um dos seus trabalhos mais inspirados já realizou, por ser uma trilha que complementa o sentimento da cena, ao invés de dizer o que precisa sentir. Como é uma produção com poucos diálogos era importante que a trilha não fosse muito pesada e o trabalho de Giacchino se mostra pontual. Além de ter temas muito bem compostos e emocionantes.

Como tudo não é só elogios, Planeta dos Macacos: A Guerra tem um problema quanto a sua duração. Como disse, é uma obra de 140 minutos, que fica a sensação que poderiam ter sido cortados pelo menos 15 minutos. Além do filme se inchado, tendo excesso de núcleos dramáticos do segundo para o terceiro ato, que acabam a atrasando a história. Outro problema está na exposição ao uma grande referência que é feita duas vezes, sendo que na segunda parece de maneira berrada.

Dito isso, não tem como negar que esse é um dos grandes filmes do ano. Essa trilogia de Planetas dos Macacos fez muito bem e mostrou como se pode fazer um bom reboot. Três longas que recontaram uma história que se mostrou uma boa ideia, ao invés de simplesmente refazer o filme original.

Veja a ficha técnica e elenco completo de Planeta dos Macacos: A Guerra

Nota do Thunder Wave
Uma obra de qualidade, Planeta dos Macacos: A Guerra é um dos grandes filmes do ano.

Artigos Relacionados

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Instagram

Bombando

Mais vistos da semana

Siga Nossas Redes

Tem conteúdo exclusivo por lá
6,914FãsCurtir
2,958SeguidoresSeguir
4,238SeguidoresSeguir

Recentes

Conteúdo fresquinho

Thunder Fic's

Tudo sobre roteiro
pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave