sexta-feira, 24, setembro, 2021

Resenha | Livre – Cinquenta tons de liberdade pelos olhos de Christian Grey

O livro LivreCinquenta tons de liberdade pelos olhos de Christian Grey narra os acontecimentos do último livro da trilogia Cinquenta Tons de Cinza, porém pelos olhos de Christian Grey. A trilogia original fez tanto sucesso que vendeu mais de 7 milhões de exemplares e, por isso, esse spin-off, narrado do ponto de vista do protagonista. Nesse último livro, o casal se vê diante de alguns conflitos e muitas dúvidas sobre o casamento e o futuro deles juntos como uma família. Mas não são apenas os protagonistas que se questionam. Você, eu, nós leitores devemos nos perguntar se é esse tipo de trama que queremos consumir?

O personagem é ciumento, não é leal, é controlador, infantil, possessivo, às vezes irracional, explosivo… vemos uma série de características que em conjunto é quase como uma bomba relógio e os comentários que permeiam as redes sociais são “Como o Christian Grey é gostoso!” ou “Como eu gostaria de um Christian Grey na minha cama!”. O comportamento abusivo e tóxico desse e de tantos outros personagens masculinos mostram que há um sério problema e não é apenas com os homens. 

Por que tantas produções que derivam da pornografia continuam populares mesmo envolvendo abusos e crimes? 

Lá em 2015, a primeira adaptação da franquia original chegou aos cinemas e nessa época expressões como “cultura do estupro” ou até mesmo o famoso movimento Me Too ainda não eram tão falados assim pela imprensa no geral. Mas chegamos em 2016 e assuntos como relacionamentos abusivos, consentimento e a romantização desses problemas ganharam força e a temática começou a ter uma visibilidade correta na indústria audiovisual.

Pois bem, aqui vemos que o protagonista continua agindo de forma imprevisível e muito exagerada. Ele explode com facilidade, tem dificuldade em manter um diálogo civilizado sem surtar, se mostra infantil, controlador e possessivo. Se é assim que você pensa em construir um relacionamento com alguém, você precisa repensar os seus critérios. Mas o que mais nos mata de curiosidade é saber o motivo de venerar algo assim. Vamos refletir um pouco.

Vemos não apenas na franquia Cinquenta Tons de Cinza, mas em tantas outras que o protagonista tem o estereótipo de galã de cinema. É bonito, é rico, é poderoso, é o famoso “macho alfa” e nós mulheres somos ensinadas desde pequenas que esse é o tipo de casamento ideal, não apenas isso, o fato de que iremos encontrar a nossa realização pessoal num relacionamento e isso levando em conta a dupla jornada que fariamos se não estivessemos casadas com um “Christian Grey”.

Em Livre, por mais que se perceba uma voz um pouco mais ativa de Anastácia nesse livro, o estrago já foi feito, pois no início ela sempre acata o que ele quer e faz como ele quer. A trama romantiza o abusador personificando-o como um homem atraente, sedutor e que vale a pena qualquer risco para tê-lo e a construção da personagem é a mais clichê possível, a moça ingênua, virgem que o faz morrer de desejo e que consegue se casar com ele, achando ela que ele será um novo homem. A personagem foi desenvolvida, na trama anterior como uma moça inocente e se tornou uma mulher um pouco mais madura, mas ainda com resquícios de submissão diante do companheiro/abusador. 

Em livros como este só reforçam que a mulher não podem ter voz ou vontade e a mensagem que é transmitida é de que se o cara for rico e atraente, está tudo bem se ele te bater ou fazer coisas que você não quer, pois esse é o motivo… é permitido porque ele é bonito e milionário. E a cereja do bolo? Qual é? É uma trama escrita por uma MULHER!!!! A romantização da narrativa tende a justificar o injustificável e isso chega no leitor como uma representação do amor que um personagem sente pelo outro, mas na verdade é um comportamento abusivo que muitos escolhem não enxergar. 

A trama em si, busca muitos empecilhos mirabolantes para atrapalhar a relação do casal, como um rival que (re)surge, traumas da infância do protagonista, uma personagem mais relutante às imposições do futuro marido e a família do Christian e tudo mais. E no decorrer da leitura, vemos que a autora pesa a mão em alguns momentos, faltando com o equilíbrio e talvez, por isso, o livro seja tão longo o que o tornou cansativo. Por ser na visão dele, vemos o protagonista com mais profundidade e certos momentos o achamos chato, pois ele dramatiza muita coisa que nem é tanta coisa assim, volta no mesmo assunto e tal.

Além de Livre está um horror de tão longo, tem algumas falhas gramaticais e se tratando da editora que é uma grande empresa do ramo, deixou a desejar. A construção dos personagens é de forma trivial, não saindo dos clichês e dos absurdos. A trama da jovem moça que inicia a sua vida sexual com um homem ferido desde a adolescência chega ao fim, agora pelos olhos dele. Bizarro ler a mesma história duas vezes, mas é até interessante ver os medos mais profundos que cercam a cabeça e o coração do protagonista e ver que ,infelizmente, ele se apoia numa muleta que nem ele mesmo consegue carregar e o mais saudável seria buscar ajuda. A trama com todos esses traumas envolvidos, poderia ter sido escrita, pensada de forma a ajudar pessoas que passam por isso. Milhares de pessoas são abusadas quando crianças e a obra fez totalmente o contrário, romantizou os abusos e a violência.

O Nerd Social é uma iniciativa do Lugar Nenhum.

Resenha | Livre - Cinquenta tons de liberdade pelos olhos de Christian Grey 1
Atenas
Atenas é a deusa da sabedoria, da guerra, da beleza e da reflexão. Aqui no Thunder Wave, é conhecida como Taigra Brandão que defende com primazia qualquer produção cinematográfica digna de respeito

Artigos Relacionados

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Seja Social

Seja social também no Instagram

Siga no Instagram

pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave