domingo, 24, outubro, 2021

Critica: Star Wars – O Despertar da Força

“Enquanto houver luz, ainda temos chance”. A frase dita pelo exímio piloto Poe Dameron (Oscar Isaac, de Inside Llewyn Davis: Balada de um Homem Comum), durante um dos momentos cruciais de Star Wars: O Despertar da Força (Star Wars: The Force Awakens, EUA, 2015), define muito bem o período de expectativa que durou entre o anúncio da realização de uma nova trilogia para a saga espacial, criada por George Lucas, e a estreia do primeiro episódio, que chega aos cinemas nesta quinta-feira (17). O que era visto com desconfiança e até como algo desnecessário, aos poucos, foi cativando os fãs de longa data e, antes mesmo da chegada do Episódio VII aos cinemas, novos admiradores de Luke Skywalker e companhia já circulavam por aí, com seus sabres de luz em mãos e máscaras do Darth Vader. O que, no começo, parecia improvável, ao fim da sessão, torna-se crível: a Força ainda se faz presente em Star Wars.

Visto como a nova (e única) esperança para provar a relevância de uma nova trilogia cinematográfica para a série e mostrar que a Disney, nova detentora dos direitos sobre a marca, não está preocupada (apenas) com dinheiro, J.J. Abrams assumiu a ousada tarefa. Tendo recém-lançado Além da Escuridão, o segundo filme do reboot de Star Trek nas telonas, a mudança de franquia gerou uma certa estranheza – levando-se em conta a “rivalidade” entre os fãs das aventuras –, mas também alívio: afinal, os dois longas que traziam Kirk e Spock de volta à Enterprise conquistaram público e crítica e deixaram evidente o talento Abrams como cineasta. Star Wars: O Despertar da Força, por sua vez, consagra de vez a capacidade que J.J. tem como narrador e faz dele, neste final de 2015, o nome mais celebrado entre os realizadores de Hollywood.

Resenha Star Wars O Despertar da Força
BB8 em Star Wars: O Despertar da Força | Imagem: Lucasfilm

Completamente desvinculado do universo expandido da saga espacial – composto por um sem número de livros, HQs, games, animações e por aí vai –, a trama de O Despertar da Força entrega algo completamente novo. Passando-se um bom tempo desde a destruição da segunda Estrela da Morte e a derrota do Império ao final de O Retorno de Jedi (o Episódio VI), o novo filme introduz uma outra ameaça: sob o comando de Kylo Ren (Adam Driver, de Frances Ha), as forças do Império resistem. Para que um novo reinado, sob a sombra do lado negro da Força, seja estabelecido, é necessário que Luke Skywalker (Mark Hamill), o último Jedi, seja exterminado, eliminando, de uma vez por todas, o lado da luz. Durante a sanguinolenta caçada de Kylo, Finn (John Boyega, de Ataque ao Prédio), um stormtrooper a serviço do Sith, decide desertar. Em sua busca por um novo destino, o ex-soldado topa com Rey (Daisy Ridley), uma garota que tira o seu sustento da venda de sucatas. Solitários, os dois unem forças quando se veem envolvidos na batalha entre a Resistência, liderada pela General Leia Organa (Carrie Fisher), e o novo Império, conflito este capaz de decidir o destino de toda a galáxia.

Entregar mais do que isso pode estragar a experiência proporcionada pelo Episódio VII. Todo o mistério que cercou a produção e a divulgação tímida, porém extremamente eficiente, prova que ainda é possível (e muito legal) esconder a trama de um filme para que esta seja revelada no momento certo, isto é, durante a sessão de cinema. Aos ansiosos, o alento: Star Wars: O Despertar da Força é, sim, o melhor filme da saga desde O Império Contra-Ataca (Episódio V), considerado a obra-prima da série, por conta de sua narrativa extremamente bem construída, ritmo dinâmico e pontos de virada inesquecíveis, ainda hoje surpreendentes. Todos esses adjetivos atribuídos ao filme de 1980 cabem perfeitamente à mais nova produção, com um diferencial: o talento do casal de protagonistas. John Boyega e Daisy Ridley cativam sempre que preenchem a tela, o que leva o espectador a se importar com Finn e Rey. Acredite: se você for ao cinema louco(a) para reencontrar Luke, Solo e Leia, em poucos minutos você terá esquecido deles, quando os dois novatos assumem o protagonismo da narrativa. Isto é ruim? De maneira alguma! Quando os personagens clássicos entram em cena, o que já estava bom fica ainda melhor. Ponto para o roteiro escrito a seis mãos por Lawrence Kasdan (roteirista dos Episódios V e VI), Michael Arndt (Toy Story 3) e pelo próprio Abrams, cujo texto permite uma construção cuidadosa dos personagens de maneira que a plateia se importe com eles, mesmo com muita coisa a ser apresentada, algo que, certamente, ficará para os próximos filmes.

Star Wars O Despertar da Força
Star Wars: O Despertar da Força | Imagem: Lucasfilm

Vale, mais uma vez, destacar a direção de J.J. Abrams. Levando em consideração que Star Wars sempre foi conduzido com mão de ferro por seu criador, George Lucas, assistir a um filme da saga que não possui amarras e é resultado do trabalho de seu diretor é um presente para o público. O Despertar da Força é uma obra de Abrams do começo ao fim e todas as características que marcam a maneira como o cineasta trabalha a linguagem cinematográfica estão presentes em cada fragmento. Uma das marcas que particularmente mais me agradam é como sua câmera, constantemente em movimento – mas sem o exagero de cineastas menos talentosos – atribui às cenas fluidez, permitindo que o espectador participe da ação, mesmo diante de planos aparentemente estáticos. Tal técnica atribui ao Episódio VII uma direção cuidadosa, algo que faltou nos filmes da nova trilogia (Episódios I, II e III), todos dirigidos por um George Lucas egoísta e enferrujado, resultando em filmes que têm seríssimos problemas de ritmo e são carentes de uma genuína emoção.

Repleto de momentos catárticos e com um humor de timing perfeito (outra característica de seu diretor), a última boa impressão que fica de Star Wars: O Despertar da Força é a capacidade que o filme tem de pegar inclusive quem não conhece a saga. Justamente por atribuir a Finn e a Ray o protagonismo, nunca ter visto Luke, Leia e Solo nas telas, acredite, não fará diferença. Golaço da Disney que, ao entregar uma produção que agradará em cheio aos fãs e também cativará os iniciantes no universo, pode obter uma renda maior do que a esperada. Se ainda duvida do bom negócio que a Disney fez ao comprar os direitos da saga e investir numa nova trilogia, é bom repensar.

Veja a ficha técnica e elenco completo de Star Wars: O Despertar da Força

Quer comentar sobre as produções com pessoas que possuem o mesmo interesse? Entre no nosso grupo do facebook e comece a discussão!

Nota do Thunder Wave
A continuação de Star War que todo fã esperava, O Despertar da Força é uma produção capaz de agradar os fãs e também cativar os iniciantes no universo Star Wars.

Artigos Relacionados

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Instagram

Bombando

Mais vistos da semana

Siga Nossas Redes

Tem conteúdo exclusivo por lá
6,914FãsCurtir
2,958SeguidoresSeguir
4,238SeguidoresSeguir

Recentes

Conteúdo fresquinho

Thunder Fic's

Tudo sobre roteiro
pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave