sábado, 4, dezembro, 2021

Crítica | The Old Guard é mais que porradaria e bomba!

Crítica | The Old Guard é mais que porradaria e bomba! 1
Parece fácil manter o equilíbrio entre papéis que exigem grande profundidade dramática e personagens em longas de muita ação. A atriz  sul-africana Charlize Theron é uma das atrizes hollywoodianas que tem conseguido esse feito. Já tendo sido premiada com o Oscar e o Globo de Ouro de Melhor Atriz por sua arrebatadora performance em Monster: Desejo Assassino e concorrido a esses e outros prêmios diversas outras vezes, ela sempre aceita o desafio de construir personagens icônicos como em PrometheusMad Max: Estrada da Fúria e até mesmo em longas não tão interessantes assim como  Branca de Neve e o Caçador e Velozes e FuriososThe Old Guard é o palco para mais uma vez Charlize Theron mostrar o seu brilhantismo e dessa vez… bem acompanhada.

Baseado na HQ de mesmo nome da Image Comics escrita por Greg Rucka (que já trabalhou nos quadrinhos da Mulher-Maravilha), o mais recente longa lançado pela Netflix gira em torno de um grupo de pessoas que possuem o dom da imortalidade. Eles se juntaram, como um esquadrão de operações especiais, para proteger pessoas que precisam de ajuda. Liderados por Andy (Theron), Booker (Matthias Schoenaerts), Joe (Marwan Kenzari) e Nicky (Luca Marinelli), eles sobrevivem se ocupando com estes resgates e missões. A calmaria se vai quando o time passa a ser perseguido por uma grande empresa farmacêutica em busca dos seus corpos para pesquisas científicas. Além disso, surge uma nova imortal, a fuzileira Nile (KiKi Layne).

Crítica | The Old Guard é mais que porradaria e bomba! 2
Capa do quadrinho The Old Guard / Reprodução

Logo de início, vemos os corpos dos quatro integrantes mortos após um frenético tiroteio e como num passo de mágica, os quatro se levantam como se nada tivesse acontecido e partem para o contra-ataque. A violência é escancarada aos quatro canto da tela . E o sangue? O tiroteio? Lembra de Bastardos Inglórios? O sangue jorra no melhor estilo Tarantino e as cenas de tiro também. Os efeitos especiais são bem feitos na recuperação dos ferimentos. As cenas de luta são bem coreografadas e o trabalho dos dublês é maravilhoso. Por outro lado, Merrick (Harry Melling, franquia Harry Potter) é um vilão bem idiota e sem graça que não se importa com quantas pessoas precisam morrer para que ele e sua empresa – ele é a mente “precoce” que representa as indústrias farmacêuticas Merrick – alcance o objetivo do lucro. Não muito diferente da nossa realidade, não é?

Decisão perigosa, porém, mais certa do que notas de 100 reais. É o próprio Rucka quem escreve o roteiro em seu primeiro trabalho nessa cadeira. Além disso, o escritor de quadrinhos americano mostra talento também no lado cinematográfico, construindo uma história emocionante acrescentando elementos que tornam a história ainda mais redonda, emprestando função – mas não explicação – aos “poderes” dos cinco imortais e um episódio no passado de Andy que revela, graficamente, o quanto esse dom pode ser uma terrível maldição e que  também serve para criar um cliffhanger (é um recurso de roteiro utilizado em ficção, que se caracteriza pela exposição do personagem a uma situação limite, precária, tal como um dilema ou o confronto com uma revelação surpreendente) que torna este potencialmente o começo de uma franquia.

Assim como a novata do grupo que está desesperada por respostas, nós também estamos. Mas mais importante que isso, é a condução que a produção tem. Temos personagens principais muito bons e com histórias próprias e mais interessante ainda é a forma como cada um é tratado e construído. Se por um lado temos mulheres que vão para a luta, são determinadas e corajosas, temos um casal gay nada estereotipado e caricato e sim dois personagens que demonstram o seu afeto seja por frases ou gestos e ainda assim são representados com muita naturalidade.  No entanto, a trilha sonora eletro pop é fraca para o tom da trama e alguns personagens sub ou mal desenvolvidos tiram um pouco a atenção do telespectador.

Crítica | The Old Guard é mais que porradaria e bomba! 3

O time de protagonistas são muito bons. Já o vilão… O industrial bilionário Merrick (Harry Melling) não é mais do que uma caricatura sem sal ambulante que só faltava se vestir de preto e esfregar as mãos, ocasionalmente soltando risadas histéricas ou com ares de louco. O personagem Chiwetel Ejiofor  é mediano e sem vida. Merecia mais. Porém, ainda assim desse jeito “gelatinoso”, seu personagem Copley se sai melhor do que a turma do vilão. Tudo o que Rucka inseriu de variação em Copley ele tirou de Merrick e de seus capangas, fazendo com que o telespectador queira o fim trágico, cruel e trucidante de cada um que pertence a equipe do vilão que tem um fim de tirar o fôlego. E o que é aquela cena pós-crédito? Tem cheiro de sequência, né dona @Netflix?

Mas por que devo assistir?

É uma trama interessante e a história é diferente do que estamos acostumados. Se por um lado, Andy (Theron) ficou com medo de ser deixada para trás e esquecida pela entrada da novata Nile e vemos que isso não acontece. Vemos que a traição é por algo inimaginável e vem de onde não se espera. O mais surpreendente é que temos um filme em que a mulher não é a escada para o homem brilhar e vai além disso… temos representatividade LGBTQ que é muito raro ver em longas de ação. O longa é bem construído, tem boas passagens de cena e um elenco maravilhoso.

Aposta em duas mulheres como destaque de força e coragem. A ação é muito bem conduzida por Gina Prince-Bythewood ( A Vida Secreta das Abelhas), que sabe trabalhar com explosões e pancadaria sem exagerar demais e sem desnortear o espectador. E mais um ponto bem observado é o tom dramático empregado por Theron que nos entrega uma Andy melancólica que permanece até mesmo nos momentos alegres que são poucos e em meio a porradaria desenfreada.

Desse modo, a atriz consegue dar a personagem uma bagagem extensa e pesada de sua imortalidade que aos poucos se esvai. Embora, tenham pouco tempo de tela, os demais companheiros imortais são tão bons quanto Andy e Nile que funciona como a nossa “entrada” nesse mundo aterrorizante e diferente, triste e inquietante. É um bom longa e merece uma sequência.

Nota do Thunder Wave

Artigos Relacionados

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por Favor insira seu nome aqui

Instagram

Bombando

Mais vistos da semana

Siga Nossas Redes

Tem conteúdo exclusivo por lá
6,914FãsCurtir
2,962SeguidoresSeguir
4,233SeguidoresSeguir

Recentes

Conteúdo fresquinho

Thunder Fic's

Tudo sobre roteiro
pt_BRPT_BR
Thunder Wave-Filmes, Séries, Quadrinhos, Livros e Games Thunder Wave