segunda-feira, 6, dezembro, 2021

Crítica | Siron. Tempo Sobre Tela

“Eu lembro muito mais das coisas que pintei do que das coisas que vivi” – Siron Franco

É muito comum encontrarmos admiração para manifestações artísticas que vem de fora do país e não saber nem quem são os artistas nacionais que temos e que deveríamos valorizar. O documentário Siron. Tempo sobre Tela nos mostra mais sobre um desses artistas, o goiano Siron Franco de 73 anos, que conta com títulos como Melhor Pintor Nacional na 12.ª Bienal Nacional de São Paulo de 1974 e o prêmio internacional da 13.ª Bienal Internacional de São Paulo. Suas obras estão em importantes museus do Brasil e do mundo.

“E a gente tava de férias porque era julho e era dia 25 e eu tava num beco, pensei seriamente e falei o seguinte: “Tô a fim de vender minha alma, pro diabo ou pra Deus. Agora eu só quero o seguinte, eu quero ser do bem e eu quero dedicar minha vida a arte.” – Siron Franco

É dessa maneira que Siron marca a sua entrada para o mundo das artes, começou a ganhar a vida fazendo e vendendo retratos até que decidiu se concentrar em fazer desenhos, e é a partir desses desenhos que o documentário toma forma, não falando da trajetória desse artista, mas envolvendo sobre o processo criativo, o pensamento por trás, ou melhor, o não pensamento. É maravilhoso ver como o processo de Siron não se trata de simplesmente criar algo, mas da sua construção – e principalmente – da desconstrução das obras, Siron comenta que a tinta não está nas telas, mas sim no chão, essa ação de pintar e desfazer para pintar novamente faz com que ele chegue a um estado de exaustão e é nesses momentos em que suas obras realmente nascem, como que através de um transe, no qual no outro dia, ele olha para o quadro e chega a não se lembrar de como chegou naquele resultado.

Siron não se resume apenas a pintor, trabalhando com esculturas, instalação, ilustrações de livros e monumentos. É também o responsável pelo Monumento das Nações Indígenas, inaugurado em 1992 em Aparecida de Goiânia e que infelizmente foi danificado. Das colunas que foram construídas, 499 foram destruídas sob a alegação que estavam ocorrendo rituais satânicos naquele local, mas na verdade, eram apenas os indígenas fazendo os seus ritos. Do monumento sobrou apenas a lembrança, as fotos e a intolerância, tanto religiosa e quanto racial que aquele local sofreu.

Podemos ver o quanto a sociedade é importante para Siron e como ela influencia nas suas obras, em 1987 ocorreu o acidente com Césio-137 em Goiânia, o maior incidente radioativo no Brasil e no mundo fora de usinas nucleares e esse evento repercutiu na criação da série Césio.

Crítica | Siron. Tempo Sobre Tela 1
Siron. Tempo sobre Tela | Pandora Filmes & Pacto Filmes

Podemos também perceber como no mundo da arte nem sempre o artista é tão valorizado quanto suas obras. Siron chega a comentar que: “Eu faço algo que não tenho dinheiro pra comprar, isso é muito engraçado”, trazendo uma reflexão de como essa indústria funciona. Siron nos mostra a face do artista que poucos podem ter contato e como esse mundo é fascinante, cheio de cores e nuances, e principalmente como o tempo é influência de tudo.

Os diretores André Guerreiro Lopes e Rodrigo Campos acertaram em cheio no caminho que tomaram com esse documentário, saindo do óbvio e aprofundando o relacionamento que Siron mantém com suas obras, saindo do óbvio de apenas retratar a vida do artista e mostrando os seus processos, principalmente os interiores. Os takes em que as cenas de pintura estão acontecendo de trás para frente fazem ainda mais sentido quando descobrimos a relação que Siron mantém com o tempo e com o re-fazer de suas obras, a voz do próprio Siron contando sua história como um narrador fora da obra, apenas reforça todo o cuidado e atenção os diretores colocaram nessa obra.

Siron. Tempo sobre Tela, é muito mais que um documentário, é um mergulho na cabeça do artista e um convite para tentar compreender o seu mundo interior e a relação que temos, principalmente com o tempo.

O documentário estréia dia 25 de março nos cinemas!

“O tempo tá tão cheio de imagem que a única coisa que as pessoas não conseguem fazer mais é contemplar. Você, diante da natureza, não precisa ser diante de um quadro, senta e tenta olhar sua mulher por uma hora. Faz essa experiência, é magico. Ela vai mudando. Eu, quando pintava retrato era incrível porque vai mudando, a pessoa vai mudando, vai mudando, e você vai vendo.” – Siron Franco

Crítica | Siron. Tempo Sobre Tela 2

Nota do Thunder Wave
Siron. Tempo sobre Tela mostra profundamente a relação entre artista, obra, tempo e sociedade, fugindo dos clichês, esse documentário nos faz refletir e imergir na cabeça do artista brasileiro Siron Franco.

Artigos Relacionados

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Instagram

Bombando

Mais vistos da semana

Siga Nossas Redes

Tem conteúdo exclusivo por lá
6,914FãsCurtir
2,962SeguidoresSeguir
4,234SeguidoresSeguir

Recentes

Conteúdo fresquinho

Thunder Fic's

Tudo sobre roteiro
pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave