Resenha: Tá Todo Mundo Mal: O Livro das Crises – JoutJout

0
6370

 

Sim é livro de YouTuber! E me surpreendeu bastante. Júlia Tolezano, vulgo JoutJout, decidiu que o tema de seu livro seria as suas crises, desde sua infância até nos dias atuais, mas não cronologicamente. Parece que ela pensava em algo e saia digitando, como ela faz em seus vídeos que quase sempre não tem roteiro. O que é bom, pois fica algo espontâneo e no momento da leitura imaginamos a voz e aquele jeito dela de falar.

Creio que para quem não acompanha o canal JoutJout Prazer algumas história não farão sentindo, já que são repetidas dos vídeos, mas sempre com algo a mais.

A leitura já começa bem no Prefácio de Caio e quem conhece os vídeos já sabe a história das inseguranças dela e como Caio conseguiu ajudar ela a superar.

O tema é um tanto complexo, há pessoas que vão achar que suas crises são de uma pessoa mimada, ainda mais na adolescência. Quem não tem crises existenciais na adolescência não é mesmo? Mas há outras que vão se identificar e olhar de outra maneira do tipo: “Eu já passei/passo por isso!” ou “Eu pensava/penso o mesmo”.

São histórias curtas e leves, e até mesmo parece um livro de autoajuda em alguns momentos, mas Julia tem uma queda pela psicologia e com isso ela traz suas experiências e apresenta a mesma temática de seus vídeos que é saber lidar com as criticas, não se importar com que a sociedade pensa sobre aparências e ninguém deve julgar nada.

As crises de autoestima são as mais presentes, mostram que qualquer pessoa independente do que seja ou o que tem está sujeita a julgamentos e preconceitos e mesmo assim elas fazem qualquer coisa para se enquadrar no que a sociedade pede. Até que ela se da conta que isso não rola e decide tomar um rumo na sua vida a sua maneira. Tudo isso contado sempre com bom humor o que torna alguns momentos mais leves e até mesmo cômicos. E lógico quebrando alguns tabus, coisa que não podia faltar.

É um livro muito tranquilo de leitura rápida e divertida. Li em questão de horas na fila de autógrafos. Ri muito, quase rolou uma lágrima no canto do olho e me sentir representada, pois quem sofre de crise acha que está sozinho no mundo, mas com uma leitura dessas terá uma nova perspectiva.

Só uma questão: não leia pensando que você irá se identificar com tudo que é retratado, pois não é um livro de autoajuda, parece, mas não é. Só é uma preocupação da autora pra quem viveu ou vive situações parecidas não se sentirem sozinhas. É como ela sempre fala nos vídeos “Vamos nos abraçar/amar virtualmente” Nesse livro dá pra se sentir abraçada literariamente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui